Home Notícias Diretores das escolas ameaçam demitir-se!

Diretores das escolas ameaçam demitir-se!

2347
5

Aleluia! Finalmente vejo um murro na mesa com a violência que julgo ser suficiente para começar a abanar algumas crenças instituídas no Ministério da Educação. A crença que os diretores são meros “paus mandados” da Tutela e só comem e calam! Alguns até serão, mas tal como diz a notícia, existe um desconforto e acima de tudo saturação com a forma como são tratados e consequentemente os “seus” professores.

Tudo, mas tudo é atirado para cima das suas costas, são eles que têm de resolver problemas que o Ministério da Educação teima em não resolver, por vezes bastaria apenas deixarem as escolas em paz, deixarem as pessoas trabalhar…

No dia que os diretores passarem das palavras aos atos e começarem a demitir-se em bloco, talvez aí comecem a ganhar a força que precisam para mudar procedimentos e velhos hábitos.

Os diretores não são Santos e por diversas vezes os critiquei e continuarei a fazê-lo, mas sou o primeiro a reconhecer a dureza do cargo e o sentimento de impotência e injustiça que muitos devem sentir.

Muitos parabéns por (finalmente) terem dito aquilo que muitos sentem. Digam-no agora, se ainda não o fizeram, nos locais próprios, olhos nos olhos com o Ministro e respetivos secretários de Estado.

Não é fugir, nem ameaçar que vão fugir, é reconhecerem que são humanos, que existem limites, que também têm direito a ter vida própria, tal como os professores.

Fica a notícia.


 

Sem parar desde março, alguns diretores sentem-se exaustos e ponderam abandonar o cargo que os obriga a estar alerta 24 horas por dia para garantir o funcionamento, em segurança, das escolas durante a pandemia de covid-19.

Manuel Pereira trabalha, em média, 15 horas por dia. Fátima Pinto não consegue contabilizar o tempo, mas sente que o “dia não chega para tudo”. Jorge Saleiro já recebeu comunicações às duas da manhã. Irene Louro ainda tem 21 dias de férias para gozar e Carlos Louro está agora “de férias” a trabalhar na escola. Histórias de diretores que começam a acusar os efeitos de quase nove meses de gestão sob a ameaça diária do novo coronavírus.

“Os diretores estão muito cansados até porque, além do trabalho, existe uma enorme pressão para que corra tudo bem. É muito extenuante e vários colegas têm-me confessado o desejo de abandonar o cargo”, adianta o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE).

Manuel Pereira é também diretor do Agrupamento de Escolas General Serpa Pinto, em Cinfães, e passou a ser normal trabalhar 15 horas por dia, até porque “90% do serviço” atual está relacionado com a covid.

Os diretores são responsáveis por agrupamentos onde circula mais gente do que em muitas terras do país: em Loures, por exemplo, Irene Louro dirige uma “aldeia” com 2.400 alunos, cerca de 220 docentes e 130 funcionários; em Elvas, Fátima Pinto lida diariamente com os problemas de 1.500 estudantes e, em Barcelos, Jorge Saleiro tem a seu cargo 2.200 crianças e jovens.

A estes alunos é preciso somar professores, funcionários e encarregados de educação e uma pandemia.
“Neste momento, temos duas escolas a funcionar em simultâneo: a escola normal e a escola covid”, explicou Irene Louro, diretora do Agrupamento n. 2 de Loures.

QUANDO A COVID-19 CHEGA ÀS ESCOLAS

O seu agrupamento já identificou cerca de 30 situações de infeção, mas nenhuma ocorreu em elementos da comunidade escolar. “Foram casos que surgiram nas famílias. Uns foram a mãe, outros a explicadora ou o avô…”, contou, lembrando, no entanto, que estes casos obrigam a acionar uma intrincada operação, desde logo recolher informações junto da família afetada para poder avisar os serviços de saúde.

Para o delegado de saúde, “segue uma folha Excel com dados variados e até uma planta da sala de aula onde o aluno se senta e contactos telefónicos das famílias”, explicou.

As autoridades de saúde decidem quem fica em isolamento profilático, mas são as escolas que informam as famílias.
“Já recebi comunicações às duas da manhã e às sete estava a enviar avisos aos encarregados de educação para que não trouxessem os alunos para a escola”, contou o diretor do Agrupamento de Escolas de Barcelos.
Este trabalho obriga a “uma disponibilidade de 24 horas por dia, porque os contactos com as autoridades de saúde não têm hora marcada”.

No seu agrupamento, “têm surgido casos de covid”, mas Jorge Saleiro garante que “a situação não é alarmante”.
No Alentejo, a situação não é muito diferente. No agrupamento de Elvas, “todos os dias há casos” e por isso os telefonemas com a responsável da Proteção Civil – que faz a ligação entre a escola e o delegado de saúde – já fazem parte da rotina de Fátima Pinto.

A carga do telemóvel da diretora do agrupamento de Elvas “agora só dura para meio dia”. Mas o pior, desabafou, é a sensação de “o dia não chegar para fazer tudo” desde que surgiram os primeiros casos em Portugal.

Quando um professor adoece ou fica em casa em isolamento profilático, a escola tem de arranjar alternativa para não prejudicar os alunos. “Às oito da manhã temos de ter o problema resolvido”, relatou.

Nesta missão, os diretores são unânimes em salientar e aplaudir o trabalho de toda a comunidade escolar: “Não são só os diretores que estão cansados. Todo o corpo docente está esgotado”, lamentou Fátima Pinto. “Toda a gente está a trabalhar mais horas e a levar trabalho para casa. Há uma generosidade e entrega ao compromisso de continuar a ensinar, mas a fadiga já é grande”, corroborou Carlos Louro, diretor do Agrupamento de Ponte da Barca.

DOCENTES SEM TEMPO PARA A FAMÍLIA OU A VIDA PESSOAL

O trabalho não parou desde março, quando o ensino passou a ser feito à distância. Os professores tiveram de se adaptar às novas tecnologias e até andar à procura dos alunos “desligados” das aulas ‘online’.

Em Ponte da Barca, por exemplo, havia “quase 300 alunos sem computadores nem Internet”, disse Carlos Louro, lembrando que além de cederem os equipamentos da escola, andaram a “bater às portas” dos municípios e empresas para conseguir que todos estivessem “ligados”.

Todos os diretores recordam o trabalho colaborativo entre docentes, a disponibilidade para dar formação a colegas e até para irem a casa das famílias ensinar alunos e pais a usar os computadores e plataformas.

“Nós, professores, chegámos a casa dos pais com uma rapidez estonteante. Foi tão rápido que até nós nos surpreendemos”, lembrou Fátima Pinto. A pandemia obrigou a criar, apenas num fim de semana, a tal “escola covid” mas também foi preciso “acalmar os pais”, recordou o presidente da ANDE. Coube aos professores, muitas vezes já com alguma idade, a tarefa de tranquilizar as famílias.

“Os docentes e assistentes operacionais são uma classe bastante envelhecida, que também têm uma família e também têm medo”, lembrou Manuel Pereira, diretor com 63 anos. Irene Louro, de 60 anos, admitiu que o que sente mais falta é do tempo que antes tinha para se poder dedicar ao papel de avó.

Fonte: Expresso

5 COMMENTS

  1. “Segurem-me se não eu bato…” Estou para ver…. Nem um se demitirá! Querem apostar?
    Durante uns tempos, foram estimados pela tutela para porem em prática, sem questionar, uma série de medidas lesivas para os professores e para a escola. Foram paus mandados, mas sentiam-se nos píncaros…
    Agora, já perceberam que a tutela os trata abaixo de cão. Continuam a ser paus mandados, mas sem qualquer respeito por parte de ninguém!
    Têm o que merecem. Se não estão bem, mudem-se. Não faltará quem os substitua e com melhor competência.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here