Home Escola A doença, as escolas e a democracia – Santana Castilho

A doença, as escolas e a democracia – Santana Castilho

182
1

1. A luta contra a doença não pode ser feita suspendendo a luta pela democracia e substituindo o Estado de direito pelo estado de emergência. Outrossim, só a articulação das duas lutas conquista a confiança dos cidadãos, evita que a coesão social se esboroe e dispensa o mundo que estamos a construir: uma comunidade vigiada por polícias, sob sucessivas limitações de liberdades, direitos e garantias, para combater um vírus que só se debela com organização e conhecimento.

Expurgando-os da retórica, os discursos políticos do Presidente da República e do primeiro-ministro têm sido para dizer que a propagação da doença é culpa dos que adoecem, apesar da singularidade de o poder legislativo ter sido entregue ao poder executivo, que dele passou a fazer pau-mandado, via o sempre-em-pé estado de emergência, já oficiosamente admitido até ao outono.

2. Com os mortos cada vez em maior número e a proximidade do caos diariamente anunciada nas televisões, o encerramento das escolas era inevitável, sem tempo nem espaço para discutir os prós e os contra da decisão. Sabendo-se que a adequação de qualquer medida exige a análise das variáveis que a possam justificar, no caso em apreço não eram só os modelos matemáticos dos epidemiologistas que importavam. Deveriam, igualmente, ter sido consideradas evidências de longa data, no domínio da psicologia, social e cognitiva. Mas não puderam ser, pela pressão política que referi. Assim, quem decidiu não considerou que para muitas crianças, do ponto de vista alimentar, físico e mental, a escola é um local onde estão mais seguras do que em casa. Nem considerou as repercussões futuras, graves, no desenvolvimento das crianças e jovens, motivadas pela supressão abrupta da socialização de que tanto necessitam nas idades em que estão. Muito menos tomou a sério o desespero que essas crianças e esses jovens sentem, pelo desespero que importam do desespero vivido pelos seus cuidadores.

3. É evidente que o Governo perdeu o controlo da situação em matéria de Saúde e por aí arrastou as escolas para a capitulação. A impossibilidade de as fechar, repetidamente afirmada por António Costa (as implicações irreversíveis e os custos no desenvolvimento das crianças assim o determinavam, garantia), esvaiu-se, como se esvaiu a última réstia da sua credibilidade quando nos quis tomar por parvos ou distraídos.

“Ninguém proibiu ninguém de ter ensino online”, disse António Costa na Circulatura do Quadrado de 27 de Janeiro. Como se a 21 não tivéssemos ouvido o comunicado com as decisões do Conselho de Ministros desse dia, que o proibia. Como se declarações bem explícitas do ministro da Educação não tivessem reiterado essa proibição. E como se o artigo 31.º A do decreto n.º 3-C/2021 não tivesse fixado a proibição em forma de lei.

O jurista António Costa achou que o princípio da igualdade lhe dava o direito de prejudicar todos por igual. A proibição que decretou foi, para além de inconstitucional, uma medida escabrosa, porque a protecção da saúde pública seria beneficiada por uma acção que ajudava a manter os jovens ocupados em casa.

4. O que acontecer daqui para a frente não ficará a dever-se à capacidade do Governo para intervir. O seu tempo político foi gasto em mentiras e em bazófias de resultados próximos do zero.

Bem ou mal, todas as escolas desenharam, no início do ano, planos que contemplavam três cenários: o desejável ensino presencial, o ensino de emergência, remoto, por recurso a meios digitais, e o ensino misto, alternando as duas vertentes anteriores. Foi a falta grosseira ao compromisso que António Costa assumiu em 9 de Abril passado (“estou em condições de assumir o compromisso de que, no início do próximo ano lectivo, aconteça o que acontecer, teremos assegurado a universalidade do acesso em plataforma digital, rede e equipamento, para todos os alunos do básico e do secundário”) que ditou a total paragem das actividades lectivas. Não fora estar por fazer o que devia estar feito e ter-se-ia passado à solução menos má, isto é, ao ensino remoto.

A experiência do ensino remoto ou de emergência (que não à distância, como impropriamente é por vezes chamado) no ano passado foi má. Foi geradora de desigualdades, que deixou mais para trás os que já estavam mais atrás. Mas é a única possível, graças à incapacidade do Governo.

Fonte: Público

1 COMMENT

  1. A agenda política tem limites. Já chegam os disparates naturais que o governo pratica alegremente sobre a educação. Podemos esburgar até à saciedade esses disparates que ninguém nos liga nenhuma. É tão fácil que já toda a gente o fez. Dizer que o governo culpa os doentes é falacioso. Culpa aqueles que não cumprem as regras de distanciamento social, culpamos todos nós. São esses que espalham o vírus, contagiam e matam. Se alguém morreu, alguém falhou. O vírus não anda sozinho, somos nós que o transportamos. Mais testes dirão, certo. Mas nada nos garante que felizes da vida, a seguir a um teste negativo, não baixemos as proteções e imprudentes, nos contaminemos e a outros logo a seguir. Não é o governo que anda a disseminar o vírus. Se não houvesse incumpridores não haveria necessidade de medidas de restrições.
    O governo tentou salvar até ao limite as aulas presenciais. Toda a gente sabe que não podem ser substituídas. A única coisa em que o governo deve explicações é em não ter agilizado a tempo os computadores. Mas a sua tese é a de que o E&D deveria ser evitado a todo custo, talvez por isso, em coerência, não tenha gasto prioritariamente o dinheiro dos contribuintes em computadores, na esperança de que esse dinheiro fosse melhor gasto em vacinas, o que era mais premente e mais consentâneo com a salvação de vidas e da economia, mas as mutações do vírus e o incumprimento dos portugueses furaram o plano do governo. O Primeiro Ministro acreditou no Pai Natal.
    Estou à espera do génio de SC aplicado em contendas mais justas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here