Home Rubricas Foi Assim – Dividir para Reinar

Foi Assim – Dividir para Reinar

326
0

divide and ruleA aula estava a decorrer quando alguns alunos alertaram-me para o facto de esta estar a terminar. Como outros alunos, incluindo o José (nome fictício), manifestaram vontade em permanecer mais algum tempo, eu questionei a turma se eles não gostariam de ficar mais alguns minutos. Como a maioria não concordou, dei por terminada a aula.

(o aluno José era o líder de uma turma muito complicada, que até à data era extremamente unida, funcionando em bloco para impor as suas vontades)

O aluno José, ao ver que a sua vontade não era satisfeita disse, e passo a citar, “da próxima vez que a aula terminar depois da hora ninguém fica”. Eu questionei-o sobre quando é que isso tinha acontecido e o aluno disse “em todas as aulas”. A afirmação era falsa, já que das poucas vezes que aconteceu, foi com a concordância da turma. De seguida, eu disse ao José, que “não era ele quem mandava na aula, era eu”, ao que este respondeu “se o professor não põe ordem nisto ponho eu”. Esta acusação tem tanto de “curiosa” como de incorreta, pois o único aluno que estava a ser indisciplinado era o próprio.

Enquanto estava no gabinete, apercebi-me que os alunos estavam a discutir no balneário e dirigi-me ao mesmo para ver o que se estava a passar. Quando entrei no balneário, estava a decorrer uma discussão em que o protagonista era o dito aluno, queixando-se que a turma já não estava unida, ao mesmo tempo que pressionava os seus colegas para saber quem é que se tinha, e passo a citar, “chibado”.

(posteriormente tive conhecimento que o diretor de turma tinha utilizado a estratégia “dividir para reinar”, incutindo na turma que tinha existido uma denúncia de um dos alunos, manifestando o desagrado pela forma como a turma se comportava e tratava os professores)

A pressão que estava a ser exercida era enorme, sendo evidente que o resto da turma se sentia intimidada. A pressão atingiu o seu cume, quando o aluno José, ameaçou um colega, dizendo-lhe, e passo a citar, “Se falas mais alguma coisa rebento-te os cornos”. Tentei perante a situação mediar e acalmar, pois estava na iminência de se tornar explosiva, pois os alunos tinham idades compreendidas entre os 18 e 22 anos… Perguntei a razão pela qual estava a haver tanta discussão? Alguns deles disseram-me que a discussão não tinha nada a ver comigo, retorquindo-lhes que eu era o professor presente e, pelas circunstâncias forçado a intervir. Posteriormente perguntei ao aluno José, se considerava corretos os termos que tinha usado para se dirigir a mim e ao colega. O aluno, mantendo a arrogância e agressividade disse-me e passo a citar, “Eu falo assim com quem eu quiser, também falo assim com a minha mãe e com o meu pai.”. Ao que lhe respondi, que não lhe admitia que me faltasse ao respeito, o qual respondeu, “Mas alguém respeita o professor?”. Posto isto, comuniquei ao aluno que iria participar dele, respondendo-me, “ Se ficas mais feliz, se vais ganhar mais dinheiro ao final do mês…”. Tratando-me por “tu”. A discussão terminou nesse momento, pois era evidente que o aluno não ia alterar a sua postura e a minha autoridade só o ia desafiar ainda mais. No entanto mantive-me junto à porta do balneário caso a situação entrasse em “vias de facto”…

No dia seguinte, o aluno José, dirigiu-se à sala dos professores e pediu-me desculpa sobre o sucedido. Comuniquei-lhe que o seu pedido seria incluído na participação disciplinar, mas que a mesma não seria retirada. O aluno respondeu em tom calmo “faça o que achar melhor”.

Foi assim…

Comentário: Esta estratégia implementada pela diretora de turma, de dividir para reinar, não vem nos livros, nem nos é transmitida por orientadores de estágios e afins. Foi a sua sagacidade e experiência profissional que permitiu levar a bom porto uma das turmas mais difíceis com que tive de lidar. Lembro-me que ao falar com um aluno que tinha o dobro do seu tamanho, lhe dizia com graça, que tinha que se sentar pois era o professor que falava de cima para baixo e não o contrário.

A nossa formação pedagógica é transversal mas a experiência só se adquire com o tempo e quando não se quer ter tempo, ao menos que se aprenda com os mais experientes.

E a ti, querida Luz, só lamento não ter aprendido mais, pois infelizmente o teu tempo acabou muito antes do que era suposto…

Foi instaurado procedimento disciplinar ao aluno, tendo-lhe sido aplicada a medida sancionatória de 5 dias de suspensão com pena suspensa.

Se quiser partilhar connosco aquela situação que ainda perdura no baú das memórias, basta enviá-la para [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here