Home Escola O Ministério da Educação esqueceu-se do Ensino Pré-Escolar?

O Ministério da Educação esqueceu-se do Ensino Pré-Escolar?

1231
0
MUITO GRAVE E INCORRETO
O Ministério da Educação, através da sua Direção Geral de Educação, enviou para as escolas e agrupamentos um ofício datado de 21 de dezembro, com esclarecimentos sobre o desenvolvimento do Plano de Ação para a Transição Digital (Resolução do Conselho de Ministros n.º 30/2020).
Este Plano, que inclui a dimensão “Educação digital” prevê um Programa Nacional de Formação de Professores integrado no Plano de Ação de Capacitação Digital dos Docentes, promovido pela Direção-Geral da Educação.
Para isso, a DGE apela às escolas e agrupamentos, através dos seus Diretores, à “realização, durante o mês de janeiro, de um processo de autorreflexão das suas competências digitais, através da participação no diagnóstico Check-In”, referindo que esta etapa é fundamental para que os docentes possam participar, posteriormente, em formação específica.
Contudo, o mesmo ofício, ao solicitar, explicitamente, aos Srs./as Diretores/as de AE/Ena, a listagem completa de docentes, sublinha um “EXCLUINDO OS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR”.
Não apenas é grave que refira este nível de ensino erradamente, como fique claro, num documento emanado pela Direção Geral de Educação, um total desconhecimento do saber científico e práticas pedagógicas que demonstram a relevância da integração da tecnologia na Educação Pré-Escolar, no sentido da promoção de um uso educativo e saudável e da construção de cidadãos digitalmente responsáveis.
Ao excluir uma parte importante dos docentes do Plano de Capacitação Tecnológica, o Ministério da Educação não apenas incorre numa inconstitucionalidade como envia uma mensagem de diferenciação negativa dos docentes a toda a população e agentes educativos.
A capacitação digital não se esgota apenas no uso e reflexão sobre a tecnologia e sobre a pedagogia: dá também acesso a lideranças e permite a utilização de ferramentas de caráter eminentemente social e de desenvolvimento pessoal, como, de resto, o documento que dá corpo a este processo de capacitação (DigCompEdu), refere e sublinha.
Porque acreditamos que este documento agora emanado é um enorme espaço de desconsideração e desclassificação de um grupo de docentes que sempre se prontificou a construir e a colaborar na organização e execução de projetos e planos que pretendem aumentar a qualidade da formação e do ensino e, sobretudo, do desenvolvimento saudável e enriquecedor das nossas crianças, tudo faremos para reverter esta decisão, eminentemente política.
Fonte: Envolve-te

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here