Home Escola Nuno Crato | Eles hoje aprendem de maneira diferente… Ah é?!

Nuno Crato | Eles hoje aprendem de maneira diferente… Ah é?!

1945
6

O que este senhor não diz é que tornou a escola escrava de exames, o que este senhor não diz é que centrou a escola em duas disciplinas, Matemática e Português, o que este senhor não diz é que atirou as Expressões para um gueto, humilhando e despedindo os seus profissionais, o que este senhor não diz é que criou metas completamente absurdas e currículos tão extensos que os professores nem têm tempo para consolidar conteúdos.

Nuno Crato, a escola não é uma fábrica de resultados obcecada por médias, os alunos merecem um ensino que os prepare para a realidade, não para uma pauta qualquer…

Fica o seu artigo publicado no Observador, certamente terá alguns fãs por aí…


Quando estava a estudar no liceu, surgiu uma novidade tecnológica: o laboratório de línguas. Na altura estávamos a aprender Francês. Em vez de o aprendermos com um professor, dizia-se, iríamos ter um laboratório em que cada aluno se enfiava numa pequena cabina, com um microfone à sua frente e auscultadores nos ouvidos. Nessas cabinas individuais cada um ouviria um texto gravado, responderia a perguntas seguindo o seu próprio ritmo, gravaria as suas respostas, ouvi-las-ia de novo, corrigiria a sua pronúncia e, num ápice, seria fluente em Francês.

Era a modernidade! Era mais ativo, era mais moderno, as novas tecnologias entusiasmavam os alunos, o professor tornava-se apenas num “facilitador”, o aluno era o “centro das aprendizagens”. Estávamos no século XX, já a caminho do XXI. Os tempos eram outros.

A experiência terminou em poucos dias. Cansámo-nos. Era tão aborrecido estar fechado, sozinho, a ouvir vozes gravadas! Era desanimador falar para um aparelho e manter monólogos sem sentido. Era triste não ter colegas nem um professor que orientasse as conversas, que lhes desse alguma espontaneidade, algum toque humano.

Hoje sabe-se muito mais. Graças a estudos rigorosos de Patricia K. Kuhl e de outros investigadores de neuro-ciências e aquisição de linguagem, sabe-se mesmo que a interacção humana é insubstituível na aprendizagem inicial das línguas.

Entretanto, passaram-se muitos anos… e já ouvimos as mesmas teorias muitas vezes. Era a calculadora que iria entusiasmar os alunos com a matemática. Eram os computadores que iriam transformar os alunos em “aprendentes ativos”. Eram as novas gerações digitais. Eram os “smartphones” que faziam parte integrante da vida dos novos alunos. Era a internet que tornaria obsoleta a memorização e o conhecimento. Não, a escola não poderia ser a mesma!

Uma versão moderna destas teorias românticas postula que os jovens de hoje, nascidos depois de 1984, data em que apareceram os jogos vídeo de 8 bits, seriam completamente diferentes dos que os antecederam. Os novos jovens seriam “nativos digitais”, pois teriam aparecido num mundo novo e, desde muito cedo teriam dominado as tecnologias, que seriam para eles uma segunda pele, o seu meio natural. Nós, pobres adultos, tendo, quanto muito, e naturalmente com dificuldade, aprendido tarde a manejar as novas tecnologias, teríamos delas um domínio defeituoso. Seríamos apenas “emigrantes digitais” e não poderíamos perceber a nova maneira de aprender dos jovens.

Não, não estou a fazer uma caricatura. Foi assim que Mark Prensky descreveu e contrastou as diferenças entre estas gerações. Vale a pena ver o artigo original para perceber a origem destas ideias. As suas consequências para a educação são tão claras como potencialmente prejudiciais: os jovens não precisariam de ser ensinados a dominar as tecnologias digitais, não deveriam ser ensinados de forma sequencial, dever-se-ia aceitar que se distraíssem continuamente pois teriam uma mente especial, capaz de processamento paralelo ou “multitasking”, estariam preparados para a aprendizagem em rede, para a aprendizagem por inquérito próprio, para a experimentação num mundo digital. Seriam, finalmente, “aprendentes ativos” e teriam, por natureza, uma mente crítica. Forçá-los a seguir programas rígidos tolheria a sua iniciativa.

Na última década, contudo, vários estudos de psicólogos cognitivos vieram por em causa todas estas teorias. Começando pelo princípio: tudo indica que os “nativos digitais” são, afinal, um mito.

Quando se analisa a capacidade dos jovens para utilizar as novas tecnologias, verifica-se que são poucas as áreas em que ultrapassam os adultos educados. Na maioria das situações e dos casos, utilizam as tecnologias de forma passiva, limitando-se a funcionalidades básicas no que respeita à sua educação e sem conseguirem dar-lhes uso criativo para a resolução de problemas. Alguns estudos são enfáticos: “a presença ubíqua da tecnologia entre os jovens não lhes traz como resultado uma melhoria na coleta de informação, na procura de informação nem nas suas capacidades de avaliação”.

É verdade que nos impressiona ver a facilidade com que os mais jovens escrevem mensagens ou mudam de uma “app” para outra. Mas também nos impressiona a facilidade com que se levantam depois de uma queda, descem as escadas a correr ou aprendem uma língua estrangeira. Não foi sempre assim?

Recentemente, Paul Kirschner e Pedro De Bruyckere, dois conhecidos investigadores de psicologia cognitiva, publicaram um artigo que sumariza os estudos recentes sobre o mito dos nativos digitais. Esse artigo teve a honra de editorial na prestigiosa “Nature”.

Talvez algumas coisas estejam a mudar, como indica a receção da carta de dois investidores da Apple alertando para o vício das crianças nos telemóveis e outros aparelhos.

No Observador, um artigo recente de Ana Cristina Marques ajudou a colocar os pontos nos ii. Esperemos que os educadores não baixem os braços e deem às novas tecnologias o lugar que merecem: ajudantes preciosos da educação, mas ajudantes que têm de ser dirigidos. Aliás como tudo ou quase tudo em educação.

Fonte: Observador

6 COMMENTS

  1. …esse doutor da mula russa devia responder pelos seus erros, ou a história da Palestina o julgará! (É lá que ele está, não?!)

  2. «O que este senhor não diz é que tornou a escola escrava de exames, o que este senhor não diz é que centrou a escola em duas disciplinas, Matemática e Português, o que este senhor não diz é que atirou as Expressões para um gueto, humilhando e despedindo os seus profissionais, o que este senhor não diz é que criou metas completamente absurdas e currículos tão extensos que os professores nem têm tempo para consolidar conteúdos». CONCORDO.

  3. Concordo, Alexandre Henriques, na parte em que diz que a escola se tornou uma academia de treino para exames e os currículos muito extensos… Quanto a humilhação não posso sequer comparar o modo de MLR com NUno Crato, embora, sob o ponto de vista ideológico, não encontre grandes diferenças e, na mesma linha, recuo a David Justino… Agora o modo, poderei dizer mesmo pessoal, o desprezo sobranceiro, foi bem pior no tempo de MLR… Quanto ao resto… tecnologias, estudos da neuro ciência, tão desconhecidos e tão pouco amados por uma certa corrente recreativa, o dr. Crato tem alguma razão… Não por ser o Dr. Crato que o diz, mas porque houve Iluminismo para algum coisa… Mas essa era uma longa história…
    PS. Volto a lembrar-lhe Alexandre Henriques, e sabe que isto é, de modo geral, verdade, os entusiastas do exame são os mesmos que ajoelham à flexibilidade curricular, e a um suposto modernismo educativo, quase com cem anos… A isso chama-se oportunismo, pior, ignorância do pensamento pedagógico, falta de coerência… Digo mais… se um novo Crato voltar ao poder eles viram de novo …. para onde soprar o vento!

  4. Na minha visão, no decorrer do mandato de governo de Nuno Crato, denotei um ensino prescritivo e com uma consideração cognitivista. O ensino artístico e tecnológico foi atomizado e suprimido do 3 ciclo. O fundamento realizado no parlamento aparentou ser maioritariamente económico, segundo o levantamento da documentação, e pela substituição de outra sem sentido vocacional e artístico tecnológica. O ensino do português e da matemática foi colocado a uma extensão e carga elevada, na minha perspetiva. Não me parece haver um lugar para um pensamento e reflexão, mas apenas de injeção de conceitos. Embora que me pareça que não salvou o país coloca-se também o inglês (e penso que os exames de inglês para a certificação terá algo que me deixa pensativo).
    A realidade de hoje é que os alunos aprendem de forma diferente. Todos os estudos científicos o apontam. Mas afiro o seguinte: é importante deixar um espaço onde a criança é criança. Um espaço de currículo extenso, o tempo a mais na escola, a desobediência, a delinquência, o espaço que só as tecnologias móveis tomam lugar dos dedos e olhos dos alunos, não me perece que estejamos no caminho mais correto. Os modelos educacionais aplicados também têm de estar em consonância com a realidade.

    • ”A realidade de hoje é que os alunos aprendem de forma diferente. Todos os estudos científicos o apontam. ”
      Como é esse modo diferente ? Diga-me, por favor, ou cite-me o autor dos estudos, que tenho muita curiosidade por estudos dessa natureza. Obrigado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here