Home Rubricas Não são necessários 25 dias de férias, nem 35 horas de trabalho,...

Não são necessários 25 dias de férias, nem 35 horas de trabalho, antes mudar atitudes.

35 horasA vontade de desfocarmos os temas, que de facto interessam a quem trabalha – e não só nesta área- e bater na mesma tecla até à exaustão, e criar muito alarido em torno da mesma “coisa”, é um erro, e nada vantajoso.

Se conseguirmos neste nosso País, ter em todas as empresas, pequenas, médias e grandes, gestores capazes, competentes e informados, à frente das mesmas, criando uma “organização organizada”, é meio caminho andado para se ser mais produtivo, mais empenhado, ter melhores condições de trabalho, com apreciação e reconhecimento do mérito.

E se – com imensas dúvidas- algum dia fosse possível chegar a este patamar, tudo o resto seria tão desnecessário, logo, esquecido.

As férias estão definidas e bem, e deveriam – não são! – ter que ser obrigatoriamente gozadas por todos os trabalhadores, em 22 dias úteis/ ano.

Criou-se, a dada altura, uma inversão que foi dar mais 3 dias de férias, “amarrados” à assiduidade do trabalhador, que quanto menos faltasse mais dias teria de férias.

Sendo que, a assiduidade deve ser um dever de quem trabalha, evidentemente retirando os casos de força maior, como doença, acidente do próprio ou familiar próximo e/ ou morte também de familiar, de resto o contrato individual de trabalho entre o Empregado e o Empregador implica direitos e deveres de ambas as partes. Entre as quais, a assiduidade ao trabalho. Logo não premiável, ou se o for de outra forma, que não trabalhando, depois, menos.

E o mesmo quanto às 35 horas de trabalho. Se, se houver um bom ambiente de trabalho, se houver mérito atribuído honestamente a quem o tem- e não por decreto – se nos locais em que possível for houver flexibilidade no horário diurno/semanal de trabalho, tanto no público como privado devem-se manter as 40 horas/semanais.

Não se pede ao trabalhador para “estar mais tempo dentro da empresa/instituição” como quase um castigo. Pede-se que esteja as 40 horas, pontualmente à entrada e à saída, e que nestas 40 hortas trabalhe. Ponto.

Pede-se ao Empregador que pague o trabalho prestado conforme acordado, que tenha uma boa e bem organizada “organização” dentro no local trabalho – o que demasiadas vezes, não acontece-, que premeie o mérito e nunca a “cunha”, que faça valer cada trabalhador e a equipa como tal, e que estimule abertamente os trabalhadores, dando-lhes melhores, boas, condições de trabalho.

Não serão, as menos 5 horas de trabalho semanais e os até mais 3 dias de férias anuais que vão fazer a diferença positiva, mas em vez “disso” tudo o resto deveria “ter” que ser exemplarmente bem gerido, com direitos e deveres de ambas as partes, com um bom ambiente de trabalho, e com vontade de todos de todos os lados fazerem mais, mas essencialmente melhor. E a satisfação do trabalhador ser olhada como a satisfação de um cliente, não pelas horas a menos de trabalho ou dias a mais de férias, e, aqui poder-se-ia implicitamente chegar, se o resto fosse estabelecido, mas não como uma prioridade!

Continuar a bater sempre e só na mesma tecla, estafada, só se justificaria se não fosse preferível e de que forma, melhorar genericamente as condições de trabalho, o local de trabalho, o mérito! Todos temos que um dia mudar de atitudes e mentalidades, todos, e cada um, em benefício de todos, e do País! . Empregadores, Empregados, Sindicatos, Ministros, todos, todos e cada um. Mas…..Não está fácil!

Augusto Küttner de Magalhães

2 COMMENTS

  1. Caro Augusto,

    Aprecio ler as suas “crónicas”, mas hoje toca num tema que, como sabe, tem muito que se lhe diga.

    Repare neste cenário! Eu e milhares de trabalhadores, acordamos um contrato de trabalho, com uma entidade pública, que prestava serviço para a entidade X, por valor inicial de 683,13 Euros BRUTOS por 35 horas de trabalho semanal.

    Passado X anos , a empresa sede (governo) entende que devemos aumentar a produtividade e perante a pressão de alguns (privados) atira a lenga lenga de que é injusto o privado trabalhar 40horas…

    Unilateralmente, altera as condições do contrato sem qualquer negociação!

    Chegamos às 35horas por negociação… não sei se muitos se recordam!

    Por ano, estou a trabalhar mais 37 dias!!!! Sem qualquer remuneração, negociação etc…

    Coragem política, é rescindir contrato ou reorienta-los (requalifica-los) com aqueles meus colegas que passam a vida no facebook, (passa porque o chefe permite!) com aqueles que se encontram refugiados na idade, na ausência de vontade de trabalhar etc..

    As 5 horas diárias fazem muita diferença… só não fazemos mais, porque somos mal orientados/chefiados e não existem guias/planos de organização administrativa para procedimentos.

    E fico por aqui.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here