Home Notícias Escolas com surto Covid | Valongo e Guimarães

Escolas com surto Covid | Valongo e Guimarães

716
0

Escola em Guimarães com 55 alunos e 20 professores em quarentena devido a casos de Covid-19

Dois alunos da EB 2,3 Egas Moniz, em Guimarães, distrito de Braga, acusaram positivo para a covid-19, uma situação que colocou em quarentena duas turmas e cerca de 20 professores, disse hoje à Lusa a diretora do agrupamento.

Segundo Rosalina Pereira, diretora do Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda, a escola vai recorrer ao ensino à distância para assegurar a continuidade das atividades letivas.

Os casos positivos foram identificados na sexta-feira, tendo no domingo as autoridades de saúde determinado que os cerca de 55 alunos das turmas e os professores fossem colocados em quarentena.

Hoje, os alunos e os professores em questão já não foram à escola.

“As aulas vão, entretanto, funcionar no regime de ensino à distância, que já foi testado no último ano letivo”, referiu Rosalina Pereira.

Anteriormente, já tinha sido registado um caso positivo na Secundária Francisco de Holanda, o que obrigou a colocar em isolamento um professor e 28 alunos de uma turma.

Neste caso, a quarentena termina na quarta-feira.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.957 pessoas dos 74.029 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


Escola em Valongo com turma e professor em quarentena após caso positivo de coronavírus

Um aluno do primeiro ciclo do Agrupamento de Escolas Vallis Longus, em Valongo, acusou positivo para a covid-19, o que colocou a turma de 22 crianças e o professor em quarentena, disse esta segunda-feira à Lusa o diretor Artur Oliveira.

Segundo o responsável do agrupamento, a turma do 1.º ano da Escola do Calvário, Valongo, no distrito do Porto, “está de quarentena em casa” depois daquele agrupamento ter sido informado “pelos familiares do aluno” de que este estava infetado.

“Seguimos as instruções da autoridade de saúde e as crianças foram mantidas em casa. A infeção não aconteceu em contexto escolar, mas sim porque os pais da criança estão, também, infetados”, frisou.

Ainda segundo Artur Oliveira, “há mais dois alunos infetados, também em contexto familiar, em duas turmas da EB 2,3 Vallis Longus, e que foram detetados na semana passada pelas respetivas famílias, que alertaram para o efeito, pois já havia casos de infeção nesse contexto”.

Em causa estão dois alunos, um do 6.º e outro do 9.º ano, disse o responsável, precisando que, nestes casos, a autoridade de saúde “autorizou que as aulas presenciais continuassem sob vigilância de temperatura duas vezes por dia”, por considerar “tratar-se de um contágio de baixo risco”.

A direção do agrupamento enviou, entretanto, uma comunicação aos encarregados de educação, na qual alerta para uma recomendação da Comissão Municipal de Proteção Civil “para que a regra de utilização de máscara pelos alunos se estenda, pelo menos, até um raio de 300 metros da escola”.

“Essa regra deve, também, ser aplicada a docentes, não docentes e encarregados de educação”, lê-se ainda no comunicado a que a Lusa teve acesso.

Fonte: CM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here