Home Escola Os Assistentes Operacionais e a (In)disciplina

Os Assistentes Operacionais e a (In)disciplina

492
2

Competência“Em defesa da escola pública e de qualidade”

Este é um dos motivos pelo qual os assistentes operacionais estão em greve no dia de hoje. As questões disciplinares estão diretamente ligadas à qualidade do ensino e os assistentes operacionais têm um papel fundamental nessa matéria.

Mas infelizmente são necessários progressos significativos nesta área, vejamos:

Desvalorização profissional – se os próprios professores são desvalorizados/desrespeitados por uma parte significativa da sociedade, então os assistentes operacionais ainda o são mais. Muitos são vistos como meros empregados domésticos que lidam com questões menores no que à escola diz respeito. ERRADO! Quando as aulas terminam são eles que dão a cara pela disciplina escolar, é preciso zelar pelo recinto escolar e tomar conta de centenas de alunos que para muitos as regras são meras formalidades. Pais, alunos e também professores, ao desvalorizarem o seu papel, diminuem a sua autoridade, levando a que muitos alunos ignorem as suas advertências.

Desmotivação profissional – como em muitas profissões, o reconhecimento do trabalho prestado, a sua tipologia, o vencimento auferido e as perspetivas de progressão na carreira, são determinantes para uma maior ou menor motivação profissional. Os assistentes operacionais recebem pouco mais de 500 € mensais, têm as carreiras congeladas há anos, têm vínculos precários, realizam um trabalho que para muitos “mortais” não é do mais agradável e além de tudo isso são desvalorizados socialmente. Somamos isso tudo e deparamo-nos muitas vezes com profissionais desmotivados e desinteressados, que não estão para se chatear quando ouvem umas asneiradas ou quando vêm um grupo de alunos a agredirem-se.

Falta de formação – uma das queixas dos próprios assistentes operacionais é que estes não têm formação específica para lidarem com crianças e jovens. Esta moda de colocar pedreiros, talhantes, empregados fabris, etc, vindos do centro de emprego para tomarem conta de crianças é como jogar ao totoloto. Por vezes a coisa corre bem, mas muitas vezes dá para o torto. Além de não cumprirem com a sua função, causam problemas graves nas escolas que gabinetes disciplinares e diretores têm de resolver.

Incompetência profissional – somando a tudo o que referi anteriormente, há algo que é transversal a todas as profissões – a incompetência. Quando nos deparamos com ela não há muito que se possa fazer… A solução é apenas uma, eliminá-la. Porém não é assim tão fácil como nós sabemos, mas cabe a quem de direito atuar em conformidade, com coragem e de forma exemplar.

Considero os assistentes operacionais parceiros no processo educativo, devem ser vistos como tal e os seus parâmetros de desempenho devem acompanhar  as suas responsabilidades.

A greve de hoje deveria ser um passo em frente nesse sentido, porém não passará de mais uma gota num mar de queixumes, pelo qual este governo vai navegando com maior ou menor dificuldade.

 

2 COMMENTS

  1. Os assistentes operacionais, são os sacos de boxe dos mais variados sectores da nossa sociedade estudantil, seja pelos próprios professores,pelos alunos, e pelos respectivos encarregados de educação, somos os miseráveis, os mal pagos,os mal formados, os que têm poucos estudos, os humilhados etc……. E somos assim porquê ????

    • Muito há a fazer nesta área e julgo que mais que apontar o dedo é fundamental que se comecem a mudar mentalidades. É preciso uma voz forte por parte do sindicato, é preciso que o discurso da tutela, dos diretores, professores e pais passem a valorizar interna e externamente o trabalho dos assistentes operacionais. Mas também é necessário que os próprios dignifiquem e valorizem o seu trabalho…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here