Home Notícias Estudantes do secundário sentem-se mais inseguros do que no primeiro confinamento

Estudantes do secundário sentem-se mais inseguros do que no primeiro confinamento

83
0

Os estudantes do ensino secundário sentem-se mais inseguros quanto aos efeitos da covid-19 sobre a sua própria saúde. Os jovens têm menos confiança nas medidas de protecção individual que estão a usar e mais de 80% revela receio de contrair a doença. Os dados são revelados num trabalho científico da Universidade do Minho, que tem vindo a estudar as percepções destes alunos desde o início da pandemia.

A mesma equipa de investigadores tinha questionado os alunos do secundário acerca das suas percepções relativamente à covid-19 em Maio – na altura, quase dois terços (59%) discordava do regresso às aulas presenciais. Os resultados agora divulgados permitem, por isso, uma comparação entre as opiniões dos estudantes durante a primeira vaga e a actual fase da pandemia.

Nota-se, desde logo, um aumento considerável da percentagem de alunos que revela “receio de contrair a covid-19”. São 80,2%, mais 13,3 pontos percentuais do que em Maio. Os jovens “perceberam que não eram só os grupos de risco que eram infectados”. “Agora não têm só receio pelos seus familiares e amigos, mas também por si próprios”, contextualiza a investigadora do Instituto de Educação da Universidade do Minho Regina Alves, que integra a equipa que desenvolveu este trabalho.

A generalidade dos alunos (93,7%) tem receio que alguém próximo contraia a doença, mas esse indicador já era elevado no ano passado (89%), ao contrário do que acontecia com o medo de ser o próprio a ser afectado pelo coronavírus.

Entre Maio do ano passado e Janeiro deste ano também caiu (8,7 pontos percentuais) a proporção de alunos que se sente seguro por entender que “utiliza as medidas de protecção adequadas”. Continuam a ser uma maioria (64%), mas são bem menos do que durante a primeira vaga.

O aumento do receio entre os estudantes do ensino secundário deve-se mais ao ambiente social do que às escolas, revelam os dados da Universidade do Minho. A maioria (52,1%) dos alunos sente-se seguro na escola se tiver que voltar às aulas presenciais. Este indicador aumentou 8,1 pontos percentuais em dez meses.

Os jovens entendem, porém, que a escola tem um novo papel a desempenhar nesta fase das suas vidas. A esmagadora maioria (60,6%) defende que os professores devem abordar o tema nas suas aulas – mais 12,8 pontos percentuais do que em Maio. Este número aumenta na mesma proporção que a percentagem dos alunos do secundário que defende a criação de programas educativos para a prevenção da covid-19 (42,1% favoráveis a esta solução).

“Eles não procuram informação relativamente às medidas de protecção individual, porque essas questões estão bem claras. O que eles procuram é que se fale da covid-19 para reduzir os seus receios e poderem fazer uma gestão das emoções”, defende Regina Alves.

A investigadora da Universidade do Minho entende que, por serem mais velhos, os estudantes do secundário “ficaram um bocadinho esquecidos”. “Partiu-se do princípio que mais facilmente conseguiram gerir os seus receios.” Os professores, mas também os psicólogos escolares e os mediadores educativos que trabalham nas escolas, têm, por isso, um papel importante não só para ajudar os alunos a lidar com as emoções, mas também para lhes transmitir informações credíveis, ajudando-os “a saber o que é verdade e o que é mentira”.

Essa é outra realidade revelada por esta nova publicação da Universidade do Minho. Ainda que a maioria dos jovens continue a acreditar nas autoridades de saúde (60,4%) e nas informações divulgadas pelos órgãos de comunicação social (51,2%), esse capital de confiança erodiu-se ao longo dos últimos dez meses – estes indicadores caíram 6,5 e 6,1 pontos percentuais, respectivamente.

Informações “que muitas vezes não são verdade” divulgadas pelas redes sociais e a “proliferação de fake news nos seus grupos” de amigos “têm deixado os alunos um bocadinho confusos”. A escola precisa de os ajudar a “desenvolver um sentido crítico e reflexivo para eles lidarem com estas situações”, conclui Regina Alves.

Fonte: Público

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here