Início Notícias Sindicatos de Professores Rejeitam Greve Às Avaliações

Sindicatos de Professores Rejeitam Greve Às Avaliações

1254
6

Ora aqui está uma medida sensata e que merece um elogio público.

(sim, sou capaz de elogiar Mário Nogueira e a plataforma sindical, apesar de algumas mentes pequeninas acharem que ando em campanha contra este ou aquele dirigente sindical)

A decisão tomada revela uma leitura correta do estado anímico dos professores e das limitações legais que dificultam e muito uma greve às reuniões de avaliação. Além disso, tal como diz Mário Nogueira, neste momento negociar, ou tentar negociar com o Governo é a mesma coisa que falar para uma parede.

Este deve ser um período de reflexão como disse recentemente e que tanta contestação criou no blogue. Reafirmo que é necessário um período de renovação no discurso, na imagem e nas estratégias futuras, seja com estes ou outros interlocutores. E não me venham com o argumento absurdo que só pode opiniar quem é afiliado dos sindicatos. A plataforma sindical tem falado em nome de TODOS os professores.

Em resumo, é altura de usar mais a cabeça e pensar a médio e longo prazo. Muito bem!

Fica a notícia.

Alexandre Henriques


Os sindicatos de professores decidiram não avançar com uma greve às avaliações do 3.º período, optando por acções de visibilidade nas ruas, já na campanha para as europeias, e acções em tribunal, entre outras.

“A luta aconselha neste momento a não desgastar os professores com acções que se arrastam no tempo sem ter um interlocutor válido à vista”, justificou o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, lembrando que as legislativas se realizam já em Outubro e que a decisão do Parlamento nesta legislatura já foi tomada, com o chumbo das pretensões dos professores na semana passada. Foi o culminar que Nogueira classificou como uma das “mais tristes cenas da política portuguesa”, consubstanciada a 3 de Maio pelo anúncio de António Costa de que se demitiria caso a contagem integral do tempo de serviço dos professores fosse aprovada pelo Parlamento e que levou todos os outros partidos a mudar de posição.

A decisão dos sindicatos consta de uma declaração conjunta das dez estruturas sindicais entregue aos jornalistas numa conferência de imprensa nesta quarta-feira, em Lisboa.

Mário Nogueira disse que a reivindicação do tempo de serviço na íntegra, chumbada no Parlamento no dia 10, “é um processo de luta, não é um momento” e que as organizações sindicais “estão confiantes” que irão atingir o objectivo na fase de luta que agora se inicia.

Os sindicatos de professores tinham equacionado fazer greve às avaliações a partir de 6 de Junho. No início do mês, Mário Nogueira explicava que o o pré-aviso de greve poderia ser entregue até dia 22 de Maio.

Na conferência de imprensa desta quarta-feira, e à semelhança do que fizera logo após o chumbo pelo Parlamento, Nogueira voltou a citar Mário Soares, afirmando que “só é vencido quem desiste de lutar”, para acrescentar que tal não acontecerá com os professores. “Não vamos baixar os braços”, garantiu já depois de ter manifestado esperança de que os portugueses acabarão por entender de que “lado está a razão”: “Está do lado de quem quer roubar ou do lado de quem trabalhou?”

A este respeito, o líder da Fenprof sublinhou que “apesar de toda a manipulação” desenvolvida pelo Governo, a proporção de portugueses que afirma concordar com Costa é apenas superior em cinco pontos da que manifestou a sua discordância. Nogueira referia-se a uma sondagem da  Aximage onde 49% da amostra de inquiridos consideram que António Costa fez bem ao ameaçar demitir-se; 44% dos que responderam consideram, por outro lado, que António Costa procedeu mal, enquanto os restantes 7% não responderam.

No ano passado, os sindicatos convocaram greves às reuniões de avaliação, que acabariam por ser contornadas, mais de um mês depois do seu início, pelo estabelecimento de serviços mínimos – que o Tribunal da Relação de Lisboa acabaria por considerar ilegais, meses depois.

Fonte: Público

 

COMPARTILHE

6 COMENTÁRIOS

  1. Não concordo.
    Consultaram os professores para quê?!
    Roubaram tempo e agora nada? Uma manifestação é pouco.
    Pois, acho que devia haver greve às avaliações, aos exames. às aulas, por tempo indeterminado, todos os dias e quem quiser faz e quem não quiser…
    Por isso, apelo ao STOP para que convoque greve a tudo por tempo indeterminado.

  2. O que vale é que todos aprendemos com os erros e com os outros.
    Espero que os sindicatos da docência sejam espertos como o dos enfermeiros e em proximas decisões de greve organizem crowdfunding a ser distribuido plos grevistas.
    Muito sensato a decisão destes em relação a não efetuar greves, em insentivarem ações de rua e de lutarem nos tribunais. Isto faz me ter orgulho de um dia ter sido prof e sindicalizado.

  3. PALAVRAS LEVA-AS O VENTO…
    REAFIRMO QUE SE DEVIAM convocar greves a tudo (exames, avaliações, aulas…), por tempo indeterminado. Assim cada professor marcaria a sua posição. Quem quiser faz quem não quiser não.
    Manifestações, Comícios nada vão alterar.
    Ao menos que apelem ao não voto no PS – hoje SÃO UMA VERGONHA. Um grupelho de familiares e de amigos no poder…
    Fundo de greve, Fundo solidário, já1
    Ainda espero que o STOP convoque Greve a tudo, todos os dias.
    Retirar a hipótese de os professores de optarem por greve é uma palhaçada.
    Como também é ridículo que a sobrecarga ao trabalho não seja até ao fim de julho. Então os professores que lecionam nos cursos profissionais e que terão aulas e serviço— até depois do fim do ano letivo do ensino regular?!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here