Home Rubricas Mãe,Pai: Reprovei!

Mãe,Pai: Reprovei!

348
1

Oficina de PsicologiaQuando as crianças entram na idade escolar, o que os pais (e as próprias crianças) ambicionam é que cada ano letivo corra o melhor possível. Mas a vida escolar é repleta de desafios, de exigências e por isso nem sempre as coisas correm da melhor forma. Quando chega o fim do ano lectivo, pode com ele chegar o nervoso miudinho por causa dos exames, a ansiedade de desempenho e …(o mais temível de tudo) o medo de reprovar. Esta possibilidade pode ser muito desafiante não só para os alunos, mas também para os pais que, por vezes, se sentem um pouco perdidos (e também eles apreensivos), sem saberem qual a melhor forma de lidar com esta questão. Para que a reprovação não seja um tema tabu nem um bicho-de-sete-cabeças aí em casa, deixo-lhe algumas sugestões e ideias que o poderão ajudar a lidar com esta fase:

– Mas afinal, o que significa reprovar? Já parou para pensar na conotação que costumamos atribuir à palavra “reprovação”? Geralmente atribuímos a conotações como “vai perder um ano”. Se reparamos bem na frase “vou perder um ano”, esta arrasa com qualquer motivação para abraçar o novo ano, tem um cariz muito pesado, desmotivador e frustrante. E se em vez de interpretações desmotivadoras, levarmos a palavra “reprovação” à letra? Re-provar: provar de novo, fazer uma nova prova. Não é isso, no fundo, que procuramos fazer com os nossos erros, com o que nos correu menos bem? Provar de novo, tentar de novo? Porque não ajudar os nossos filhos a olhar para a reprovação como um provar novamente, provar tudo o que de bom aconteceu e aprendeu e ter a oportunidade de provar e fazer diferente o que não correu tão bem, sempre com a aprendizagem que levou da primeira prova? Será certamente mais motivador encarar o novo ano letivo.

Substituir culpas por afeto: quando a criança reprova, ela já se sente suficientemente culpada e triste por não ter transitado. Evite expressões como “devias ter estudado mais” “se não fosses tão preguiçoso, não tinha acontecido”. Em vez disso, porque não desafiar o seu filho a construírem um plano infalível para o próximo ano? Pode ajudá-lo com dicas e estratégias que ele poderá pôr em prática para que o ano letivo corra muito bem.

– Escutar a criança e o que ela sente: mostre compreensão pelo facto de se sentir triste porque já não vai ter os seus coleguinhas na mesma turma. Antes de dar soluções, dê espaço para a tristeza falar. Depois sim, ajude-o a lembrar-se como fez os amigos e como poderá repetir o mesmo para fazer novos amiguinhos na sua nova turma.

– Mostre o seu amor e orgulho incondicional: uma reprovação é uma ótima oportunidade de aprendizagem, não só escolar mas de vida. É uma boa oportunidade para a criança aceitar que os erros, as adversidades fazem parte da vida e que tudo o que é preciso é lutar para as ultrapassar; e que, por muitos erros e contrapartidas que a vida lhes coloque, as pessoas que são verdadeiramente importantes irão amá-lo e orgulhar-se dele da mesma forma. Procure expressar o seu orgulho incondicional ao seu filho e que repetir algo não tem mal. Caso tenha reprovado algum ano, partilhe a sua experiência. Se nunca reprovou, partilhe situações em que fez algo mal e teve de fazer de novo.

Por todas estas razões, já sabe: a reprovação não deve ser desaprovada. Aprove que o seu filho erre, aprove que ele se sinta triste por não conseguir e simplesmente esteja lá para o apoiar, para ajudá-lo a ultrapassar as suas dificuldades. É dando espaço às vicissitudes que ele poderá crescer mais resiliente e determinado. Porque no final de contas, o que importa é a aprendizagem e que a criança se sinta amada e valorizada independentemente não só do processo, como do resultado.

 

Sandra Azevedo

Psicóloga Clínica

Oficina de Psicologia

Equipa Mindkiddo

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here