Home Escola Eis a prova que existe uma GREVE NACIONAL às Avaliações a partir...

Eis a prova que existe uma GREVE NACIONAL às Avaliações a partir do dia 4 de junho

4070
3

A comunicação social não ligou nenhuma e muitos são os professores que estão a colocar em causa se o Sindicato de Todos os Professores é uma sindicato legalizado e se existe um efetivo pré-aviso de greve que inclua TODAS as reuniões de avaliação, de TODOS os anos e para TODO o país.

Ficam as provas:

(carregar na imagem para aceder a todo o documento)

Pré-Aviso de Greve

Ficam também os esclarecimentos do STOP, retirados da sua página de Facebook


1ª E AS REUNIÕES QUE COMEÇAM DEPOIS DE 15 DE JUNHO?
O pré-aviso de greve (entregue dia 25 de maio de 2018) pretendeu garantir os 5 dias úteis de antecedência exigidos por lei para o calendário destas primeiras reuniões de avaliação. Por exemplo se os colegas do 1º ciclo ou do pré-escolar demonstrarem que querem realizar uma greve semelhante para o seu calendário de reuniões após o 15 de junho obviamente que poderão contar com o nosso/vosso sindicato S.TO.P.

2ª MAS NÃO HÁ SERVIÇOS MÍNIMOS PARA AS REUNIÕES DE AVALIAÇÃO?
Só haverá serviços mínimos se o governo solicitar ao tribunal e SE o tribunal considerar que neste caso se aplicam serviços mínimos. Ou seja, à partida não estão definidos serviços mínimos para as primeiras reuniões de avaliação porque estas não comprometem exames ou provas de caráter nacional que tenham de se realizar na mesma data em todo o território nacional.

3.° SÃO PRECISOS 10 DIAS ÚTEIS DE ANTECEDÊNCIA PARA MARCAR UMA GREVE NA EDUCAÇÃO? Na área da Educação são necessários 5 dias úteis de antecedência como se pode verificar aqui no artigo 396.° e 397.º da LEI 35/2014 DE 20 DE JUNHO (Lei da Greve da Função Pública) desde que não comprometa exames ou provas de carácter nacional que tenham de se realizar na mesma data em todo o território nacional (pedimos um parecer do nosso gabinete jurídico para esclarecer eventuais dúvidas): https://dre.pt/pesquisa/-/search/25676932/details/maximized

4.° O SINDICATO QUE CONVOCOU ESTA GREVE ESTÁ LEGALIZADO? O novo sindicato de [email protected] @s [email protected], S.TO.P., está legalizado desde 15 de fevereiro de 2018 como se pode verificar nesta publicação do boletim do trabalho e do emprego: http://bte.gep.msess.gov.pt/completos/2018/bte6_2018.pdf

5.º PARA FAZER A GREVE CONVOCADA PELO S.TO.P. TEM QUE SE ESTAR SINDICALIZADA NESSE SINDICATO?
Não, como o S.TO.P. é um sindicato nacional [email protected] @s docentes (do continente às ilhas) podem fazer a greve convocada pelo S.TO.P. (independentemente se são sócios ou não do S.TO.P. ou se são sócios de outros sindicatos). Ou seja, [email protected] @s docentes podem fazer a greve às reuniões de avaliação a partir de 4 de junho (como aliás tem acontecido sempre no passado em que muitos professores fazem greve sem estarem sindicalizados aos sindicatos que a convocaram).

3 COMMENTS

  1. Os sindicatos? Andam a trabalhar para a divisão dos professores.
    Porque a greve não é igual para todos os docentes?
    Todos são coniventes numa das maiores embrulhadas da carreira docente: Já não bastava as horas no primeiro ciclo serem de 60 minutos enquanto nos outros são de 50 (porquê?), os horários de 25 horas enquanto nos outros de 22 horas (de 50 minutos, tipo Coreia do Norte!!) agora o calendário contempla mais 3 semanas de atividades letivas. Porquê?
    Claro que assim cada grupo terá a sua greve conforme o calendário.
    Quem ganhará? O governo.
    Vêm agora com uma greve por encomenda para que não dê muito prejuízo! Façam um favor, deixem de se servirem dos professores.

  2. quando um politico deputado ministro não sair de casa pq há greve aceito. se não conseguirem ir trabalhar e phuderem-lhe o salario aceito greve. ate la é só birros

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here