Home Escola Regresso Do Pré-Escolar | Educadora Vai Apresentar Declaração De Exclusão De Responsabilidade

Regresso Do Pré-Escolar | Educadora Vai Apresentar Declaração De Exclusão De Responsabilidade

100379
25

Funções dos jardins de infância :
Os jardins de infância são os espaços educativos onde se ministra a educação de crianças do 3 aos 6 anos de idade. Não é um lugar onde se toma conta de crianças. Isso são amas ou familiares.

Necessidade :
Abrir jardins de infância nesta altura do ano é completamente desnecessário: os alunos não perdem matéria nem estão a ser preparados para exames. Portanto isso seria argumento para irem os alunos dos outros ciclos, nunca do jardim de infância.

Guarda :
O argumento de que os pais têm de ir trabalhar e as crianças têm de ficar guardadas, relembro que não estamos no sec. XIX em que a função do apoio às crianças dessa idade, era somente assistencial. Podtanto é uma desculpa falsa uma vez que as crianças do 1º ciclo são igualmente dependentes e também não conseguem ficar sozinhas em casa. Culminando o facto de não poderem ficar sozinhas e ter de aprender matéria, seria mais logico serem estes a ir para a escola e não as crianças do jardim de infância.

Prioridade :
Porque não são os mais velhos a ir primeiro para a escola? Afinal eles podem usar máscara e entendem os procedimentos. Sendo escolaridade obrigatória , teria mais logica serem eles e não os pequenos a ir. OBRIGATÓRIA!
Porque são os mais pequeninos a ir para a linha de fogo? Logo os que não entendem distanciamento nem as regras básicas de proteção.
As crianças brincam juntas. ( não vou separá-los. Separados, ficam em casa)
As crianças partilham brinquedos à velocidade da luz. ( não vou impedi-los. É básico da educação, partilhar).
As crianças espirram e tossem. E não têm máscara. Como impeço que espirrem ou tussam? Como controlo a direção do espirro e o trajeto que contaminou?

Higiene e segurança:
Os materiais tem de ser desinfetados . O jardim de infancia não é uma sala do 2º, 3º ciclo ou secundária. Uma sala de jardim de infância tem muita tralha. Quem desinfeta tudo a toda a hora? Dizem que as salas são desinfetadas nas mudanças de turno. Como se define essa mudança no pré escolar?
Quem desinfeta a sala antes das aulas começarem? O exercito? Uma empresa especializada?
Ou aqui vai ser tudo caseiro? Tudo caseiro menos a responsabilidade do docente!

(des)Proteção e risco para as outras crianças:
As crianças do jardim de infância não podem usar mascara. Óbvio, senão a trapalhada ainda seria maior! Mas isso porá em perigo todas as crianças. Temos de entender que as crianças são muito resistentes ( como qualquer cria na natureza) e é preciso estarem muito mal para apresentarem sintomas. Muitos são assintomáticos: podem ser positivos e não apresentar sintoma algum. Assim tornam-se em autênticos cavalos de Tróia: entram inofensivos e espalham problemas à sua volta.

Sem proteção – risco para outros adultos:
As crianças não contagiam só uns aos outros. Embora isso já seja perigoso. Na convivência com os pares, podem ficar contaminados e trazer para casa ou de casa. Os adultos que trabalham com eles, docentes e auxiliares, estão perante um publico desprotegido e completamente indefesas. Se a lei manda que tanto quem trabalha como os clientes da loja ou passageiros de transportes públicos e outras situações , devem usar proteção, aqui os funcionários não estão protegidos dos seus “clientes”. A única situação onde isso acontece. Logo a lei não é igual para todos.
Fala-se que tanto educadores como auxiliares irão ser testados.
Para garantir segurança aos pais.
Mas as crianças não são.
Que garantias me dão a mim como educadora?
Não ouvi falar de testes aos outros professores do 11º e 12º que vão começar agora também.
Portanto, e como sou docente como eles, não aceito ser discriminada. Se eles não fizerem, eu também não o farei. Não sou mais duvidosa que eles. Já basta considerarem-me mais duvidosa que os alunos.

(IR)Responsabilidade :
Face ao exposto, é fácil constatar que não estão garantidas condições de segurança para as crianças nem para mim.
Considero de total irresponsabilidade e um risco desnecessário a abertura dos jardins de infância e 20 dias do encerramento do ano letivo. Atirar para cima dos educadores a responsabilidade de controlar todas as varáveis de segurança das crianças, numa situação nova, de dimensões que ainda ninguém conhece, é perverso. É fazer cobaias com os filhos dos outros, com as suas famílias e com as pessoas que trabalham com eles.

Assim, à semelhança dos médicos, o meu advogado apresentará Declaração de Exclusão de Responsabilidade face aos problemas que advenham desta irresponsabilidade .

Agripina Maltinha


Que Surja Uma Onda De Protesto Contra As Novas Regras Nas Creches

25 COMMENTS

  1. Tudo muito bem, não fora a desnecessária comparação com os professores do 11º e do 12º anos. Assim, a aumentarem a divisão na profissão, não vamos lá… e é feio…

  2. Poderá apresentar a referida declaração mas não deixa de ter que cumprir as suas funções dentro do seu horário normal, com ou sem maior parte das crianças do grupo, pois, possivelmente, muitas das crianças não irão frequentar . Tb, é bom lembrar: como irão reagir algumas direções a essas tomadas de posição? É preciso acautelar!

    • Parabéns! Tudo com medo das direcções, assim é que é! Nada de lutar pelos direitos e pelos direitos das crianças, o importante é a imagem e o que vão pensar os elementos da direcção. que absurdo, que vergonha:((

    • E os pais têm alternativa? Poucos serão os que poderão permanecer em casa com as crianças. Com a abertura dos estabelecimentos de ensino os pais não têm outra alternativa senão regressarem aos seus empregos mesmo que em panico pelos seus filhos tão pequeninos que sempre protegeram desde que tomaram conhecimento da sua existencia (ainda no utero) e que agora se vêm obrigados a ir contra todos os seus instintos de proteção e deixa-los entregues à sua sorte e à mercê de um vírus tão mortal…

  3. Já foi amplamente explicado, não sei qual a dúvida, nem percebo as comparações. Crianças menores, filhos de pais mais jovens, logo de menos riscos. O quadro de pessoal das creches e jardins de infância também é mais jovem, logo é uma população de menos risco. O 11º e 12º só vão às aulas por causa dos exames vs entrada na universidade. Temos todos noção que se o país não começar a funcionar, não morreremos do vírus, morreremos de fome?! Têm noção do desemprego e da pobreza que nos vai afectar no 2º semestre de 2020?!
    Há qualquer coisa de funesto nesta obsessão. A rede de lares de idosos é que devia ser a nossa única obsessão, a única. Mas, contra todos os factos conhecidos e sublinhados pela ciência, a sociedade preocupa-se sobretudo com a saúde das crianças – e não com a saúde dos velhos. Isto não é gerir a pandemia, é gerir medos e ansiedades sem justificação factual.

    • E quem tiver uma criança e for doente de risco? Abandona a família por tempo indeterminado com medo de ser contagiado pelo próprio filho?

    • A rede de lares de idosos devem também ser uma preocupaçao.
      Agora pergunto:
      E creches nos mesmos edifícios de lares de idosos?
      Será uma bomba relogio!?

    • Desconhece que a classe de educadores tem imensos profissionais com idades no limiar da reforma e sentem-se ameaçados… Mas temos de nos fazer à vida, sem dúvida! Quanto ao resto concordo consigo! Estamos todos a retomar gradualmente… A questão de o básico não recomeçar já talvez se prenda também pelo facto de muitas escolas públicas poderem usufruir das salas para maior distribuição das crianças (penso eu). Há que nos adaptarmos e não estarmos a ver um problema em tudo… A educadora vai apresentar uma declaração de isenção de responsabilidades… Mas alguém acha que vai ser punida caso alguma criança seja infectada?! Não entendi… Só vejo revoltas… A pandemia do medo causa mais estrago que outra coisa…

    • Está enganada! Neste momento há muitas educadoras com mais de 60 anos…e Assistentes operacionais também…Reforma das reformas…

    • Carla, está muito enganada. Eu tenho 54 anos e sou a educadora mais nova do quadro do meu agrupamentos, as mais novas que eu já fizeram 50 anos. Não se fala quando não se sabe a realidade.

    • Sabe qual é idade média das educadoras neste momento!? Não é inferior à dos outros docentes, possívelmente até é superior, do meu agrupamento educadoras de carreira eu sou a mais nova e já tenho 46 anos, a maioria das minhas colegas ronda os 60!!

  4. Eu fico deveras envergonhada por ser chamada de colega de exemplos como estes… envergonha_me pertencer a uma classe professional que mais parece que alguns foram educados e formados numa peixaria (sem ofensas mas não me ocorre outro termo). Deveriamos (todos) ser suficientemente profissionais para cada um desempenhar a sua função o melhor possível (caramba há médicos e enfermeiros que tiveram de salvar vidas com sacos do lixo). Eu tenho duas turmas de 11 ano e irei com todo o gosto ajudá_los para o exame pois é a minha obrigação professional e é para isso que me pagam. Tomarei medidas, se for necessário saco plástico assim será (brincadeirinha) mas acho que nos devemos comportar com profissionalismo e deixar os lamentos para quem deles necessita (comportamentos destes não abonam nada a nosso favor).

    • Estamos a falar de educadores com crianças de 3 a 6 anos, que se agarram, brincam, partilham brinquedos, cheios de ranho, sem controlo de bexigas etc…
      Não me parece que enfiarem as crianças em sacos de plástico e levá-las para escola seja fazível, não é um supermercado de miúdos.
      Não se está a falar de miúdos maiores de 16 anos com mais maturidade e que se mantêm afastados 2 metros entre si e usam máscaras.
      No meu entender, você tem é dor de cotovelo em ter que ir dar 1 mês de aulas e para se sentir melhor descarrega nos educadores, quando se sabe que não existem presentemente condições para ter as crianças e todos as que rodeiam em segurança.
      Vamos estragar todo o trabalho que fizemos nestes 2 meses, desde que o estado de emergência acabou o nº de infectados aumentou e a seguir vamos ao aumentar o nº de crianças infectadas.

    • Certamente que não vai comparar a relação afetiva entre uma educadora e uma criança de 2,3,4, 5 anos , e até de meses, com a de um professor do secundário e os seus alunos!! Afeto significa toque, abraços, beijinhos, limpar lágrimas e ranho, limpar os rabiosques. Estas crianças esquecem-se muitas vezes de tossir e espirrar para o lado, e são inúmeras as vezes que levamos com tudo!! Não se trata de falta de profissionalismo trata-se de medo de ficar doente por ter em casa uma filha de 15 anos e uma mãe de 70!!

  5. A maioria dos comentários não entendeu ou não quis entender o que foi escrito. São pessoas que não têm noção nenhuma do que é o dia a dia, numa sala com crianças, haja muito ou pouco profissionalismo. A incapacidade para compreender a situação em que os educadores e auxiliares vão ficar sujeitos revela bem o que é a nossa sociedade, cada um com o seu umbigo!

  6. Não sou educadora, sou dona de casa, tenho dois filhos com 8 e 11 anos. Mesmo que as escolas recomeçassem presencialmente, os meus ficariam em casa porque tenho plena noção de que eles não cumpririam as regras, são crianças! Preferia que perdessem o ano escolar a correr riscos.
    Mas eu posso tomar conta deles, ao contrário de muitos pais que precisam de ir trabalhar, pois o dinheiro não cai do céu. Deixá-los com os avós é arriscado para os mesmos.
    Enfim, esta situação é um pau com dois bicos

    • Não é deveras uma situação fácil. Imagine agora 2 professores (deslocados, sem familiares para ajudar) com filhos mais novos que os seus. Imagine estes dois professores convocados para irem, já dia 18 de maio, lecionar o secundário…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here