Home Notícias Onde andam os computadores prometidos pelo Ministério da Educação?

Onde andam os computadores prometidos pelo Ministério da Educação?

143
0

Promessas, promessas e mais promessas. Assim se alimenta a ilusão de que algo é feito quando na realidade prometem uma mão cheia de nada. Basta constatarmos o que se passou com o reforço dos assistentes operacionais, onde durante anos alimentaram uma mentira de reforço de 1500 e 3000 funcionários. É verdade que agora começaram a chegar funcionários às escolas, só demoraram 5 anos a cumprir (em parte) a promessa efetuada.

Numa altura em que vários alunos e professores começam a entrar em quarenta, urge um reforço efetivo do material informático. De adiamento em adiamento assim se enganam os tolos e os tão falados 100 mil computadores (numa fase inicial), bem como os 307 milhões de euros de investimento, para já, não passam de propaganda política.


Falta de equipamento e internet priva alunos de aulas

Há alunos de escolas públicas em isolamento profilático que estão privados de acompanhar as aulas por falta de equipamento e acesso à internet, denunciaram esta terça-feira a Associação Todos pela Escola Pública (ATEP) e a Federação Nacional dos Professores (FENPROF).

Em comunicado, as duas instituições reportam a existência de vários casos em escolas e agrupamentos dos concelhos do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto e no Alentejo.

“No Agrupamento de Escolas António Sérgio, em Vila Nova de Gaia, por exemplo, temos alunos em casa com dificuldade em acompanhar as aulas. A internet nem sempre funciona e a carência de câmaras para todos os alunos que necessitam é gritante. As sessões por videoconferência são descontinuadas e os professores perdem cerca de 20 minutos de aula a tentar retomar as ligações”, denuncia Mariana Pereira, vice-presidente da ATEP.

Citada num comunicado, aquela responsável adianta ainda que, no Agrupamento de Escolas Gonçalves Zarco, em Matosinhos, “a inexistência de equipamentos necessários para dar resposta às videoconferências origina o recurso aos telemóveis pessoais de professores e alunos”.

Mariana Pereira denuncia ainda que no Agrupamento de Escolas do Viso, no Porto, as escolas não foram alvo de investimento por parte do Ministério, e os alunos ainda não receberam os prometidos equipamentos informáticos.

Os alunos que estão em casa fazem fichas de trabalho que os professores enviam por email, agravando-se a situação nas famílias que têm dificuldade em aceder ao email e à impressora. Em casos como este, que estão espalhados pelo país, é muito preocupante que haja alunos em casa desde o início do ano letivo, por fazerem parte dos grupos de risco, adianta.

Também o secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, lamenta que, apesar de o primeiro-ministro ter afirmado em abril que as escolas abririam em setembro já devidamente equipadas, tal não tenha acontecido, apontando-se “para um número bem abaixo das necessidades imediatas para meados de novembro”.

O dirigente garante que há também problemas de conectividade e de falta de recursos nas escolas, tornando ainda mais complicada a gestão da sala de aula quando a turma tem alunos em regime presencial e não presencial.

“Um problema que poderia ter outra solução, caso o ministério constituísse bolsas com os docentes de risco, permitindo que desenvolvessem atividade em regime de teletrabalho com esses alunos”, aponta o secretário-geral da FENPROF.

Mário Nogueira sublinha que há, ainda, “situações de enorme desigualdade” decorrentes das próprias condições das famílias, onde por vezes impera a iliteracia digital.

As duas instituições revelam também que há professores com filhos isolados por motivos de Covid-19 sem direito a declaração do delegado de saúde que lhes permita ficar em casa, como aconteceu em Vila Viçosa ou Borba, no distrito de Évora.

Para a ATEP “é totalmente inaceitável que, mais de seis meses após anunciar o acesso universal dos alunos dos ensinos básico e secundário à Internet e a equipamentos informáticos, o Governo permita que estas situações aconteçam” e lamenta que a esta altura as escolas não tenham equipamentos e a capacidade da Internet suficiente.

Já a FENPROF recorda que também os professores foram “obrigados” a adquirir equipamento para trabalhar com os alunos e até para os seus filhos, despesa que devia ser elegível para efeitos de IRS, mas cujo esforço foi “ignorado” pelo Governo.

A Lusa tentou obter informações junto dos agrupamentos de escolas referidos pela ATEP e pela FENPROF, bem como da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) e da Direção Regional de Educação do Norte (DREN), mas até ao momento sem sucesso.

Em Portugal, morreram 2.590 pessoas dos 146.847 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Fonte: Observador

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here