Home Concursos Criação de um grupo no facebook e petição sobre injustiças no concurso...

Criação de um grupo no facebook e petição sobre injustiças no concurso de técnicos especializados

96
0

A questão dos técnicos especializados que foram vítimas dos vazios legais e que de um momento para o outro ficaram desempregados, já foi divulgada nesta casa num artigo publicado em setembro No vazio legal dos concursos, confunde-se técnicos com professores e há sempre alguém que se lixa…, do qual podem consultar a resposta da DSCI aqui e a opinião da advogada do ComRegras Dra. Elisabete Leal Sobre as confusões na colocação dos técnicos nas escolas. Devo avançar para tribunal?

Os colegas não ficaram quietos e criaram uma página no facebook para todos os que se sentem injustiçados, além de uma petição para quem quiser assinar. Fica aqui o destaque merecido para uma causa justa e que tem passado despercebida.

Grupo do facebook

Profissionais penalizados pelo art.º 18.º do DL 132/2012, de 27 de junho

Petição

Para: Presidente da Assembleia da República; Ministério da Educação e Ciência; Secretaria-Geral do Ministério da Educação e Ciência; Direção-Geral da Adminstração Escolar; Inspeção Geral da Educação e Ciência; Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares

O artigo 18.º do DL 83-A/2014 [1] (nova redacção do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho [2]) define que um candidato que não aceite um horário fica impossibilitado de ser colocado em qualquer horário durante todo o ano letivo.

Apesar disso, no momento de “não aceitar” o horário, o sistema informático da DGAE (SIGRHE) não alerta o candidato sobre estas implicações, sendo que um simples clique leva a que o candidato fique um ano inteiro sem trabalho, sem poder exercer funções no ministério da educação.

É lamentável que largas centenas de docentes, técnicos especializados e outros profissionais fiquem sem poder trabalhar durante todo um ano letivo, apenas porque desconhecem este pormenor legislativo que, legislado em 2012, foi aplicado apenas em 2015, de forma inesperada para os profissionais, com total quebra do princípio de confiança.
Todos os candidatos concorrem a diferentes horários que surgem ao longo de meses, numa frequência e intensidade não previsíveis. Naturalmente, por não serem simultâneos, a escolha prioritária vai mudando à medida que novas e/ou melhores ofertas surgem. Dentro dos horários para os quais são seleccionados, todos os candidatos deverão ser livres de escolher a escola/localização geográfica que preferem, em vez de terem obrigatoriamente de escolher o horário para o qual foram mais rapidamente escolhidos.

Esta legislação impede alguns profissionais competentes e experientes, que ficam no topo das classificações, de exercer durante todo o ano letivo.
Esta legislação aumenta a rotatividade de profissionais, uma vez que obriga a que os candidatos aceitem propostas que não pretendem, por serem as primeiras, mesmo que a oferta da escola do ano anterior entretanto seja disponibilizada.
Esta legislação aumenta o número de denúncias em período experimental, uma vez que os profissionais, após aceitarem, irão terminar o contrato assim que tiverem uma melhor oportunidade.
Esta legislação aumenta o tempo que cada escola perde nos concursos, dado o aumento de denúncias.
Esta legislação prejudica o aluno, uma vez mais dificilmente terá a continuidade do trabalho assegurado pelo mesmo profissional.

Este artigo prejudica assim todo o sistema educativo, sem existir uma vantagem objetiva.

Pelo exposto pedimos que esta legislação seja retificada com efeitos imediatos.

[1] http://www.dgae.mec.pt/c/document_library/get_file?uuid=4801ec3b-c0ff-43a1-8c62-0ae156a156a6&groupId=10136
[2] https://dre.pt/application/dir/pdf1sdip/2012/06/12300/0325703270.pdf

Pode assinar aqui.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here