Home Editorial Eu, Professor, Peço Desculpa Ao ME, Ao Governo E Ao País!

Eu, Professor, Peço Desculpa Ao ME, Ao Governo E Ao País!

5797
3

Depois de ouvir as palavras do Presidente da República, o mesmo que recentemente vetou um decreto-lei do Governo para obrigá-lo a (re)negociar com os professores,vindo agora alertar para as consequências gravosas da recuperação do tempo de serviço dos professores, pelo perigo de contágio com outras áreas da função pública, com receio de uma hipotética crise económica.

Depois de ouvir o Ministro da Educação e o Primeiro-Ministro, encravarem a argumentação nos mandamentos da atual legislatura, onde não consta a recuperação do tempo de serviço docente.

Depois de ouvir que recuperar os 9 anos, 18 meses e 2 dias, custa mais de 600 milhões, apesar das contas nunca terem sido mostradas e já terem sido desmentidas pelos próprios professores que as fizeram e mostraram.

Depois de ouvir e ler, tantos comentários de encarregados de educação e opinadores de bancada, dizendo que o Orçamento de Estado não consagra a recuperação do atual tempo de serviço e que o país não tem condições para devolver esse tempo aos professores.

Depois de um compromisso assinado, entre sindicatos e Ministério da Educação, onde consagrava a recuperação total do tempo de serviço, e de todos os partidos, incluindo o PS, ter recomendado ao Governo a recuperação de TODO o tempo de serviço.

Depois de ver professores com a mesma habilitação e até menos tempo de serviço, ultrapassarem-me no vencimento, só porque moram nas ilhas, ou tiveram o azar de não entrarem na carreira antes de 2011.

Depois de tudo isto e muito mais… Sinto a obrigação de vos pedir desculpa! É um imperativo moral, uma questão de justiça!!!

Desculpem, por querer aquilo que é meu!

Desculpem, por lutar por aquilo que me roubaram!

Desculpem, por estar zangado por ver colegas a ultrapassarem-me!

Desculpem, por não conseguir compreender como durante anos e anos se fizeram orçamentos retificativos como quem muda de camisa e agora ser algo inaceitável, ofensivo e abusivo.

Desculpem, por não compreender como é que para os “Novos Bancos” deste país, a torneira do dinheiro está sempre aberta.

Desculpem, por não conseguir entender como brincaram com a paciência dos professores, fazendo compromissos que apenas serviram para ganhar tempo, fingindo negociações esteréis ao longo de mais de um ano.

Desculpem, por não compreender o alcance das palavras do nosso Ministro da Educação, quando referiu que defenderia radicalmente os interesses dos professores. O mesmo Ministro que mostra a sua solidariedade em silêncio, quando um professor leva na cara, ou é pontapeado nos testículos por um aluno, dizendo à posteriori que é preciso combater a violência no… desporto!

Desculpem todos, peço o vosso perdão pois tenho um grave problema, não consigo compreender a amplitude da bondade daqueles que dizem que os professores são os melhores do mundo, mas não podem ter o que os melhores do mundo têm.

Claramente que sou uma pessoa limitada, pois só uma pessoa limitada é que continua a trabalhar da mesma forma, mesmo depois de ter sido roubada de forma tão descarada e há mais de uma década.

Peço desculpa pelo incómodo, desculpa por defender os valores da verdade, da transparência e um princípio que os meus pais sempre me ensinaram e que agora é tão mal visto para os lados de quem Governa…

Paga sempre o que deves e nunca fiques com aquilo que não te pertence!!!

Lamento Pai, lamento Mãe, afinal podemos dever a alguns desde que ofereçamos a outros…

Alexandre Henriques

3 COMMENTS

  1. Diga lá outra vez senhor Costa: 600 milhões?
    Nós sabemos como surgiu esse número:
    – Ó pá dizemos 1000 milhões!
    – Ó pá esse é um número muito elevado, da ordem das fraudes bancárias!
    – Então dizemos 200 milhões!
    – Isso soa a pouco, parece mais um ordenado de administrador!
    – 600 milhões?
    – Parece-me bem! Agora arranjem variáveis para alcançar esses resultado!

    Diga lá outra vez senhor Costa: 600 milhões só este ano?
    Dos 120 000 professores não chegarão a 100 mil os que estão na carreira, sendo que alguns destes estão presos em alguns escalões por questões de avaliação e existência de vagas.

    600 milhões a dividir por 100 mil, dá 6 mil euros por ano, 500 por mês! Quererá dizer portanto que os professores, se não lhe roubassem tempo de serviço, teriam em média um aumento de 500 euros por mês por subirem, em vez de um, dois escalões? Ora, como a variação entre escalões anda, em média à volta dos 160 euros ilíquidos, como o descongelamento é apenas de 25%, os 160 passam a ser só 40. Como parte é devolvido às contas públicas através de impostos, vamos falar com os poucos professores que já receberam mais algum:
    – Com que então seu privilegiado, já te descongelaram o salário?
    – Grande coisa, fiquei a receber mais 20 euros!
    Senhor Costa: 20x12x100000 dá 24 milhões!
    É claro que as minhas contas podem não ser muito rigorosas porque não disponho de dados exatos. No entanto servem para provar que a vossa mentira é grande demais para não saberem que estão a mentir. Pior ainda, sabem que o povo acredita!
    Que roubem, ainda é como o outro, agora que roubem e mintam, já me parece demais.
    Por isso, Senhor António Costa, da minha parte, pode até substituir o Brandão pela Maria de Lurdes: ACABOU!

  2. Nenhum cidadão/trabalhador deste país pediria desculpas por lhe serem reconhecidos e efectivados direitos consagrados na Lei.
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter tido uma aumento salarial…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter progredido na sua carreira…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter sido tratado com justiça e equidade…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter tido “um patrão” que o defende…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por terem sido tratados como pessoas de bem e merecedoras do valor do seu trabalho…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter um governo que fosse justo, cumpridor da lei e da Constituição…
    – Nunca ouvi ninguém pedir desculpas por ter tido um Presidente da República que defenda a LEI, a Constituição e a Justiça…

    … Percebo o que quer dizer entendo a desilusão e desencanto com tanta desonestidade e má fé… mas… a subversão dos valores, da ética e da responsabilidade estão, mesmo, a matar as instituições e a democracia…

    Na verdade, são eles que têm que pedir desculpa aos professores e aos portugueses que poderiam ter uma qualidade de vida substancialmente melhor, uma maior igualdade e oportunidades mais iguais de Bem-Estar , não fosse a “roubalheira” de décadas e décadas que ao invés de diminuir tem vindo sempre a aumentar…

  3. Muitos parabéns ao colega Eu não conseguiria exprimir tão bem o sentimento de revolta que sinto. Junto-me, pois, a si no seu pedido de desculpas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here