Home Escola Como combater a propagação do vírus na escola, mesmo com o uso...

Como combater a propagação do vírus na escola, mesmo com o uso de máscara

1654
0

A informação é poder e neste estudo existe uma solução bastante eficaz para a diminuição do contágio dentro da sala de aula, pois ao contrário do que é dito, nem mesmo o uso de máscaras impede a propagação do vírus a 100%.

De leitura obrigatória para professores e diretores de escola.


As investigações sobre como se propaga o novo e poderoso coronavírus continuam em curso. A ciência parece confirmar que a transmissão por objetos não é muito comum, mas tal pode acontecer de acordo com as situações e medidas adotadas.

Com as aulas a decorrer, é importante que se saiba como é que o coronavírus se propaga. Aqui fica uma simulação para uma sala com 24 alunos. Será que estamos a fazer tudo para nos protegermos?

Como têm indicado as entidades de Saúde à escala mundial, os espaços fechados são mais favoráveis para a propagação do novo coronavírus. Os riscos podem ser minimizados com a adoção de todas as medidas aconselhadas, que assim ajudam a combater o contágio por aerossóis. Para se perceber melhor como tudo funciona, o ElPais criou um conjunto de elementos gráficos que mostram como o novo coronavírus se propaga.

Antes de se passar ao exemplo é importante que se saiba a diferença entre aerossóis e gotículas. Na prática, os aerossóis são partículas inferiores a 100 micras de diâmetro que podem ficar “no ar” durante horas. As gotículas são partículas superiores a 300 micras que “vencem” a resistência do ar e “caem” no solo em segundos.

A emissão deste tipo de partículas acontece quando falamos, gritamos, cantamos, espirramos, etc. Quando falamos emitimos 10x mais partículas respiratórias que em silêncio. Quando gritamos o valor sobre para 50x mais.

Como se espalha o coronavírus numa sala de aula com 24 alunos?

No artigo publicado pelo ElPais existem 3 exemplos. Para este artigo vamos considerar o exemplo de uma sala de aula com 24 alunos? Vamos considerar que existe alguém infetado (por exemplo, o professor que é considerado como paciente 0). A aula começa às 9 horas e não existe nenhum tipo de ventilação.

Passadas duas horas, sem qualquer tipo de medida contra aerossóis, a probabilidade matemática indica que podem ter sido contagiados 12 alunos.

Se todos os alunos tiverem máscara, apenas 5 pessoas poderão ficar infetadas. De referir que a sala, neste cenário, não é ventilada.

Se, por exemplo, ventilarmos a sala às 10h, a probabilidade de infeção baixa significativamente.

Todas as simulações tiveram como base este simulador que foi desenvolvido por um grupo de investigadores. Obviamente que existirão muitas variáveis pelo meio, mas é fundamental que os espaços sejam ventilados e que as pessoas usem sempre máscara.

Use sempre máscara, lave com frequência as mãos, não se esqueça da etiqueta respiratória e instale a app STAYAWAY COVID. Protejam-se!

Fonte: Pplware

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here