Home Rubricas Silêncio

Silêncio

1091
3

Toda a comunidade ligada à Escola fala de Maria de Lurdes Rodrigues e de como o relacionamento entre a hierarquia e os docentes (e docentes entre si) se alterou com a divisão da Carreira, com as injustiças nas “ultrapassagens”, jamais sanadas.

Não houve até ao presente uma pacificação, um evoluir positivo. Pelo contrário- cada vez mais desrespeito e descrédito têm sido dados aos profissionais da educação, por famílias, alunos e pelos próprios pares, quando exercem funções de gestão, mas não exclusivamente nessa situação.

Há respeito pelos colegas mais velhos? Nem sempre. Às vezes parece que têm culpa de não lhes autorizarem a Aposentação (ansiada) e são vistos como um empecilho à colocação dos mais novos, sem paciência para quando mostram algumas dificuldades no exercício de funções. Todos chegarão a essa fase da vida e entenderão cedo ou tarde, se forem atualmente insensíveis. Eu já entendi, a duras penas!!

Respeito e colaboração com os mais novos, contratados, com tantas dificuldades? Quase nunca. “No meu tempo, não havia transportes, nem telemóveis e eu fazia e…” Pois. Tudo mudou. Só as dificuldades se mantêm, sendo diferentes.

Mas foi para falar de outra mudança, estratégica, que me pus a escrever. A mais recente, já anteriormente experimentada posição do Ministério da Educação- o SILÊNCIO.

Que significado tem o silêncio, quando 70/80% das escolas encerraram, quando pessoal docente, não docente, pais e alunos protestam e afirmam que não há Auxiliares suficientes, que há obras prometidas há muito por executar, escolas com amianto que esperam anos para serem intervencionadas, falta de meios para o trabalho EXIGIDO de INCLUSÃO de alunos, INDISCIPLINA crescente e VIOLÊNCIA caótica por todo o país?? Será a impossibilidade de NEGAR o ÓBVIO??

A não ser isso, só pode ser o uso de uma estratégia, que não quero acreditar esteja a ser utilizada. Já o foi com o sindicato S.TO.P e com a Comissão Representativa da ILC. Estar a ser usada com toda a comunidade escolar??? Seria um absurdo. A que me refiro? À indiferença, ao silêncio que coloca cada um de nós com um sentimento de desvalorização, de desmérito, uma falta de vontade de agir que nos paralisa.  Inegavelmente conveniente e eficaz!!!

“A indiferença e o abandono muitas vezes causam mais danos do que a aversão direta”

                                                                      JK Rowling

 Assim, há um “arrefecimento”, uma desmotivação, e fica tudo igual, à exceção dos cofres do Estado que ganham com o que deixam de pagar aos trabalhadores nos dias em que não trabalharam??

Que Estado é este que não ouve a voz dos Cidadãos, que não se preocupa com os mais pequenos, com os seus trabalhadores agredidos, não cumprindo a Lei do Trabalho, não sendo pessoa de bem???

 SERÁ ISTO O QUE ESTÁ A ACONTECER??? VAMOS DEIXAR QUE ASSIM NOS USEM E DESRESPEITEM??

 

Fátima Ventura Brás

3 COMMENTS

  1. Desvalorizar a ilc e o Stop, é atual estratégia dos sindicatos partidários do sistema.
    Vendo essa realidade como podem os docentes não achar os sindicatos e o governo nojentos?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here