Início Rubricas 25 De Abril No Século XXI

25 De Abril No Século XXI

372
1

Infelizmente é assim. Estou cansada de assistir a discursos sobre os afectos e integrações imbecis e a assistir constantemente a agressões verbais e físicas que em nenhum local de trabalho são permitidas. Só nas escolas acontecem sem medidas exemplares serem tomadas. Crianças e pais completamente despenalizados e com total acesso a funcionários e professores. Tenho questionado várias vezes o que aconteceria se a violência a professores sucedesse num banco ou numa repartição de finanças ou até num centro comercial. Impensável é o que respondem.

Pois… Isto é surreal. O que se passou foi evidente, uma total falta de educação e de respeito. Os professores todos os dias são obrigados a engolir as maiores atrocidades, ficar de rastos e seguir para o próximo round. Os alunos que cumprem, sabem respeitar e sabem para que serve a escola. São obrigados a ficar calados para não serem agredidos de múltiplas formas por estas bestas sem escrúpulos a quem tudo é permitido e desculpado. Os pais que exercem realmente a sua função ficam com o coração nas mãos até verificarem se os seus educandos aguentaram mais um dia, sem marcas. A indisciplina e a violência nas escolas é cada vez mais preocupante e ninguém se lembra de saber como ultrapassam tudo isto os Alunos (dignos desta designação), Professores, Funcionários e Encarregados de Educação.

Nada valida o desrespeito pelas figuras de autoridade, muito menos valida a agressão aos mais velhos. Tudo é exactamente o contrário do que sei que tem de ser. Haja paciência e a capacidade de manter a sanidade mental, a meu ver, tarefa muito difícil, quiçá impossível, para qualquer Professor.

Maria do Rosário
Professora do 2º Ciclo do Ensino Básico

“Se isto é o Estado de Direito Democrático com que enchem a boca, eu tenho de acrescentar que quero é que ele se vá estabelecer no extremo da galáxia, atrás do sol-posto, no calcanhar do universo!”
Brandão Ferreira, in Jornal ‘O Diabo’

COMPARTILHE

1 COMENTÁRIO

  1. A geração dos pais que educa os nossos alunos não dá valor à escola e ao conhecimento, por isso não respeita os professores (a primeira coisa que fez o aluno que agrediu o professor no Porto, foi telefonar ao pai). As manifestações da sua formação defeituosa e inconsequente, sucedem-se, agridem médicos, enfermeiros, polícias, treinadores e árbitros, agridem no transito, nas ruas e nas discotecas, fazem festas nas cadeias para mostrar como a vida lá é boa, paga pelos otários dos contribuintes, não lhes falta nada, estão melhor dentro do que cá fora. Só ainda não bateram nos políticos. Pode ser que aí a bolha em que vivem os políticos rebente e caiam na realidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here