Início Escola Um final de ano caótico

Um final de ano caótico

1321
4
COMPARTILHE

Os finais de ano são sempre momentos extremamente trabalhosos para os docentes e com pouco tempo para alinhavar tudo. Este ano, com a greve que está a decorrer, tudo se tornou mais difícil e imprevisível.

Sei que muitos estão a visitar o ComRegras para saber novidades ou obter alguma orientação, o dia de hoje foi fértil em troca de informações e interpretações com inúmeras pessoas: professores, diretores, colegas de outros blogues e S.TO.P. Podia publicar uma série de suposições/interpretações que fui recolhendo ao longo do dia, porém, a prudência aconselha a aguardar mais algumas horas para que as providências cautelares interpostas pelo S.TO.P, indiquem que rumo se deve/pode seguir. Depois de tudo o que ouvi, julgo que só elas podem esclarecer.

Há escolas que estão a optar por recolher as classificações, sem realizar os conselhos de turma por faltar pelo menos 1 professor. Outras referem que existe quórum se 1/3 dos professores estiver presente na reunião.

A informação e contrainformação é total, os diretores estão com muitas dúvidas sobre a forma de proceder. Os sindicatos arrasam o Ministério da Educação e avançam com queixas e providências cautelares. Os professores querem fazer greve, mas têm dúvidas pois a intenção do Ministério da Educação não foi esclarecer, foi baralhar, criar a dúvida e a suspeita. Ninguém escapa e ninguém sabe o que irá acontecer daqui a um ou dois dias…

Sindicato avança com providência cautelar contra orientações do Ministério da Educação

O dirigente do Stop reafirmou que as medidas para contrariar o efeito da greve são ilegais e anunciou que foi entregue nesta terça-feira de manhã uma providência cautelar no Porto, estando em vias de entregar também em Lisboa.

André Pestana acrescentou que foi igualmente apresentada uma queixa à Inspecção-Geral da Educação e Ciência (IGEC).

Fenprof avança com queixa no Ministério Público contra diretora-geral dos estabelecimentos escolares

Uma coisa é certa, os conselhos de turma que sempre foram vistos como um momento de reflexão e de decisão, passaram a ser encarados pelo Ministério da Educação como um ato meramente administrativo. E isso não é aceitável para quem diz que valoriza acima de tudo a Educação e os alunos.

Enquanto professores, convém realçar que estamos conscientes da ansiedade que estamos a criar aos alunos, eu próprio presenciei isso na minha escola. Julgo que não devemos esconder-lhes o que se está a passar, explicar-lhes bem as coisas e dizer-lhes que devem preparar-se para os exames, abstraindo-se desta confusão toda.

E tudo isto podia ter sido evitado, bastava o Ministério da Educação ter cumprido com o compromisso que assinou com os sindicatos.

Alexandre Henriques

339 escolas em GREVE

A atingir as 18 mil assinaturas na ILC

 

COMPARTILHE

4 COMENTÁRIOS

  1. Tenho duas turmas do 12°ano de matemática A. Os meus alunos não estão estressados com a falta das pautas. Estão a estudar para os exames e têm ido às aulas de apoio que tenho dado. Foi-lhes explicado o motivo da greve e o facto de eles não serem prejudicados com a mesma. Estão todos esclarecidos e a estudar!

  2. Colegas: devemos cumprir a ordem de serviço de entregar as notas, mas devemos deixar claro que as notas estão incompletas e são provisórias, pois o processo de avaliação só estará concluído na reunião. Falta por exemplo contar com a auto-avaliação dos alunos ou contar com algum trabalho que ainda está a ser corrigido. É importante que falte quorum na reunião de avaliação.
    Esta é a resposta ao ME que conjetura a nossa intimidação e invertendo as posições coloca-se na posição de nos dar lições:”Os professores julgam que chegaram à Madeira”.
    O mesmo governo, dois pesos e duas medidas:quanto tempo demoraram a ceder a todas as reivindicações dos médicos?

    • Não cumpro ordens de serviço que se sobrepõem a leis, uma vez que se não cumpro a lei posso incorrer em procedimento disciplinar.

  3. …nunca um final de ano foi tão mau e contudo o que transparece é um país de sentosa (acalmia)! era mais que motivo suficiente para este ministro de inducação visitar os esquimós!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here