Início Notícias Quantos professores sindicalizados há em Portugal?

Quantos professores sindicalizados há em Portugal?

3794
7

Isto é, quantos professores pagam quota aos sindicatos (pelas razões todas pelas quais se paga quota e com que gastei algum tempo aqui).

Quem quiser saber, vá direto à tabela que está no fim deste texto, que dá uma estimativa relativamente aproximada.

Por aqui podem ficar com uma estimativa resumida. 7 sindicatos têm menos de 2500 sócios, só 4 passam os 4000 e há 3 abaixo dos 1000 associados. Aquilo que muitos dizem, mostra-se: se não fossem tão atomizados, talvez fosse mais interessante.

Número de Associados Sindicatos 
Mais de 5000 SPGL
4500-4999 SPN  SPZN
4000-4499 SPLIU
3500-3999 SEPLEU SPRC SINDEP
3000-3499 SIPE SPZC
2500-2999 SPZS SNPL
2000-2499 Sinape
1500-1999 SDPSul
1000-1499 SDPGL ASPL
500 a 999 Pró-ordem
Menos de 500 SIPPEB ATE

Paulo Guinote, com aquela acutilância que faz dele um líder de opinião, reconhecido pela qualidade do que escreve e pensa, sujeito ao simples escrutínio dos que o leem (e não, como muitos, bastante ocos de ideias, apenas por serem dirigentes ou outra coisa com estatuto institucional) resolveu um problema que eu andava a tentar solucionar há muito (como explicarei a seguir). E partilhou a informação com todos nós no seu blogue.

O número de sindicalistas e sindicalizados devia ser informação pública

Queria ter a resposta, o mais aproximada possível à questão que dá título a este texto. A resposta devia ser pública.

O número de sindicalizados é um dado que determina um apoio público que gera despesa pública que os sindicatos recebem (e, note-se, acho muito bem que o recebam, desde que com conta peso e medida).
Cada dispensa de trabalho em escola é atribuída por cada 200 associados (ou fração inferior, isto é, resto). E custa dinheiro público. O sindicalista que não dá aulas, pela boa razão de realizar trabalho sindical, tem de ser substituído, além de se lhe continuar a pagar o salário. (Podem ler a explicação das contas para chegar ao número de dispensas aqui)
Como esse apoio custa dinheiro, qualquer contribuinte devia poder saber, quer os dados de base que o determinam (o número de sindicalizados), quer quem dele beneficia, quer a distribuição em horas desse apoio.

Mas parece que o Ministério da Educação mantém os dados em segredo.

Qualquer pessoa consegue consultar a lista que diz em que escola dou aulas, a minha graduação, a lista do escalão e da data de mudança. Se dever ao fisco ou segurança social, há uma lista pública que o publicita. Mas se receber uma subvenção vitalícia, por ter sido político, ou tiver uma dispensa de trabalho docente, por ser dirigente sindical, a lista é mais ou menos secreta.

Querem perceber como funciona um país com democracia escondida por fachadas e com elites ou pseudoelites desligadas do povo? É isto mesmo.

Uma odisseia na DGAE

Com base na ideia da chamada “freedom of information” (em português escorreito, direito de acesso a documentos administrativos) e munido dos recursos da minha lei favorita (a LADA, que pode ser lida, e vale a pena, aqui) requeri acesso a estes dados à Chefe de Gabinete do Ministro da Educação. Corria o mês de junho. O requerimento estava bem feitinho (como sabem os que me leem aqui, até tenho prática).

A minha lógica é simples: esses dados de dispensas sindicais são informação pública, que devia ser sujeita a regras de transparência e deviam ser fornecidos, se pedidos, e até deviam estar divulgados, mesmo sem pedido.

A Chefe de Gabinete do Ministro enviou para o Gabinete da Secretária de Estado Leitão. Daí, o meu pedido foi mandado para a DGAE e, dentro dela, caiu nas mãos da Chefe de Serviços de Recursos Humanos, que desconversou. Enviou-me uma resposta a dizer que não era com aquele serviço e que devia pedir à Direção Geral do Emprego Público (Direção geral do Ministério das Finanças). Afinal, como eu lhe disse em 2 ofícios posteriores, sem direito a qualquer resposta, não era verdade. Nessa altura já tinha os documentos produzidos pela DGAE (que dizia nada ter) relativos ao sindicato de que era associado (que não podia negar-mos, nem, faça-se a justiça, tentou, no que a isso diz respeito).

A DGAE tinha realmente os dados e até os divulga num clube só para sócios (a zona, de acesso reservado a diretores, do seu site). Vou continuar a pedir-lhe os documentos por conta do direito de os ver (pelo princípio, que não termina por ter agora achado documentos diferentes). E calculo que ainda me vou rir a ler a desculpa da proteção de dados. Desculpa esfarrapada que agora pegou moda.

Mas afinal quanto vale em representados cada sindicato?

O que interessa é que os dados (a informação) estão aí para ser analisados. E permitem fazer umas contas muito ilustrativas.

Por exemplo, se multiplicarmos as dispensas a 100% por 200 e as parciais por 200, mais a proporção, conseguimos saber o total real de dispensas e apurar o número máximo possível de sindicalizados com razoável aproximação.
Já sei que este meu exercício vai ter larga contestação e me vão chamar nomes diversos (alguns impublicáveis). Para nota dos seus autores, esclareço que a minha Mãe já faleceu e que, para sorte deles, gracejava em vida com os nomes que, com sua intercessão, chamavam ao seu filho mais velho. Se estiver a ver, vai sentir orgulho dessas ofensas e isso impede que haja processos meus por ofensa a pessoa falecida. Por isso, até já sei que vai ser “fartar vilanagem”.
Mas atentem bem, amiguinhos com dedo rápido no gatilho dos comentários, a única forma aceitável de contestar estes dados é os sindicatos, que vierem dizer que as contas estão erradas ou são falsas (etc, etc), mostrarem o ofício que enviaram ao governo, atestando o seu número de associados. Esse é um documento oficial, como é oficial o documento em que me baseei para esta estimativa indireta.
Quanto mais não seja, ficamos a saber, com números mais reais, como são falsas algumas invocações de representatividade que, ainda recentemente, vimos fazer na comunicação social.

A estimativa aqui apresentada é pelo menos transparente nas suas formas de cálculo, como não são os que nos representam e os que nos governam. Por exemplo, um sindicato com 400 associados tem óbvio direito a existir, mas é bom saber-se que pode custar 14 meses de salário de um professor (vezes 2….). Falta saber de que escalão (e aposto que não deve ser de um 2º ou 3º….)

E tendo a classe docente mais de 100 mil pessoas é sempre bom perceber qual a representatividade real dos sindicatos.

E, já agora, é bom ver que os 21 mil que assinaram a ILC para o Parlamento se mexer no que diz respeito à contagem do tempo de serviço, mesmo não sendo todos professores, são bem mais representativos que muitos dos sindicatos que andam à trela das federações na chamada Plataforma. E não falemos (porque era conversa longa) dos aposentados que entram para as contas de associados.

Aliás, sem plataforma como justificariam a sua existência e a existência de dirigentes?

17500 pessoas (que são as assinaturas que, com batota, o Parlamento reconhece à ILC) até é mais do que o número calculado de associados de qualquer dos sindicatos individualmente aqui considerados (e os dados relativos às Federações não contam Madeira e Açores e sindicatos que não sejam de docentes). Só a Fenprof tem um pouco mais que isso.

E, no fim, fica a pergunta realmente importante: porque esconde o Ministério estes dados e faz secreto o que devia ser público?

COMPARTILHE

7 COMENTÁRIOS

  1. Isto de facto é importante para quem?
    Os nossos inimigos não são os sindicatos! Quem acha o contrário e tenta de todas as formas denegrir a função dos sindicatos está a fazer um mau serviço aos professores ou tem agenda escondida.

    • Mas quem está a denegrir seja quem for? Saber que a Fenprof terá no maximo uns 20 mil sócios em vez dos 50 mil proclamados ou que há sindicatos que custam milhares para 500 sócios ou que a FNE é uma frágil federação é prejudicial por acontecer ou é só por se saber? E quanto a agenda a minha é eletrónica….

    • Para mim,é importante e muito. Além de docente sou contribuinte. Não me revejo nesta plataforma e só não vê quem não quer ver ou não passa muitas horas em salas de aula que a transparência ea utilidade na defesa dos interesses de todos os docentes é nula.

  2. A transparência do uso de verbas públicas é SEMPRE boa. E se não escondessem os dados anos e se recusassem a dá-los durante 3 meses já se tinha falado há mais tempo….Mas, afinal que têm estes dados de mal para não se deverem saber…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here