Home Escola O Ensino À Distância É Um Desafio Para Os Professores Mas Portugal...

O Ensino À Distância É Um Desafio Para Os Professores Mas Portugal Pode Contar Connosco

107
0

Se de repente lhe dissessem que tudo aquilo que está habituado a fazer seria cancelado e passaria a realizar o seu trabalho através de algo desconhecido ou com o qual não se sente à vontade, seguramente que ficaria apreensivo.

Muitos professores não apreciam as tecnologias de ponta, algo cultural e naturalmente geracional, pois muitos deles cresceram sem a existência da internet que mudou o mundo.

Obviamente que não se trata de uma questão de incapacidade, mas sim de uma questão de hábitos e de não se sentirem confortáveis com algo que não dominam a 100%. Um professor para ensinar deve ser mestre no seu ambiente, dominando tudo o que pode influenciar uma aula e todo o seu processo de aprendizagem. Quem é professor já sentiu aquele aperto no estômago quando algo foge ao seu domínio, à sua zona de conforto.

Esta catástrofe viral está agora a forçar muitos professores a caminhar por caminhos nunca antes caminhados, sem terem sequer uma formação específica e presencial. Não é por isso de estranhar o comentário que surgiu no ComRegras por uma encarregada de educação.

As diferenças e os problemas não estão só nas condições que os alunos e famílias têm para receber as aulas não presenciais, também estão na capacidade e conhecimentos que muitos docentes têm para as fazer.
Tenho dois jovens em casa, a frequentar 10. e 12. anos e até agora nao receberam qq material de estudo e orientação. Outros alunos de turmas da mesma escola estão a trabalhar quase em todas as disciplinas.

Alice Magalhães

 

Mas é nestes momentos que se vê a valia de um povo e os portugueses têm mostrado um sentido cívico de louvar. Não estranharei por isso a solidariedade entre pares professores, ajudando aqueles que mais estranham este “novo” mundo digital. Temos de nos habituar a esta nova realidade o quanto antes, fazendo um esforço para estarmos disponíveis para aprender. Médicos, enfermeiros, forças de segurança estão na frente da batalha e não nos podem falhar. Nós professores estamos na frente da batalha educativa e também nós não vamos falhar, honrando o nosso estatuto de faróis sociais e especialistas do conhecimento.

Se não souberem peçam ajuda! Ninguém tem de ter vergonha de dizer “não sei”, “não percebo”. Afinal, é isso que transmitimos aos nossos alunos.

É nos momentos difíceis que se vê a fibra de um povo. Não vamos falhar! Não podemos falhar!


No primeiro dia de escola à distância, são os professores a mostrar “vontade de aprender”

Nunca tinha havido um dia como este nas escolas. Esta segunda-feira, sem alunos presentes e com pouquíssimos professores nas salas e corredores, as direcções dos agrupamentos tentaram responder ao desafio motivado pela suspensão das aulas presenciais, como parte do esforço de contenção da covid-19 em território nacional. Em suas casas, os professores procuravam aprender online a melhor forma de conseguirem manter o ensino, mesmo que os seus alunos estejam agora longe.

Uma conversa entre dois professores rapidamente se transformou numa dessas respostas. Vítor Bastos, professor de Geografia, e Paula Loureiro, professora de Inglês, criaram, no Facebook, o grupo “E-Learning – Apoio a professores”. O objectivo era o de dar apoio aos colegas que precisassem de fazer uma transição das suas matérias para um formato digital. Assim que o disponibilizaram, ao meio-dia de sábado, começaram a chegar, às centenas, os pedidos de acesso.

“Rapidamente percebemos que a adesão era superior à nossa capacidade de resposta”, conta Vítor Bastos, professor do Colégio Vasco da Gama, em Sintra, que além de Geografia, ensina Informática. Foram, por isso, chamados outros colegas que pudessem também dar assistência aos professores menos acostumados ao uso das tecnologias. Ao final da tarde desta segunda-feira, o grupo reunia cerca de 11. 400 pessoas.

Ali trocam ideias desde professores à procura de conhecimentos básicos – como perceber o funcionamento de plataformas de videoconferência ou a melhor forma de partilhar conteúdos áudio com os alunos, por exemplo – até especialistas em tecnologia e ensino à distância, dispostos a dar apoio especializado em diversas plataformas. “Nem todos temos as mesmas competências, mas todos temos vontade de aprender”, ilustra Vítor Bastos.

Entretanto, um dos especialistas dentro desse grupo, Jorge Braga, criou também o site Escola de Professores, destinado a auxiliar os docentes na utilização das plataformas da Microsoft para um contexto de ensino, em particular o Microsoft Teams. A multinacional norte-americana ofereceu 5000 licenças Office 365 a cada estabelecimento de ensino. O número de novas inscrições ao longo do dia de ontem fez com que o acesso tivesse estado mais lento do que o habitual.

(…)

Fonte: Público

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here