Home Sociedade O poker como ferramenta de ensino

O poker como ferramenta de ensino

8
0

Parte do trabalho de um educador passa por conceber novas maneiras de ensinar crianças a lidar com assuntos complexos. Para os mais jovens, aprender matemática, lógica, ou probabilidades pode ser complicado. É por isso importante saber como transmitir informação da maneira mais simples possível. Uma das melhores formas de o fazer passa por “pensar fora da caixa.” Expor os mais jovens a situações do mundo real em que conceitos pedagógicos podem ser aplicados de forma directa é um método comprovado de ensino. Mas o que é que o poker tem a ver com isto?

Sim, o poker pode ser uma ferramenta de ensino

Quando se fala em poker, pouca gente imagina uma sala de aula. Normalmente, o histórico jogo de cartas é associado à cultura de casino e consiste numa actividade exclusivamente acessível a maiores de 18 anos. Em 2020, os portugueses apostaram milhões em sites de poker portugal licenciados que atraíram mais de 5% da população nacional (contabilizaram-se cerca de 675 mil utilizadores activos no último trimestre do ano passado). Não existem dúvidas de que o poker é um dos jogos mais populares do espaço online; mas pode mesmo ser uma boa ferramenta de ensino?
A questão foi levantada pela primeira vez em 2007, altura em que o conceituado jornal norte-americano New York Times publicou um artigo acerca do tema. Nos Estados Unidos, um pequeno grupo de educadores de vanguarda decidiu usar o poker para ensinar os mais novos a aprender matemática e os resultados foram surpreendentes. Karmala Sherwood, a directora de uma escola primária da cidade de Boston, chegou a elogiar a forma como o poker podia ser usado para ilustrar conceitos pedagógicos chave. Charles R. Nesson, da Universidade de Harvard, disse ao New York Times que o poker era uma ferramenta de ensino ideal para estudantes do sexto ano. Nesson referiu ainda que a proximidade que existe entre o poker e o mundo dos jogos de vídeo podia ser muito útil para convencer jovens gamers a prestar mais atenção nas aulas.

Os benefícios do poker como ferramenta de ensino

É normal que a ideia do poker enquanto ferramenta de ensino motive um certo cepticismo. Mas basta olhar para a lista específica de competências utilizadas num jogo de poker para perceber que as cartas podem mesmo ser uma fonte fértil de conhecimento.

Matemática e probabilidades

Para começar, o poker é um jogo baseado em conceitos matemáticos, com destaque para o campo das probabilidades. O vencedor de uma partida de poker é o jogador que tiver a combinação mais alta de cartas, e as probabilidades de obter cada combinação podem ser determinadas com exactidão a qualquer momento do jogo. Isto significa que o poker pode ser um óptimo incentivo para que os mais jovens efectuem operações matemáticas complexas com uma aplicação real. Um bom conhecimento das probabilidades de cada mão é vital para ter sucesso no poker, que é fundamentalmente um jogo lógico-matemático.

Pensamento lógico simples

Os jogadores de poker podem fazer uma de três coisas no início de cada ronda: apostar (raise), confirmar a aposta do adversário (check), ou desistir da jogada (fold). Cada decisão tomada num jogo de poker é por isso uma decisão inevitavelmente lógica. O poker funciona por isso como uma ferramenta ideal para o ensino de lógica formal, já que é possível descrever de forma simples o processo lógico envolvido em cada jogada. Num sentido menos académico, a maneira como as decisões são processadas num jogo de poker pode ser importante para educar os mais novos a gerir risco – um atributo fundamental para o sucesso individual de cada cidadão.

Memória

O poker também é um jogo ideal para incentivar a memória, já que os jogadores de poker são forçados a registar o máximo de informação possível no decorrer de cada ronda. Num jogo em que as cartas do adversário são sempre desconhecidas, todos os detalhes contam. Os bons jogadores de poker devem conseguir memorizar a forma como cada um dos seus adversários jogou, saber interpretar a genealogia de cada jogada e ter um plano de acção sempre presente.

Auto-avaliação e adaptabilidade

Para além de ser uma ferramenta útil para ilustrar conceitos-chave da educação, o poker também é um jogo em que a psicologia desempenha um papel central. O histórico jogo de cartas é particularmente interessante para estimular a auto-avaliação e a adaptabilidade de cada jogador.
Um jogo emocionante e repleto de situações inesperadas, o poker implica uma auto-avaliação constante. De certa maneira, o bom jogador de poker é forçado a balançar as suas expectativas na mesa de jogo e a realidade das cartas que lhe são sorteadas. Não é por acaso que alguns investigadores académicos acreditam que o poker pode ser uma boa ferramenta para ensinar as pessoas a identificar fake news.
Um jogo repleto de revés, o poker também é ideal para ensinar os mais novos a improvisar, a tomar decisões rápidas, e a saber desistir de uma mão promissora a partir do momento em que esta perde o seu valor.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here