Home Editorial O Ministério da Educação confinou?

O Ministério da Educação confinou?

599
5

Há já algum tempo que as principais figuras do Ministério da Educação estão “desaparecidas”. Não que sejam celebridades e precisem dos holofotes a tempo inteiro, mas paira no ar um certo afastamento comunicacional com a comunidade escolar.

Covid obrigou a um esforço elevado por parte de todos e por uma questão de honestidade intelectual, o Ministério da Educação esteve sobre uma pressão nunca antes vista e merece o meu reconhecimento por isso. Tal como os pais, os professores, os alunos e os funcionários, todos estivemos envolvidos numa mudança única da nossa história num curtíssimo espaço de tempo, onde “apenas” se alterou o modelo de ensino, com destaque para o “o”.

Este Ministério da Educação, com algumas mudanças pelo meio, foi efetivamente um Ministério reformista, divergindo ou não das opiniões dos seus professores, é inquestionável as mudanças impostas, goste-se ou não, concorde-se ou não. Mas a sensação que paira agora no ar, é que esta laranja (não confundir com qualquer piada política) já está espremida e a energia efetivamente não parece ser a mesma.

O problema é que há uma série de problemas nas escolas que precisam de atenção como se fosse o primeiro dia no escritório. A falta de professores, o concurso de professores, as questões burocráticas, a indisciplina, as carências ao nível das infraestruturas, a necessidade de criar uma nova via de ensino que vá ao encontro das necessidades dos alunos, o acesso ao Ensino Superior, o modelo de gestão, etc, são questões que parecem ter confinado com a pandemia.

A existência de diferentes Ministérios e pelouros no Governo é exatamente para isso, para que cada um se dedique, em articulação naturalmente com os restantes, na resolução dos seus problemas. Parece que a pandemia sugou as energias de tudo e de todos e que agora estão todos a “ressacar” de meses extremamente complicados e exigentes.

Para mim é claro o afastamento do Ministério da Educação, onde nem mesmo os representantes dos professores são ouvidos. Algo que numa linguagem tipicamente portuguesa, com vernáculo associado e que ajuda a descarregar a alma, pode ser resumido a uma simples frase, pensada e dita, independentemente do grau académico de cada um…

“Já estamos fartos desta merda toda!”

Percebo, mas acreditem que deste lado o sentimento também é mútuo, além disso, convém lembrar, que quando vocês forem embora, muitos ainda terão 5,10,15,20 ou 30 anos de escola pela frente e os problemas escolares não confinaram, nem desapareceram…

Alexandre Henriques

5 COMMENTS

  1. Pois é e para alguns a fase final está a ser particularmente penosa e, mesmo assim, continuam a resistir no seu posto!

  2. Não vou ser meigo: as razões do desaparecimento mediático dos responsáveis ministeriais são essencialmente duas, distribuídas em doses variáveis pelo ministro e secretários de Estado: incompetência e cobardia política.

    Quanto ao reformismo, e depois de lhes ter dado, talvez por demasiado tempo, o benefício da dúvida, o que me parece é que acima de tudo criaram problemas que não existiam, como a flexibilidade curricular, ao mesmo tempo que ignoram os reais problemas e necessidades das escolas e de quem nelas estuda e trabalha.

    Não acredito em reformas educativas decalcadas da agenda da OCDE e impostas aos professores, os verdadeiros especialistas em Educação.

  3. Quando estão quietos, estão a cozinhar algo…Batem as gavetas, procurando papeladas proteladas (Oh, que chatice!). Os cérebros mifrados, fervilham de vontade de “publicar papeladas” (Oh, maldita pandemia!).
    Nada de bom espero, aquando da sua “ressurreição”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here