Home Escola Um bom diretor será o que bajular melhor o seu presidente de...

Um bom diretor será o que bajular melhor o seu presidente de câmara

1267
19

Apesar das inúmeras vozes contra, o atual Governo, apoiado pela oposição do PSD, avança sem piedade para um dos mais devastadores ataques à autonomia e independência da Escola Pública. A escola tal como conhecemos, ficará dependente dos humores e das cores dos presidentes de câmara, bem como da ligação partidária ou inclinação política dos nossos diretores escolares.

Nada será como dantes… E por muito que digam que a componente pedagógica não será afetada, todos sabemos como as coisas funcionam, principalmente em meios pequenos…

Por isso caros diretores, coloquem na vossa agenda as visitas de charme tão necessárias para cair nas boas graças dos nossos presidentes. Talvez até devam arranjar um RP (relações públicas) caso tenham dificuldade em engolir os sapos que vão precisar de engolir… Mas deixem, é moderno e tal, é a escola do século XXI…

Na área da educação, os montantes das transferências destinam-se a despesas com pessoal (não docente), instalações e equipamentos, apoio e complementos educativos. Os municípios, na saúde, passam a assegurar os encargos com pessoal, instalações, equipamentos e custos correntes, mas não serão abrangidos municípios com Unidades Locais de Saúde, num total de 78, refere o documento.

Na área da educação estima-se que as autarquias assumam a responsabilidade por 43.262 funcionários, 996 estabelecimentos e 3.552 edifícios, enquanto na saúde se prevê a transferência de 1.847 funcionários. Em termos de receitas potenciais, o documento do gabinete do secretário de Estado Carlos Miguel estima que na educação, com base em valores de 2016, os refeitórios em gestão direta e concessionados representem 53,8 milhões de euros.

Fundo para a descentralização pode chegar aos 889,7 milhões com destaque para educação

(Observador)

19 COMMENTS

  1. O título deste post e parte do seu conteúdo pautam-se por uma completa falta de ausência de estupidez do autor.

    • Deduzo que me quis chamar estúpido. Se é o caso retribuo com a gentileza proporcional. Não se trata de uma crítica aos diretores, trata-se de uma crítica à municipalização e à forma como algumas escolas andam a ser pressionadas pelas autarquias.

    • Negação de uma negação é uma afirmação. A dupla negação aprende-se na Lógica Matemática.
      O que está em causa,neste post,é a Municipalização na Educação ( a exemplo da Saúde e outros serviços públicos ).
      Se a corrupção é elevada no topo da pirâmide da administração pública maior ainda é na sua base. Daí a natural preocupação dos contribuintes e cidadãos em geral.

      • E vão dois…

        Estais preocupados com a corrupção, por parte dos autarcas ou dos diretores?
        Esclareçam-nos.

        (Alves, cidadão português, contribuinte com os impostos em dia)

        • Dos dois claro, sempre que existe um corruptor existe um corrompido e a relação
          é comutativa. Eu também sustento o Estado.

          • Meteu o bedelho nas conversas dos outros, somente para asneirar.

            Um, dizia que os diretores das escolas tinham que passar a ser “lambe botas” dos autarcas!

            Outro, estava preocupado com a corrupção, mas não especificou de quem, e como.

            E vem a iluminada, afirmar logo que um corrompe o outro, e mais nada! Gostava que concretizasse essa afirmação.

            Eu até nem disse se era a favor ou contra a passagem de competências para as autarquias!
            Mas já lhe digo, por exemplo, a nível de gestão de instalações, sou a favor, desde que o Estado liberte os meios necessários. Para determinado tipo de melhoramentos e arranjos, será muito mais eficiente uma intervenção local, COMO ACONTECE NA ED. PRÉ-ESCOLAR E NO 1.º CICLO, há muitos anos.

            Comente somente aquilo de que saiba.

  2. O Alexandre Henriques tem razão: vai ser um… fartar vilanagem ! E ainda não sabemos todos os pormenores da excelente divisão da ” massa” feita pelo Dr. Rui Rio e pelo senhor primeiro ministro…
    O grande centrão divide a massa e perfilam-se os quadros do partido para gerir os euros e ter mão no funcionalismo… E sim, os diretores serão homens de mão do poder… Aliás o que ainda não são já são excepcionais!

    • Está visto: não há dois, sem três!

      E este ficou tão baralhado com a sua politiquice de meia tigela, que já não sabe se há-de escrever pelo AO ou como antes do AO e nem distinguir o singular do plural.

      Santa paciência!
      Aculturem-se.

  3. Corrija este, ó Alves! Da associação Sindical dos Juízes Portugueses.
    ”OS PODERES DO PODER LOCAL

    43% dos processos crime por corrupção envolvem câmaras

    Corrupção

    43% dos processos crime são de câmaras

    Justiça. Municípios portugueses mantêm tendência de ser um dos principais “viveiros” da corrupção na administração pública. Desde 2004, contam-se mais de 500 processos crime com origem no poder local

    MARINA MARQUES RUI PEDRO ANTUNES e SÍLVIA FRECHES

    Quatro em cada dez processos-crime de corrupção no sector público têm origem nas autarquias. Nos últimos quatro anos, o poder local bateu, com grande diferença, áreas como forças de segurança, educação, saúde, justiça e as mais diversas do Estado. Os relatórios do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC) do Tribunal de Contas (TdC) mostram que 43% dos processos entre 2009 e 2012 tiveram origem no poder local, que foi o “viveiro” de 177 processos-crime num total de 415 reportados a esta entidade. O último ano de que há registo, 2012, foi até dos piores, com quase metade dos casos (47%) a terem origem nos municípios.

    O CPC admite que nem todos os processos lhe são reportados, mas estes dados vêm confirmar a tendência do único estudo até então feito sobre a matéria e que – contrariando as opiniões dos autarcas – colocou as autarquias como principais zonas embrionárias da corrupção no País. Esse estudo, feito pelo Instituto de Ciências Sociais e Políticas com a colaboração do Ministério Público (MP), detetou que 345 dos 838 casos de corrupção(41%) analisados pelo Ministério Público entre 2004 e 2008 tiveram origem nas autarquias. Mesmo deixando de fora o lapso temporal não controlado (o CPC não tem dados entre janeiro e março de 2009), contabilizam-se, desde 2004, pelo menos 522 processos-crime oriundos do poder local.”
    … Etc

  4. Eu apareci por aqui à noitinha, e disse o que achei que tinha a dizer, sobre este assunto.

    Mais tarde, já o autor do blogue tinha arrecadado a viola (e a tuba), apareceu o Afonso Costa (o justiceiro republicano?) a dar a sua opinião, assim mesmo como a de um justiceiro assumido, tal a corrupção já existente nas Câmaras e, agora, com os malandros dos diretores das escolas, ai o que aí virá!

    Levou também a devida resposta. Mas, que raio, após umas horas a rever o escrito, a afiar a espada (e a experimentar a mascarilha?), e porque um Zorro que se preze, trabalha de noite e de dia, voltou aqui de madrugada!

    Logo a seguir, um anónimo (talvez o Costinha) após árduas horas de pesquisas, elencou um rol de casos de “contrabando” autárquico.

    E pediu-me para os corrigir!
    Quer ser corrigido? Inscreva-se para fazer exame, pague os emolumentos, faça provas e eu mandarei corrigir. Mas, aviso que não me responsabilizo pela classificação…

    Antes disso, meta o seguinte nessa cabeça, por favor:
    1 – Não são admitidas suspeições infundadas e falsos preconceitos para com as Direções das escolas;
    2 – Se tem conhecimento de algum caso em que a Direção foi corruptora, ou corrompida, denuncie-o, imediatamente;
    3 – Para sua informação, as escolas são exemplo, entre as entidades públicas, pela honradez dos seus compromissos e por não terem dívidas, a quem quer que seja!

    Com todo o respeito, parece que são todos professores de ginástica, tais os malabarismos cerebrais, patentes nas contínuas investidas contra os responsáveis pelas escolas deste país!

    Ai, Costa, Costa!

  5. você é excelente Alves começa com uma charada aí já ganhou pela singeleza do raciocínio deu umas coteveladas a uns quantos detratores tratando-os com a esfregona da sua superioridade intelectual mandou-os pontuar hifenizar afocinhar na superioridade redentora da sua prosa de sombras ó Alves você é uma máquina da língua de vieira você está enganado só numa coisa nisso me há de desculpar nas horas tardias eu não pensava em si acredite que não mas, confesso, seguia as suas instruçoes nessas horas mais longas estava me a aculturar abocanhando umas caipirinhas e baillando um lundum mais modernaço não o estou a desprezar ó Alves e mal li a sua reprimenda embora reconheça a sibilinidade da sua pena deu me para espumejar ensadecido publiquei duas postas ou melhor dois posts assim de chofre um, ou uma saiu me anonimo, ou anonima, por furia! depressa tambem me arrependi pois sabia que voce voltava para me admoestar de modo mais rude que a inquisição espanhola. não se mace mais ó Alves e volte ao assento étereo donde saiu imagino numa direção extremamente dinamica e comprometida com a atual conjuntura e continue de mão solta e atalhadora dos maus usos da língua lusa adeus pois ó Costa : vou em genuflexão e adimitindo que estive a preparar esta macacada por toda a lânguida tarde por este facto já não pude aculturar desta vez tentava as áfricas e previa amandar-me a uma cachupa emborcar uns grogues e bailar num jeito atamancado uma coladera. Adeus ó Alves e ditosos os que devemm estar sob o Céu diáfano Mando!
    PS: que me desculpe o Alexandre Henriques, por aqui termino, que não é este o local para tal disputa.

  6. A mania de estragar tudo «abusou levou». Depois já não fazem greves como no privado, ficam todos satisfeitos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here