Início Escola Desafios Do Ano Escolar: Ver, Imaginar, Criar

Desafios Do Ano Escolar: Ver, Imaginar, Criar

143
1

No início de mais um ano escolar, e num tempo de almejada renovação da educação em Portugal, importa refletir sobre os desafios que se colocam às escolas. Entre muitos passíveis de serem enunciados, destaco sete, que sucintamente explicito:

  1. Num sistema tendencialmente cego, é imperativo atender à singularidade, diversidade e heterogeneidade dos alunos.
  2. Isto implica elevar a eficácia do diagnóstico pessoal de cada aluno, equacionar formas mais flexíveis e eficazes de os agrupar, de lhes alocar docentes, de gerir os tempos e os espaços escolares para, assim, podermos também recorrer a estratégias de ensino e de avaliação que não deixem ninguém para trás;
  3. Romper com as rotinas paralisantes. Há uma imagem de escola e de professor na qual fomos sendo socializados e que tem vindo a contribuir para a cristalização das práticas escolares. Este facto acaba por minar, em muitas escolas, qualquer tentativa de inovação, procurando-se a manutenção da velha ordem. O desafio é o de ousarmos sair da nossa zona de conforto (que é, quase sempre, uma zona de paralisia) e percebermos as inequívocas vantagens, para professores e alunos, de desenharmos novos mapas mentais;
  4. Criar comunidades profissionais de aprendizagem. Cada escola deve ser uma comunidade de aprendizagem, ou seja, um local onde todos aprendem: alunos, professores e funcionários. Mas para tal, é importante criar tempos e espaços para que as pessoas se conheçam e se reconheçam, construindo condições para um trabalho colaborativo que a todos enriqueça. Aprender e desaprender juntos é uma condição essencial de renovação e metamorfose;
  5. Dar sentido ao trabalho escolar. As escolas, mais do que qualquer outra instituição, deveriam ser organizações inteligentes. No entanto, ainda assistimos, em muitos casos, a um défice de pensamento estratégico e a uma ausência de questionamento que impedem o seu crescimento e desenvolvimento. Será importante que cada vez mais as escolas se questionem sobre o sentido do trabalho que é proposto aos alunos, mas também aos docentes, sob pena de se tornarem organizações paralíticas e acríticas e falharem, portanto, na sua missão central;
  6. Criar e manter uma cultura de avaliação sistemática. Os processos de auto-avaliação das escolas são centrais para uma tomada de decisão informada e eficaz. O desafio é o de instituir processos de avaliação que, mais do que servir para construir gráficos e estatísticas, tornando-se um fim em si mesmos, sirvam as pessoas e as organizações, promovendo uma reflexão sistemática e a adoção de práticas mais eficazes. Avaliar para compreender, para conhecer e para melhorar é uma dimensão essencial do desenvolvimento das organizações educativas;
  7. Abrir-se às forças vivas da comunidade local. Uma escola será tanto melhor quanto mais tiver a capacidade de se inserir territorialmente, abrindo-se a uma cooperação saudável com outras instituições de educação e formação locais que possam potenciar a sua ação e a sua eficácia. Este pode ser o outro nome da autonomia, isto é, uma interdependência que faz das escolas motores solidários do desenvolvimento local;
  8. E, por fim, mas talvez o mais importante dos desafios, será o de assumir uma profissionalidade docente consciente, que liberte os professores de uma ordem vassálica e lhes permita ser autores e criadores de oportunidades de aprendizagem mais bem-sucedidas para todos. Isto significa, entre outras coisas, assumir a liberdade de criação e de libertação de uma ordem centralista que, sob a capa da autonomia e flexibilidade, coarta as possibilidades de desenvolvimento.

Estes são alguns dos desafios que farão das escolas “comunidades educativas”, dos professores sujeitos mais autores do seu destino e dos territórios locais dinâmicas mais promissoras de realização humana e social.

Fonte: Publico

COMPARTILHE

1 COMENTÁRIO

  1. Esta conversa da treta” escola arcaica e cristalizada”, inovação e ”quejandos” vem, por norma, dos mesmos lados de uma certa universidade confessional da Cidade Invicta… Já não há paciência para aturar tanta prosápia de quem pensa que tem a ciência infusa na área das ciências da educação…
    Eles , os sábios do pensamento moderno e inovador, estão do lado bom da força, os outros,uma larga maioria de professores, são o lado obscuro que tenta minar os ”amanhãs que cantam” de uma minoria predestinada… O problema do ensino em Portugal são sempre de más práticas levadas a cabo por professores reaccionários e avessos à mudança… Nesta visão tão boa querem ignorar o que dizem os estudos,no âmbito da Sociologia da Educação, e da relação directa entre meio económico e desempenho académico ! E é assim em Portugal e na amada Finlândia, podem-se minorar os efeitos da proveniência social através da intervenção académica, mas, para isso, era necessário também dispor dos recursos disponíveis pelos países do norte da Europa e a mentalidade dos seus cidadãos… Provavelmente lá os académicos também não tentam criar uma permanente acrimónia com os professores, nem argumentar que a questão metodológica, que é apenas uma opção, é o alfa e o ómega do sucesso ou insucesso académico!
    Esta má vontade para com os professores por gente que , por norma, não põe os pés numa sala de aula é sintomático de que os docentes portugueses têm bom senso, não se deixam enredar em pseudo-ciência, que rejeitam práticas e discursos gongóricos, que têm muita intenção mas pouca substância; que sabem a diferença entre inovação e simples tentativas de mudança metolológica patrocinadas por indivíduos, ou grupos, que parece que descobriram agora o Freinet ou o Movimento da Escola Moderna. Deviam saber que os professores, como profissionais qualificados, têm autonomia pedagógica, friso muito, autonomia pedagógica, consagrada no artigo 5º do Estatuto da Carreira, cito, alínea C :
    ” O direito à autonomia técnica e científica e à liberdade de escolha dos métodos de
    ensino, das tecnologias e técnicas de educação e dos tipos de meios auxiliares de ensino
    mais adequados, no respeito pelo currículo nacional, pelos programas e pelas orientações
    programáticas curriculares ou pedagógicas em vigor;”.
    O desgosto de alguns é que uma boa parte os professores tem juízo, não professa na sua igreja, nem embarca em projectos mirabolantes carregados de demagogia…
    Ainda bem que pensam por sua cabeça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here