Início Editorial Porque é que os professores ( e não só) não gostam do...

Porque é que os professores ( e não só) não gostam do discurso do coitadinho.

222
5

(Aviso, este artigo é pedagogicamente incorreto)

Há quem já tenha apelidado o ComRegras um blogue de esquerda… Esta tendência de colocar carimbos em tudo o que diz um “ai”, está a chegar ao ponto em que se digo que gosto de sol, é porque sou de esquerda, se digo que gosto de chuva sou de direita, ou se digo que gosto de ouvir os passarinhos de manhã é porque sou do PAN. E se disser que gosto de dormir para o lado esquerdo? Significa que sonho com o António Costa? E se me virar para a direta sonho com o Passos Coelho? E se durmo de barriga para cima é porque sou apologista de um bloco central??? Que fique em ata que já votei em PSD, PS, CDS, BE e PCP, só falta o PAN. Por isso meus caros, eu sou independente e apartidário.

o-gato-de-botasIsto tudo porque vou fazer um artigo que, seguindo o cardápio dos “rotuleiros” é de direita…

Estou zangado! Além de um conselho de turma de avaliação (3ª feira), uma reunião de departamento (4ª feira) tudo em horário pós-laboral, tenho como destino na próxima 5ªfeira um exame destinado a alunos baldas que resolveram ir passear, ficar na cama, ou simplesmente dar umas passas no cigarro em vez de irem às aula, em período, digam lá, digam lá… pós-laboral. Se somar a isto mais umas 9 ou 10 audições, aulas e afins podem ver que vou ter uma semana que irá contribuir certamente para o período de compensação de horas extraordinárias não remuneradas em período de interrupção letiva. O exame ainda não foi feito, mas o resultado já todos devem saber… Este exame, entre outras coisas, é para compensar uma aula em que os meninos simplesmente não estavam virados para fazer a avaliação de basquetebol, os motivos? Não havia… apenas sofriam de um síndrome avançado de preguiça aguda e então resolveram não jogar…

Estes meninos que têm atenção de todos e o contributo de todos, estão-se a borrifar para todos e fazem tudo o que “todos” não fazem. É o DT que passa a vida a tentar convencer o menino a ir às aulas, é o professor que passa a vida a falar com o menino para fazer alguma coisa na aula. É a direção que passa a vida a procurar soluções para os meninos usufruírem dos miminhos, leia-se, apoios, que a escola pode dar. É o material que é oferecido por parte da escola para que o menino faça o “favor” de escrever alguma coisa na aula. É o governo que cria cursos especiais com legislação destinada a aceitar tudo o que menino faz e este tem é que passar para não lixar as maravilhosas estatísticas…

Depois de tudo o que o menino não faz, depois de tudo o que menino não ouve, depois das toneladas de provas de recuperação (o ano passado fiz 37 para uma turma), os critérios de avaliação da treta, os testes da treta, surgem os malabarismos de “secretaria” eliminando as faltas que o menino deu e que deu de forma consciente. E depois temos as mil e uma compreensões quando é para sancionar o menino que mandou o professor para o caralho ou que deu um enxerto de porrada no pobre coitado que ousou contrariar o menino que lhe roubou o dinheiro do almoço, ou porque não pode ter mais faltas senão está chumbado. E ainda temos as passagens administrativas porque “ai, ai, ai… ai, ai, ai… o menino se não passar tem de ir para o regular e não volta mais à escola e lixa a estatística do abandono escolar”

Aqui o professor sabe que não vai ensinar nada e o seu objetivo principal é que a aula termine sem que o “x” salte para cima da mesa, o “z” ouça música baixinho no telemóvel e o “y” não se meta com “r” para evitar o round 5 da porrada que houve na aula passada…

São as tutorias, as psicologias, os professores e as CPCJs por este país fora que passam a vida a compreender o menino, pois o menino teve uma vida difícil, os pais são isto, os irmãos aquilo e depois de muito amor e carinho o que é que recebemos??? Uma bela de uma facada nas costas… Mas não faz mal, coitadinho de menino que se borrifou para o que disseste e que precisa de muita compreensão e paciência.

Dizem, “São as vítimas da sociedade!!! São as vítimas da negligência parental!!! São as vítimas porque a escola não soube lidar com eles!!! São as vítimas…” Verdade, é tudo verdade, mas também é verdade que aos meninos foram dadas inúmeras oportunidades para recuperar as suas vidas, mas que em todas elas preferiram o amigo da ganza, ou a noitada da noite anterior.

Não!!! Chega!!! Basta!!! Fizeste isso, estão a tua consequência é esta: sim estás chumbado porque não estudaste; sim estás chumbado porque não vais à escola; sim não jantas porque chegaste tarde a casa; sim não sais no próximo fim de semana porque não chegaste à hora combinada; sim apresentei queixa na polícia porque me andas a roubar para ires comprar droga e afins; e sim, não te lavo mais a roupa, dou-te dinheiro ou faço-te o jantar enquanto não cumprires os teus deveres em casa e na escola.

“Já não sei o que hei de fazer dizem eles”, os pais… claro que não sabem, é mais fácil dizer sim do que aturar as birras do menino… Temos uns pais fracos, uma sociedade fraca que não educa quando tem que educar e não castiga quando tem que castigar.

E porque razão os professores não gostam do discurso do coitadinho? Pois sabem que muito do que o menino faz, fá-lo, não por ser vítima mas por se estar a aproveitar das falhas do sistema.

E porque razão os professores não gostam do discurso do coitadinho? Porque também eles têm passados difíceis, também eles tiveram que comer o pão que o diabo amassou e não tiveram cá os miminhos, apoios e compreensões que estes meninos agora têm. E porquê? Porque quando tiveram que escolher entre o certo e o errado, escolheram o certo sem ajudas, sem miminhos, só porque é correto, porque é honesto. E estes meninos, estes pobres meninos também são capazes de escolher, também são capazes de distinguir o certo do errado. Porque não o fazem? Porque não querem, porque é mais difícil e porque vão ser comuns e ser comum não tem graça, não dá pica…

P.S- Sim, foi um texto radical, sim foi um texto sem meiguices. E não, não penso sempre assim, mas é o que muitos professores e não só pensam, em muitos, demasiados dias. Amanhã volto às tarefas de recuperação, mas hoje, hoje quero gritar bem alto e dizer… PORRA PÁ, COITADOS? COITADOS SOMOS NÓS!!!

COMPARTILHE

5 COMENTÁRIOS

  1. Concordo!
    Deixo um link de um blog cujo texto retrata igualmente o mau ambiente que se vive nas escolas.
    http://arteagostinho.blogs.sapo.pt/pdi-ou-tempo-a-mais-na-escola-775224
    Já lá vão 36 anos e a bisbilhotada semanal vai para o ambiente menos bom que se vive nas escolas recordando o quanto era bom em tempos atrás.
    Em tempos atrás o ser professor era ter um belíssimo trabalho, ter alunos interessados, ter pais que respeitavam os professores, ter ambientes de escola favoráveis, estar sempre disponível para as actividades fossem elas fora ou dentro da escola, ter bons ambientes na sala dos professores e principalmente gostar do que se fazia com os alunos…

  2. É isso, E é tanto assim há demasiado tempo que é necessário que haja cada vez mais pessoas a escreverem assim e a falarem assim, abertamente, sem medo dos tais rótulos. É essa gente que tudo rotula, que cria estes coitadinhos e ajuda à cegueira colectiva e silenciosa que grassa por aí. Boa semana para si, Alexandre!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here