Início Editorial A SuperNanny mostrou aquilo que os professores há muito dizem

A SuperNanny mostrou aquilo que os professores há muito dizem

44882
22
COMPARTILHE

Já lá vamos à forma, mas para já o conteúdo.

O programa SuperNanny expõe claramente a falência da família. Há anos que os professores se queixam da incapacidade de alguns pais em educar os seus filhos, da sua negligência, da sua cegueira em constatar o óbvio, o óbvio que são pais incompetentes,  mal preparados para a paternidade e que precisam de ajuda.

Ser pai e mãe, não é uma capacidade inata como muitos dizem, é preciso aprender a parentalidade e alguns não têm perfil para aprender, nunca tiveram e não é por serem pais que passaram a ter.

Quando assisto a pais que acusam os professores de incompetência, que os seus filhos são os titulares absolutos da verdade, quando recusam os conselhos dos professores/psicólogos, chegando ao ponto de prejudicarem o sucesso educativo dos seus filhos, estamos perante uma derrota educativa dos filhos, mas também dos pais…

A SIC tem o mérito de ter exposto o que há muito é conhecido pelos professores, mas infelizmente as suas queixas nunca foram ouvidas, verdadeiramente ouvidas. É preciso trabalhar as famílias, a indisciplina que reina nas escolas é uma manifestação evidente da dificuldade dos pais em educar os seus filhos, uma educação que se baseia em muitos direitos e poucos deveres, em poucos nãos e muitos sins, uma educação que é comprada pelos objetos e escasseia em responsabilidade e autonomia.

Faltam meios no terreno para ajudar os pais, falta uma responsabilização efetiva dos pais, falta uma educação parental a tempo e horas, antes do mal se tornar maior e impossível de alterar.

Quanto à forma que a SIC escolheu para “ajudar” os pais, bem…

Será que os responsáveis da SIC aceitariam que entrassem 5 a 10 pessoas casa adentro, filmando os seus filhos, as discussões que têm com estes, as suas lágrimas em grandes planos, expondo-os a milhões de espectadores?

Será que os responsáveis da SIC aceitariam fazê-lo gratuitamente ou vendiam esses momentos privados por cerca de 1000 €? As discussões têm preço? A privacidade tem preço? Quanto valem as lágrimas de uma criança???

Que acompanhamento é que a SIC e a sua SuperNanny irá dar às crianças/jovens que foram violadas na sua privacidade, atiradas aos olhares e comentários de colegas em idade perfeita para fenómenos como o bullying, a exclusão social e afins, durante as próximas semanas/meses?

Que acompanhamento é que a SIC e a sua SuperNanny vão dar, às milhares de crianças que vão tentar reproduzir aquilo que viram na televisão, pois como apareceu na televisão é fixe, é válido, é importante?

O que a SIC fez e o que os pais que já eram incompetentes provaram mais uma vez que o são, foi vender um produto, foi ganhar dinheiro com um produto, um produto que é uma criança/jovem que não tem voto na matéria e que também ela foi comprada pelos seus 15 minutos de fama.

Os danos foram feitos, as marcas vão ficar e apesar das estratégias de sucesso que são transmitidas aos pais terem valor, nada, NADA pode ultrapassar o direito à privacidade e o dever dos pais em protegerem os seus filhos. Onde estarão as SuperNannys e os pais quando o Zé, a Maria, o Manel, gozarem com as novas “estrelas” televisivas? Onde estarão quando estes forem vítimas da inveja de terceiros, da arrogância própria de quem de repente passou a ser famoso e que por isso julga-se mais importante que os outros?

Hoje em dia os professores não podem tirar uma fotografia aos alunos…

Hoje em dia os professores não podem filmar os alunos por motivos pedagógicos (correções de gestos técnicos por exemplo), mesmo que os pais autorizem, existem orientações das “Europas” que o impedem…

Hoje em dia questionamos se as notas devem ser afixadas…

Hoje em dia não é permitido passar uma simples circular com o nome dos alunos castigados para servirem de exemplo aos restantes, tudo em nome da privacidade dos prevaricadores…

Mas em pleno horário nobre, tudo é esquecido, tudo vale e damos de caras com este belo espetáculo mediático, ignorando todos os princípios éticos e de elementar bom senso.

E para todos aqueles que apontam o dedo à exposição mediática das crianças, quantos de vós é que não publicam fotografias e vídeos dos vossos filhos, dia sim dia sim nas redes sociais?

Vivemos numa sociedade com duas faces e com muitos telhados de vidro…

Alexandre Henriques

COMPARTILHE

22 COMENTÁRIOS

  1. Estes é os pais que temos.
    Quando é para armar o menino na ultima Coca cola do deserto, quer seja no Master chef ou em outro programa do género mesmo que isso implique faltar ás aulas , vale tudo ,
    Mas quando é para mostrar a realidade do que nós vimos nas escolas , porque o que se passa com os pais também se passa com auxiliares e professores.
    Ainda hoje na escola onde eu leciono houve uma auxiliar agredida por um aluno.

    • O que é que um concurso como o masterchef tem a ver com o tema? As gravações são aos fins de semana e nas férias escolares…Não recebem dinheiro, apenas um premio final do que mostrou maiores capacidades culinárias, tal como em muitas outras actividades em que são atribuídas classificações… Mesmo na escola se disto guem os melhores…sempre assim será!

  2. Se supernany não ajuda os pais que estão em dificuldade, sofrendo e fazendo sofrer as suas crianças, não com intenção, mas porque não possuem as ferramentas porque provavelmente nunca lhes foram dadas, então o que sugerem os portugueses fazer? Deixar que estas famílias não tenham ajuda de forma nenhuma? Fechar os olhos a este problema de disfunção na educação em casa? Isso para mim é pura ignorância da nossa parte!
    O que sugerem os portugueses para ajudar?
    Este programa pode ser polémico, mas até aqui o que fizemoscomo sociedade para ajudar estes pais e crianças?
    Pelo menos agora fala-se do assunto!
    Eu podia continuar argumentar e a discutir o dia inteiro, por isso fico por aqui. Só peço para que os portugueses reflitam e reconheçam que muitas famílias precisam de ajuda e no que podemos fazer para solucionar o problema!

  3. Mas que disparate viram buscar os professores para esta conversa. Então, também temos que ir buscar todos os outros sectores de actividade do País, onde a má educação faz-se sentir. Sim, porque quem é malcriado na escola, também o é nos outros sítios, e ainda não vi ninguém reclamar disso. Sou TOTALMENTE contra este programa. Os pais não podem, quer seja por dinheiro ou não, expor desta forma o mau feito/má educação dos seus filhos. Se não o conseguem/podem fazer dentro de portas, que procuram ajuda junto das várias especialidades que existem!

  4. Precisamos de investir na educação dos portugueses e não são programas como este que resolvem os problemas; a sua única vantagem será causar debate… Os média têm uma grande responsabilidade no estado da nossa sociedade. A vontade de vender sobrepõe-se à necessidade de informar e contribuir para o aumento da cultura dos portugueses, e enquanto não tivermos essa mais-valia, nada conseguiremos alcançar!

  5. Obrigada pelo texto, Alexandre Henrique. Boa análise. Muita matéria para reflexão. Sou provavelmente das poucas portuguesas que nao viu o programa, nem tenciono vê-lo. Nao quero contribuir para o lixo televisivo e voyeurismo não é comigo.
    Pela polémica instalada, adivinham-se tempos dificeis para estas famílias… Resta a pergunta: quem é responsável por apanhar os cacos???

  6. Realmente o portugues e um pouco ingrato na frança este programa super nany ja existe alguns anos e nunka ouve tanta polemica no masterchef crianças d 8anos pegam em facas grandes sem luva d metal no a minha mae cozinha melhor k a tua ninguem dos adultos ou miudos k por la passa cozinha sem luva tdos sao obrigados a usala…gente critikem as coisas k tem k ser criticadas pa k se resolvem nao critikem pais ou pesoas k precisam ajuda

  7. Falta inventar um programa que vá às escolas educar professores que julguem que o seu papel não é também educar… e aos hospitais mostrar aos seus profissionais como o bom exemplo ainda é a melhor arma para combater muitos problemas de saúde… e podiamos percorrer não sei quantas actividades onde urgem mudanças. Mas retenho-me num simples pormenor: será que algum dia essa tal de supernany vai aconselhar os pais a deixarem de ter e permitir televisões e outros écrans, nomeadamente estes onde estamos agora a ler e escrever, no quarto, tanto deles como das crianças?

  8. “Vivemos numa sociedade com duas faces e com muitos telhados de vidro…” O seu artigo assim tb o demonstra. Elogia por um lado critica pelo outro. A sociedade exige que as crianças sejam bem educadas, mas se alguém toma medidas mais “drásticas” logo é criticado. Disciplina, regras…palavras tão feias. Depois queixam-se e não gostam de se ver ao espelho.

  9. Quem pede a retirada do programa alegando os riscos para as crianças, deixou escapar o risco maior que se abate sobre os pais…é ver por aí, e aqui, o quanto se julga e condena, sem apelo, nem agravo, os pais…é como o mordomo, no fim os pais são sempre os culpados…já dizia o Freud..verdade de La Palice..
    Nem sempre os meios justificam os fins…este programa é telelixo, os supostos conselhos que por lá se dão, não diferem dos que se ouvem no café. E o mais grave é a falta de ética de alguém que se formou em psicologia e que finge que é uma espécie de Ramsay travestido de ama(?). Se a temática da parentalidade, das dificuldades que as famílias e as escolas enfrentam em educar no tempo de hoje realmente interessam que tal começarem pelos horários de trabalho e pelos métodos de ensino…ah pois isso fica para outra altura…

      • A minha crítica recai sobre essa conceção social…veja-se o absurdo que é uma criança passar a maior parte do seu dia, na escola, entre colegas, professores e assistentes, em horários iguais ou superiores aos dos trabalhos dos pais. E claro, as famílias não são todas iguais. Há as que têm maior suporte social, entre avós, amigos; há as que têm maior envolvimento com os filhos e conseguem apoiar o seu desenvolvimento de forma equilibrada, mas é cada vez mais difícil estar disponível, física e emocionalmente, conciliar trabalho, família..O que sei é que a escola queixa-se, as famílias queixam-se, o país queixa-se…e no fim em que ficamos? Numa apatia, num resmungar permanente…Bem haja pro. Alexandre Henriques por ainda tentar sacudir as consciências…

  10. Este é mais um programa mediatico que este canal comprou onda essa ama ,chega de palavres que não são nossas,pensa,acha ,diz,faz, nas casas portuguesas ,enfim quem assiste a este a canal também assiste às suas novelas e outros programas completamente formatados para quem os vê ,e mais não escrevo aqui fica a minha reflexão que moral que superioridade tem esta Sra, quem deve estar presente na educação dos nossos filhos devem ser pais professores catequistas existem canais de TV com muita qualidade…….

  11. Excelente reflexão, está disponível para assistir ?? Saibam que aqui no Brasil a educação desse nicho de famílias vai um pouco pior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here