Home Notícias Governo garante segurança nas aulas de educação religiosa

Governo garante segurança nas aulas de educação religiosa

568
0

Fascinante como a definição de bolha muda quando é conveniente. Cada turma é uma bolha, cada uma com a sua sala, com horários desfasados, etc, mas quando se juntam 10 alunos de várias turmas misturando várias bolhas numa sala, não é que não surge uma nova bolha…

Mas estas mesmas bolhas juntam-se no bar, no refeitório, no pátio da escola, no exterior da escola, no desporto escolar, etc…

Bolhas e bolhinhas, mentiras e mentirinhas, eis como se passa um atestado de estupidez ao povo português!

Fica a parvoíce proferida pelo Ministro da Educação.


O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, garantiu, esta quarta-feira, que as medidas preventivas à covid-19 estão a ser asseguradas nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica, sustentando que as turmas são “pequenas”, existindo afastamento social.

“As turmas são muito pequenas, eles têm escolhido espaços grandes, o que faz com que, mesmo na eventualidade de termos mais do que uma turma, eles estão suficientemente afastados”, disse.

O ministro da Educação falava aos jornalistas em Elvas, no distrito de Portalegre, acompanhado pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Os governantes deslocaram-se à cidade da raia alentejana, que faz fronteira com Badajoz, na Extremadura espanhola, para assistirem a uma ação de sensibilização da PSP junto dos alunos do Agrupamento de Escolas n.º 1 de Elvas sobre as medidas para prevenir e combater a pandemia de covid-19.

O Jornal de Notícias revelou esta quarta-feira que a lógica de funcionamento em “turmas-bolha”, recomendada pelo Ministério da Educação, está a ser “subvertida” nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica, acrescentando que o reduzido número de alunos conduz as escolas a juntar na mesma sala jovens de turmas diferentes.

Questionado pelos jornalistas sobre esta situação, o ministro da Educação assegurou ainda que o efeito bolha “nunca é rebentado”, uma vez que as turmas contam com um reduzido número de alunos.

“Hoje, o presidente de uma associação de diretores, disse que muitas vezes tem 10, 12, 13 alunos numa sala de aula, por isso o efeito bolha nunca é rebentado”, sublinhou.

“O que sabemos é que os diretores têm consciência da importância de manter as bolhas e, nesse sentido, sabemos também que existem nessa disciplina [educação religiosa] única e simplesmente uma hora por semana, tem havido todos os cuidados para que, efetivamente, todas as regras possam ser cumpridas e que o efeito bolha de cada uma das turmas possa ser cumprido”, acrescentou.

O governante, que fez um balanço “francamente positivo” do início do ano letivo, recordou ainda que foi efetuado nos últimos anos um “reforço” dos recursos humanos nas escolas.

Na escola de Elvas, os dois ministros questionaram alunos sobre as medidas que estes devem adotar neste contexto da pandemia de covid-19, para se protegerem e combaterem a doença.

De seguida, os governantes rumaram a Arronches, também no distrito de Portalegre, para assistirem, na escola secundária local, a uma demonstração idêntica junto da comunidade escolar, desta feita a cargo da GNR.

Fonte: JN

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here