Home Rubricas Gurus, feiticeiros e bruxos na educação.

Gurus, feiticeiros e bruxos na educação.

106
0

“É muito fácil viver fazendo-se de tonto. Se o tivesse sabido antes, ter-me-ia declarado idiota desde a minha juventude, e poderia ser que, por esta altura, até fosse mais inteligente. Porém, quis ter engenho demasiado depressa, e eis-me aqui agora, feito um imbecil.”

Dostoievski

bola-de-cristal_educacao

Se me assusta entrar numa livraria e ver o “top” mais me assusta esta coisa dos especialistas em educação. Seres iluminados que dizem da sua alta cátedra o que devem os professores ou os alunos fazerem para “aprender”. Sempre gostei da frase: gosto de aprender mas nem sempre gosto que me ensinem. Dizem que pertence a Churchill. O que me assusta é mesmo a falta de equilíbrio em tudo enquanto pai. Ora colocamos o “brincar” como elemento central. Ora colocamos o “rigor”. Ora falamos em “métodos” para isto e para aquilo.

A didáctica, palavra velha e cansada nestes tempos foi pelo cano abaixo. Agora temos sempre que esperar pelo que os “especialistas” dizem. Eles, feitos em fábricas como latas de sardinha, debitam os seus “estudos” e pronto. Lá vai toda a escola num só sentido. Eu, por princípio, confio nos professores. Posso gostar mais de uns do que de outros no que respeita à abordagem que fazem. Mas é da diversidade que nasce sempre a razão. Nem que seja aquela que os meus filhos podem tirar de tudo. E sinceramente, apetecia-me dizer aos especialistas que leio em jeito de jornal do tipo “o Diabo” em que faço de muitas coisas uma boa e saudável gargalhada, que vão especializar para as suas casas.

Os professores sabem ensinar queiram os alunos aprender. Dê-se a todos uma coisa que falta e muito. Acesso à cultura da curiosidade. Uma escola e a sua comunidade deve viver disso. Gostava de ver um especialista defender acesso livre e gratuito a professores e suas famílias a museus e centros de ciência para no seu tempo poderem fruir de mais coisas que os enriqueçam e com isso as suas aulas. Gostava de ver especialistas falar de cultura. De saber e de conhecimento. Aberto para além da escola. E não só na escola ou em “métodos” que roubam o pouco tempo que os miúdos hoje vão tendo para estar sem ser orientados para qualquer coisa ou cheios de actividades e mais actividades que potenciam um desgaste de inteligência para além do limite. No meio de tanto especialista não seria bom ouvir quem sabe ensinar? E dar esses que ensinam todos os dias acesso à cultura para que todos possam saber um pouco mais? Não é a escola, supostamente, um lugar de conhecimento e cultura antes de tudo o resto? Gostava que fosse. Talvez façam um especialista em lata de sardinha que venha, um dia, dizer isto se isto for especialidade para tal…

João Lima

Pai

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here