Home Notícias Professores Pedem Orientações Ao Governo Sobre Plataformas Digitais E Exames

Professores Pedem Orientações Ao Governo Sobre Plataformas Digitais E Exames

Provavelmente devo ser dos poucos a discordar, mas o Ministério da Educação criou um site de apoio às escolas e diferentes empresas disponibilizaram as suas plataformas digitais, tendo sido amplamente divulgadas na comunicação social e blogues educativos.

Também não concordo com a ideia que o Ministério da Educação deve obrigar/orientar os professores a usar esta ou aquela plataforma, até para evitar um certo favorecimento que poderia ser visto como pouco ético.  Os professores já são bem grandinhos e eles próprios têm capacidade para escolher o melhor para si e para os seus alunos. E se não souberem, lembro que existem professores de informática nas escolas e até as próprias direções enviaram orientações aos seus professores.

Sobre a avaliação dos alunos, seja presencial ou à distância, cabe ao professor e não ao Ministério da Educação determinar a forma de avaliação.

Quanto às queixas sobre as provas de aferição e exames, concordo que estamos a chegar à altura de tomar uma decisão, até porque o assunto está a causar alguma ansiedade à comunidade educativa, principalmente no caso das provas de aferição.


Professores do ensino básico ao superior pedem orientações ao Governo

Os professores do ensino básico ao superior queixam-se da falta de “orientações claras” do Governo, que mantém a incerteza sobre questões como se haverá testes ou se os trabalhos dos alunos feitos em casa devem contar para avaliação, denunciaram os sindicatos.

Os professores do ensino básico e secundário queixam-se da “ausência de orientações claras” do Ministério da Educação, liderado por Tiago Brandão Rodrigues. No mesmo tom, os professores de universidades e institutos politécnicos reclamam “medidas concretas” ao ministro do Ensino Superior e Ciência, Manuel Heitor. Quem dá voz a estas críticas são os líderes da Federação Nacional de Sindicatos de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, e o presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup), Gonçalo Leite Velho.

(…)

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here