Home Rubricas Finalistas De Chupeta

Finalistas De Chupeta

2483
0

TRANSIÇÕES

«E eis-nos chegados a mais um final de ano.

E, por isso (ou por causa disso!), chegam também as “Festas de Finalistas”, os diplomas, as cartolas, e todo um mundo de “marcas” que se pretendem significativas…

Confesso-vos que, por mais anos que leve “disto”, continuo a não compreender (e garanto-vos que muitos me tentam “explicar”…) a mais-valia de tanta vontade de “marcar um fim”…

Diz-nos a Constituição da República Portuguesa (e depois todo o edifício legal consequente) que a Educação de Infância é “a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida”. Sabemos também que, na Rede Pública de Educação Pré-Escolar, cerca de 80% dos jardins de infância públicos partilham espaços físicos com outros espaços e níveis escolares (o que, só por si, deveria justificar a “abolição” de Festas de Finalistas na educação de infância na Rede Pública).

Por último, desde que me conheço como profissional de educação de infância sempre senti (e lutei por isso!) que os sistemas de educação são (devem ser) baseados na ideia de continuidade e transição “pacífica”, por forma a potenciar uma estrutura de evolução (em oposição à “revolução”, caracterizada por incidentes críticos determinantes).

Dizem-nos as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar que compete, de alguma forma, aos profissionais, “proporcionar, em cada fase, as experiências e oportunidades de aprendizagem que permitam à criança desenvolver as suas potencialidades, fortalecer a sua autoestima, resiliência, autonomia e autocontrolo, criando condições favoráveis para que tenha sucesso na etapa seguinte”.

Posto isto, interrogo-me: será que o fazemos quando, por inércia ou porque “sempre foi assim”, as submetemos a finais de ano que, em vez de potenciar transições tranquilas, se tornam uma espécie de “prova de fogo” (a simples menção ao facto de “para o ano é que vai ser”) que são, só por si, um apelo à disrupção e ansiedade?…

Será que o fazemos quando assinalamos e sublinhamos, de forma física (diplomas, cartolas, presenças em palco, etc.), a “diferença” notória que, de alguma forma e inconscientemente, mostra que haverá, de facto, um corte profundo com os processos de aprendizagem e desenvolvimento a que os habituámos?…

Será que o fazemos quando nos justificamos com um “os pais e as famílias gostam e exigem”, não percebendo que, só por o referir, estamos a negligenciar (e a penalizar) o nosso espaço de formação e acompanhamento parental e, de alguma forma, a desvalorizar o processo educativo de que fomos líderes?

Será que os níveis de ansiedade que, muitas vezes promovemos (ah, raios, afinal a “preparação” da festa final “só” começa uns 15 dias antes da data marcada…), ou o facto de que, nesta “Festa de Finalistas” até reconhecermos que há crianças que, pela sua data de nascimento, são hoje “finalistas” mas poderão ter de acompanhar mais um ano o grupo de educação pré-escolar (quantas vezes o “finalistas” não têm lugar numa turma do ciclo seguinte porque perfazem a idade mínima um ou dois dias depois do estabelecido na lei) não são notórios?

Será porque, na nossa ânsia de “mostrar” trabalho, e por isso nos transformarmos em encenadores, ensaiadores, alfaiates e costureiras ou apenas “pontos de cena”, acabamos por nos esquecer que cada criança é, de facto, diferente a compreender (e aceitar) a realidade a que a submetemos de forma única?

Ou será apenas porque, enquanto pofissionais, já deixámos de encontrar estratégias que sejam, mesmo, “Amigas das Crianças”?

Os anos letivos acabam. É certo.
Mas também os dias acabam. As horas acabam. As semanas acabam. Os projetos acabam.
É verdade que “transições” são todos os processos de mudança. E que, de uma forma geral, é necessário (e fundamental) acompanhar crianças pequenas (e não só) para facilitar processos integradores de sucesso. Mas…

…a integração não começa no último dia de atividades letivas. A integração não se potencia fazendo “coisas” que só acontecem uma vez na vida das Crianças. A integração não tem mais sucesso porque “É diferente”.

E, não acontece, com certeza, quando, subliminarmente, lhes dizemos: “agora é que vai ser”…

Se os pais e famílias gostam de as ver “atuar” (mesmo que passem todo o “espetáculo” com os telemóveis na mão para “mais tarde recordar” e a única imagem que fica na cabeça de uma criança, em cima do palco, é uma “cabeça de telemóvel”…); se os pais e familias “só vão à Festa de Final de Ano, porque, de outra forma não acompanham as crianças…”; se as crianças (pelo antes exposto) “gostam e querem” fazer um espetáculo (pensemos se não será a única forma de dizerem: “estou aqui e gosto desta escola: talvez assim reparem nisso!”…), teremos de ser nós, os mediadores de aprendizagens e relacionamentos, a fazer diferente. A promover diferente. A encontrar outras soluções.
Porque, no final de tudo, é para isso que nos pagam!

Porque o sempre foi assim não pode justificar tudo…

Nem o “eles gostam” (porque a maior parte das Crianças gostariam de ter como almoço diário uma pizza ou uma pastilha elástica, e nós não o “permitimos” por alguma razão)…

Alguma coisa teremos de fazer. Quanto mais não seja, refletir sobre o “que fazemos e porque fazemos” além do “sempre foi assim”.

Reflitamos.
E que seja um Final de Ano que, acima de tudo, nos dê prazer.»

Texto do colega Henrique Santos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here