Home Notícias Alexandra Leitão “Enterra” Questão Do Tempo De Serviço E Quer Premiar Assiduidade...

Alexandra Leitão “Enterra” Questão Do Tempo De Serviço E Quer Premiar Assiduidade Dos Funcionários Públicos

4586
2

A Sr.ª Ministra que foi promovida pelo seu excelente desempenho no roubo aos professores, assume agora que o tempo de serviço docente está enterrado para este Governo. Não se trata de uma novidade, mas sim de uma confirmação que o argumento que a recuperação do tempo de serviço não constava do plano eleitoral do anterior Governo, foi apenas uma desculpa esfarrapada.

Alexandra Leitão assume o roubo com uma leviandade própria de quem tem as costas quentes. Podia existir algum pudor ao abordar esta questão, até porque foi graças ao seu “brilhante” desempenho com os professores que Alexandra Leitão recebeu a promoção que recebeu, devendo por isso estar grata aos professores e ao seu sacrifício, pois são estes, bem como o resto da população portuguesa que agora estão a pagar o seu ordenado e o mais dispendioso Governo de que há memória…

Sobre a assiduidade dos funcionários públicos, não deixa de ser irónico que a Ministra reconheça que o envelhecimento da função pública é uma realidade, mas ao mesmo tempo dá a entender que os funcionários públicos são uns “baldas”, sendo necessário criar incentivos à sua assiduidade. Mas tenho uma novidade para a Sr.ª Ministra, faltar é penalizador no vencimento dos funcionários públicos e só quem não estiver bom da cabeça é que prefere ficar doente, reduzindo o seu vencimento, em vez de ir trabalhar.

Mas fica aqui mais uma novidade para Alexandra Leitão e para quem não tem a mínima noção da realidade, existem muitos, mas mesmo muitos funcionários públicos que trabalham com enorme sofrimento, com quadro clínicos bastante graves, pois sabem que não podem abdicar dos baixos salários que recebem e ficar em casa de “papo para o ar”. E quem lhe escreve fala com conhecimento de causa e não para fazer figura ou para ganhar uns “likes”…

Fica provado mais uma vez que existe uma ideia por parte dos iluminados governantes, que os funcionários públicos são uns malandros, um estorvo à economia nacional e que não merecem aquilo que é seu, nomeadamente a recuperação do seu tempo de serviço. Continua a existir um desfasamento gigantesco entre o gabinete ministerial e a realidade, bem como uma falta de sensibilidade para não dizer vergonha na cara, quando no mesmo dia sai a notícia que para o Novo Banco vão mais 1,1 milhões de euros.

Novo Banco penaliza défice em 1,1%

E depois existe toda a questão de imagem, onde até as fotografias pretendem mostrar um lado doce, simpático e que até pode ser verdadeiro, mas para quem esteve à frente de um roubo e que agora prepara-se para atacar novamente, sorrir nas fotos não lhe fica lá muito bem… Mas como sou um dos visados, o problema é seguramente meu…

Alexandre Henriques

 

 

Alexandra Leitão: “Este é um ministério de acção”

Alexandra Leitão vai fazer a “coordenação” e a “orientação” de todas as negociações sindicais da função pública, acompanhando mesmo as das carreiras especiais. Quer que os aumentos salariais sejam negociados num programa plurianual, que inclua critérios como a pré-reforma, assiduidade e a formação profissional.


“Não são só os professores que são uma classe envelhecida, é transversal a toda a administração

Sobre o reconhecimento integral do tempo de serviço nas carreiras especiais, a ministra garante: “Esse assunto, para o Governo, está encerrado.”


Governo vai premiar funcionários públicos que faltem menos dias

A criação do Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública foi uma das novidades do novo Governo de António Costa. Para esta pasta o primeiro-ministro escolheu Alexandra Leitão que antes era secretária de Estado da Educação.

Numa entrevista ao jornal Público, Alexandra Leitão afirma que “este ministério não pode ser simbólico, nem de pensamento ou de estudos. Este é um ministério de ação. A ideia é mesmo fazer mais coisas”.

E que coisas pretende fazer a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública? Uma delas é negociar com os sindicatos um acordo com metas plurianuais e a outra é premiar os funcionários públicos que faltem menos dias.

Gostaria muito que conseguíssemos negociar com as frentes sindicais um pacote plurianual, que meta várias coisas. Além das valorizações salariais, coisas que têm a ver com o rejuvenescimento utilizando a figura da pré-reforma, que têm a ver com incentivos à assiduidade, que foi algo que já existiu e que caiu no tempo da troika”, afirma Leitão.

A ministra acrescenta ainda que “na medida em que temos uma taxa de absentismo muito elevada, se é verdade que ela pode ser atacada através das juntas médicas, também um incentivo à assiduidade é importante. Outra coisa muito importante é fornecer, a custo do Estado, formação nas áreas em que as pessoas precisam. Portanto, fazer aqui um pacote plurianual de valorização dos trabalhadores de emprego público, que não tem só a componente salarial e que tem também rejuvenescimento, assiduidade, formação”.

2 COMMENTS

  1. Esta é a senhora que diz o seguinte: olhai para o que eu digo e não para o que eu faço. Querem um exemplo: defende a escola pública, mas os seus filhos estudam em escola privada… desculpando-se que não existe na escola pública um projeto que quer para os seus filhos…. mas esta senhora não foi secretária de estado da educação? Outro exemplo: vai querer fazer a alteração do estatuto docente do ensino Básico e secundário, mas não deveria começar pelo ensino superior onde a balda, a pouca assiduidade e a falta de competência pedagógica é abismal? Pois é daqui que vem esta senhora …. do ensino superior…onde num dia há aulas, no outro… logo se verá. Já agora: o tempo de recuperação dos professores só será um assunto encerrado se os professores quiserem…. por fim, os portugueses não se podem esquecer que o PS é o campeão da destruição da escola pública e das diferentes classes profissionais públicas…por outro lado é o partido dos primos e como deu tanto nas vistas recentemente, para continuar a ser o dono do estado, começa por dar o exemplo criando o governo mais caro da democracia portuguesa, ou como dizem os liberais… de governo comprimos, passou a a governo comprido.

    Já agora…. já outro governo PS tentou destruir a escola pública…. e agora o PM desse governo está a ser julgado por corrupção. E quem era o braço direito desse senhor? O atual PM. Tenha vergonha na cara.

    • Subscrevo todas as suas palavras. Acrescento esse canalhas só estão no governo porque os professores e a restante função pública quis. Se todos os funcionários públicos e seus familiares votassem noutro partido esta porcaria estaria noutro local. Em tribunal ainda veremos este lixo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here