Home Escola Professora mãe de adolescente com deficiência profunda obrigada a fazer 200 km...

Professora mãe de adolescente com deficiência profunda obrigada a fazer 200 km por dia para trabalhar

144
2

O absurdo é a própria lei fazer a separação entre professores de 1ª e professores de 2ª. Ambos têm vidas pessoais e problemas que não se dissolvem com a sua situação profissional. Somos todos professores! Contratados ou não…

A situação mudou a partir de 2012, com as alterações nos concursos e a falta de vagas no Norte e no Centro do País. Quando as vagas escassearam, a mãe de Rodrigo deparou-se com uma legislação que não a autorizava a pedir destacamento. Ficou impedida de poder ir dormir em casa e de tomar conta do filho.

A lei trata professores contratados e professores de quadro de forma diferente. Sem vínculo permanente ao Ministério da Educação, os professores não têm direito a destacamento. Apenas as gravidezes de risco são exceção. “Consideram que os contratados são funcionários a termo e, por isso, sem direito a destacamento”, avança a responsável pelo Sindicato dos Professores Licenciados (SPL), Grasiela Rodrigues.

Deficiências profundas deveriam ter cotas especiais para os professores poderem ficar perto de casa, até porque a docência é uma profissão diferente das outras. Mas foi sempre assim. O emprego é um bem muito precioso, mas não dá para abdicar de filhos”, critica a responsável pelo sindicato.

 

“Alguém que olhe para nós. Também somos professores”, pede a professora. “Não peço para ficar à porta de casa. Preciso apenas de dar assistência ao meu filho”, desabafa. “É pedir muito?

Segundo Grasiela Rodrigues, do SPL, só há, para já, uma solução. Os professores nessa situação podem recorrer ao Provedor de Justiça e esperar por uma resposta favorável. Mas “há ainda um longo caminho a percorrer para se conseguir justiça e igualdade para os contratados”.

Professora mãe de adolescente com deficiência profunda obrigada fazer 200 km por dia para trabalhar

(Impala)

2 COMMENTS

  1. Como compreendo esta mãe…mas não estava tão longe. Cheguei a escrever para ministério e ministro e a resposta chegou 5 meses depois… com a lei vigente..têm direito os de quadro. Tive de encontrar alguém que fosse a casa apoiar os 3 filhos menores ( Um dos quais com necessidades). Eu saía pelas 6h40 da manhã. O salário de contratado é o que é. O positivo foi o grupo de docentes e funcionários espetaculares com quem trabalhei nesse ano…

    • Olá Maria Ribeiro podia entrar em contacto comigo por favor precisava da sua ajuda uma vez que chegou a escrever para o ministério e ministro da educação deixo o meu e-mail [email protected] ou através do mensenger no facebook (Sónia Teixeira Duarte)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here