Home Escola “Isto É Uma Violação Dos Direitos Das Crianças” – Palavra De Educadora

“Isto É Uma Violação Dos Direitos Das Crianças” – Palavra De Educadora

26051
5
Exmos. Srs.,
Depois de ouvir atentamente os esclarecimentos feitos na sessão, devo dizer que, como educadora há mais de 2 décadas, se estava preocupada, mais preocupada fiquei.
Abrem-se as portas das Creches para?? Indiscriminadamente? Ou por necessidade?
Digo isto porque muitos pais vão continuar em casa e vão “depositar” as crianças nas creche, já temos essa prova, após solicitarmos informação das crianças que vão voltar.
Vão voltar crianças com pessoas em situação de desemprego no agregado familiar, vão voltar crianças cujos os pais continuam em cada por terem 1 filho no primeiro ciclo, vão voltar crianças que têm avós mais jovens do que as próprias educadoras e auxiliares, etc.
Que critério está a ser aplicado aqui?
Por favor, existe consciência de muitas creches ainda funcionam em instalações que foram licenciadas ao abrigo de legislação atualmente obsoleta? As mesas continuam a funcionar Legalmente pois, a atual legislação obriga a que se façam as “alterações possíveis”, sendo que a maioria das adaptações, por limitação dos próprio edifícios onde estão instaladas, não é de todo viável.
Dado pequenos exemplos: existem creches que têm apenas uma porta para o exterior, através da qual se cruza toda a gente, existem creche que não dispõem de espaço exterior, existem creches com salas em que a área não permite nenhum distanciamento entre os catres.
Existem crianças de difícil adaptação que só se acalmam com colo e carinho, existem crianças que caem e se magoam e que só se acalmam com colo e mimo, existem crianças que só adormecem com o adulto deitado ao lado.
As crianças não passam o dia a brincar só com um brinquedo, nem com 10 brinquedos diferentes, as crianças abraçam-se, as crianças pedem colo, as crianças em creche estão habituadas a colo, a afeto.
Já alguém ponderou a frustração e os traumas de uma criança que se sente rejeitada pela Educadora quando esta lhe negar colo, mimo, etc.?
Não deveria ser o superior interesse da criança a vigorar? O seu bem estar físico, o seu bem estar emocional…onde estão a ser tidos em conta nestas medidas?
O que vão as crianças fazer na creche o dia todo? Ouvirem os adultos mandarem, constantemente, que se afastem umas das outras e dos adultos, fazerem refeições a 2 metros de distância umas das outras?
Mesmo nos refeitórios, muito têm mesas redondas, em quantos turnos terão de ser servidas as refeições? começam a almoçar às 10 horas e o ultimo turno acaba às 16 horas da tarde? Depois a contradição de que cada grupo só pode frequentar a sua sala mas depois existe partilha de wc e de refeitório. Qual é a lógica destas medidas? Quem dita as regras foi conhecer as creches com instalações mais antigas? Esqueceram-se que o rácio de criança/ e criança/sala tem sido reduzido ao máximo em nome da sustentabilidade das instituições? Conhecem a legislação que levou à actual organização dos equipamentos?
Sim, da anterior obrigatoriedade de 2.5 metrosª por criança passamos a apenas 2mtª/ criança, para as salas levarem mais crianças, mas com o mesmo número de adultos.
Mesmo as creche que dispõem de espaço exterior, é preciso que o clima permita a sua utilização, caso contrário, vão passar os dias numa sala sem nada para brincar, sim, porque as crianças necessitam de estímulos e isso implica exploração de diferentes brinquedos, rapidamente se fartam de um brinquedo e passam a outro, isso é natural nas crianças.
As crianças vão passar os dias em grande irritabilidade, frustradas em permanência.Vão ser obrigadas a agir contra tudo o que é saudável nas crianças, contra tudo o que lhes tem sido incutido, sem afeto, cheias de obrigações Às quais serão lembradas a toda a hora, a todo o minuto, a cada segundo.
Onde está a ser ponderado o superior interesse das crianças? As crianças têm direitos que estão a ser violados de forma rude e drástica.
A experiência de frequentar uma creche deveria dar estabilidade e segurança, são ferramentas que se levam para a vida futura.
Alguém ponderou do que a frequência da creche com estas medidas vai ter consequências futuras na personalidade das crianças?
Estamos a retirar-lhes TUDO, tudo o que é importante para o desenvolvimento das crianças.
Não tenham duvida de que ao fim do primeiro dia as crianças vão estar a odiar os seus dias em creche, que isso as vai traumatizar para aquilo que é a escola.
Num futuro não distante vamos ter  os dados negativos desta medida.
Lamento imenso que Portugal deite por terra a sua capacidade de marcar a diferença com esta atitude.
A maioria das educadoras e educadores irá apresentar Declaração de Escusa de Responsabilidade, não queremos carregar no coração o que estão a fazer com as crianças e com as marcas que vão deixar nestas, teremos consequências disto, só não tem consciência disso quem não percebe a importância do ambiente proporcionado nestas idades para a formação destes Seres.
Já estou a imaginar a muda das fraldas, constante e a crianças diferentes, se uma avó de 50 anos não o faz vai fazer uma educadora de 60 anos, e fazer a crianças umas atrás das outras.
Entre pais e avós ainda fora da idade de risco, que são a maioria com netos em idade de creche, existe, na maioria dos casos, quem esteja em casa por diversas razões inerentes ou não a esta Pandemia.
Por favor, vamos respeitar os direitos das crianças, o Direito à saúde, às manifestações de amor, a crescer emocionalmente saudável, à sensação de segurança.
Peço que me ajudem e me recomendem como posso explicar a estas crianças que ficam no chão a chorar por lhes recusar colo, como lhes explico que vão ter de entrar na creche sem que lhe possa segurar a mão e dar um beijo de bom dia, como lhe vou dizer que cada mesa redonda só vai ter uma criança por isso terei de fazer turnos de 8 crianças de cada vez para respeitar a distância? Como lhe vou dizer que deixa de existir horário de refeições porque umas almoçam às 10 horas e as outras acabam às 16 horas? São crianças, têm o seu ritmo e o objetivo da creche é ajudar na autonomia e não empurrar a refeição para que seja rápidas e poderem dar lugar às próximas.
O que estão a fazer com as crianças, educadoras e auxiliares não é justo nem humano.
Poderem por favor como as coisas vão decorrer mas, e sempre, tendo o superior interesse da criança como principal objetivo,
Não aleguem o que não é alegável, uma criança beneficia em conviver com outras crianças, mas não desta forma traumatizante.
Nesta fase as crianças estão mais seguras, saudáveis e felizes com o amor e carinho do lar, com aquilo que não vão poder ter em creche e nem no pré escolar.
Assumam a responsabilidade de terem conhecimento de que na maioria das creches não existe possibilidade de cumprir as normas.
Por favor, reflexão e bom senso.
Isto é uma violação dos direitos das crianças em nome de quê, concretamente?
Melhores cumprimentos e votos de que fiquem todos bem de saúde, física e emocionalmente.
Melhores Cumprimentos
Rosa Gomes

5 COMMENTS

  1. Obrigada Rosa pelas suas palavras tão esclarecedoras. Sou mãe de um rapaz de 3 anos que deveria regressar à creche no dia 18, mas por todo o amor que lhe temos decidimos que vai ficar em casa pelo menos até setembro, não é fácil mas enquanto pais pensamos exactamente como a Rosa pensa. Não entendo como decidiram reabrir as creches pois são os únicos que ainda não se sabem proteger… Acho que o nosso presidente e governo portaram se muito bem até tomarem esta medida… Sei que o problema aqui foi a quantidade de pais que deixaram de pagar as mensalidades pondo assim em risco as instituições, mas por causa disto vão por a vida de muitas pessoas em risco, o que é preocupante e assustador. Eu continuarei a pagar a mensalidade do meu filho por mais dificuldade que tenha ou não porque sei que é meu dever perante a instituição que o recebe à 2 anos sempre com tanto amor e carinho. Mais uma vez Rosa muito obrigada pelo seu testemunho tão verdadeiro. Que tudo corra pelo melhor.

  2. Eu sou adulta e há dias ao ir buscar comida a um take away encontrei-me com uma jovem na fila, jovem que conhecia de vista, frequentavamos o mesmo café antes da pandemia, triste e chorosa contou-me o seu problema. Eu adulta, ela adulta, não fui capaz de ao terminar a conversa não lhe dar um abraço muito apertado, um abraço da mãe que ela já não tinha. Estava consciente do risco, mas fi-lo. Acham que uma educadora vai ser capaz de ver uma criança chorar e não lhe dar carinho? Concordo consigo Rosa, não, não vai, e vai-se colocar em risco, porque milhares de educadoras são sexagenárias. O Governo quer o genocídio de professores, educadores e pessoal auxiliar que nas escolas trabalham e tem mais de sessenta anos?

    • Senão, a dada altura sabe que a vida tem que recomeçar, ou toda a gente tem que ficar em casa eternamente…?
      Portugal não tem muitos casos e o vírus afecta que muitíssimas poucas crianças, sobretudo pequenas.
      A dada altura se não querem trabalhar, demitam-se.
      Julgar as pessoas porque “têm avós” quem é você para julgar a vida familiar de cada um?
      O vírus só é mais perigoso que uma gripe se não houver espaço nos hospitais, e esse nem é um problema em Portugal. Você porventura fecha a creche quando há gripe?
      Vamos ter que nos habituar a este vírus, a dada altura não vamos ficar fechados em casa à espera dum milagre.
      A situação está relativamente controlada.
      Nem se considera que 5% das pessoas em Portugal tenham sido contaminadas.

  3. Sou muito grata pelo seu testemunho Rosa,como pessoa,como mãe e como educadora há já 33 anos. Concordo plenamente com tudo o que escreveu, adoro o meu trabalho e lamento muito toda esta situação, mas o que lamento ainda mais é que se continue a colocar os interesses económicos á frente do verdadeiro valor da vida. O valor da vida é supremo, quando é que a humanidade vai compreender que deve mudar de direção e colocar o ser humano em primeiríssimo lugar? criando qualidade de vida para todos igualmente, não deixando que os donos da máquina económica e capitalista deste planeta continue a comandar e a explorar a vida da maioria,sim porque nós somos a maioria. Portanto repito, sou grata Rosa pelo teu questionamento.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here