Home Escola Isto sim é uma reflexão…

Isto sim é uma reflexão…

507
0

…bem mais útil do que aquele documento de 3 páginas em modo copy paste, escrito com muita maquilhagem e que supostamente serve para nos avaliar…

um balanço

refletiro ano termina, em termos letivos, prolonga-se apenas por exames e rotinas típicas de um final de ano letivo;

em termos de balanço, noutros lados já escrevi algo mais,

gostei 🙂

da experiência do cqep, poderão dar origem a trabalho que designo de autobiografias do insucesso – um prazer, um gosto e um encanto ler histórias na primeira pessoa, perceber o que foram os tempos e os contextos, os modos e as modas – perceber o que não mudou num contexto e numa relação (a das pessoas com a escola);

de conhecer e desenvolver mais e melhor a minha metodologia de trabalho (de projeto); arrisquei algumas experiências, a introdução de outros dispositivos, de ganhar as turmas depois das hesitações e desconfianças iniciais – e tenho pena de não ter resultados para mais, alguns bem mereciam;

de me sentir confrontado com os alunos do vocacional; de perceber que o que faço terá, algures, um qualquer sentido, por vezes rebuscado, outras nem tanto;

a partir dos cursos de vocacional, que me sinto ainda mais confiante por perceber que a escola (as práticas docentes, os modos de organização, as respostas escolares, as relações com alunos e famílias e contextos, instrumentos e critérios de avaliação, estratégias de trabalho) tem de mudar, obrigatoriamente tem de mudar;

finalmente, gostei de reencontrar pessoas, de sentir amizades e cumplicidades, mesmo com gente para mim algo surpreendente – mas são mais estes os que me enaltecem a amizade;

não gostei 🙁

de sentir que aquele contexto tem particularidades tão significativas quanto complexas – e que não são consideradas em termos de organização do trabalho e da escola;

que pouco mudou desde que lá estive há dez anos atrás;

que há pessoas que por muito o mundo pule e avance estão estagnadas, em lodo lamacento de mesquinhez e alguma malvadez;

de sentir que eu próprio mudei tornando-me (nem justifico) algo que não me agrada profissionalmente, mas que percebo profissionalmente (não é engano é a mesma referência duas vezes);

de perder quatro alunos, um por abandono, os restantes por desinteresse, desleixo manifesto, quanto incapacidade minha e dos pais em identificarmos respostas que os conseguíssemos captar e mobilizar (e o quanto os docentes estavam disponíveis);

Por Manuel Cabeça

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here