Início Editorial Serviço Militar Obrigatório Para Alunos Indisciplinados Ou Em Abandono Escolar

Serviço Militar Obrigatório Para Alunos Indisciplinados Ou Em Abandono Escolar

130798
124

Depois do excesso de faltas, depois dos processos disciplinares e dias de suspensão, depois dos pais que não são pais, depois das CPCJ, depois dos internamentos, depois de tudo falhar, o que fazer a parasitas alunos que completam 18 anos e ficam libertos da obrigatoriedade da escola?

Sim, parece um pouco louco, mas será tão disparatado assim? Por que não tornar o serviço militar obrigatório para alunos indisciplinados ou que abandonem a escola e desprezam os milhares de euros que a sociedade investiu neles para os tornar uma mais valia?

Há quem tenha uma imagem do regime militar como um regime de educação à base da violência física e psicológica. Tirando os excessos de alguns, o serviço militar é uma estrutura funcional que consegue dotar os nossos militares de elevados padrões morais e de conduta.

Muitas vezes o que falta a estes alunos é estrutura e estrutura é algo que está no ADN dos nossos militares.

Estes jovens precisam de ser destruídos e reerguidos de novo, precisam de rasgar com o passado e receber uma nova visão da sociedade, um novo rumo para si. Precisam de conhecer as vantagens de uma hierarquia, uma autoridade, percebendo que o coletivo é muito mais importante que o individual.

Quando tanto se fala em cursos profissionais, seria assim tão descabido dotar estes alunos/militares de um ofício durante o seu “internato” militar.

A sociedade deve funcionar como uma entidade coletiva e quando tudo falha, antes que a criminalidade seja a rotina, convém “raptar” certos jovens e só deixá-los sair com as divisas no ombro, tornando malandros em homens de “H” grande.

Fica a proposta para a quem quiser implementar, mas já que este Ministério da Educação gosta tanto de pensar fora da caixa, flexibilizando isto e aquilo, até que ponto não fará sentido ensinar/aprender dentro de quartéis militares?

As escolas agradeciam… A sociedade também…

Alexandre Henriques

 

[Total_Soft_Poll id=”4″]

COMPARTILHE

124 COMENTÁRIOS

    • Pois claro que é excelente ideia mas pensem bem por exemplo no meu caso como em tantos outros sai da escola aos 18 anos tenho o 10ano e vim trabalhar pra o estrangeiro pra ajudar os meus pais e tbm ter uma vida melhor e tropa eu acho bem ser obrigatória porque até gosto muito da tropa e da vida militar mas imaginem comigo sendo obrigatório eu recomeço minha vida do zero…
      Não vale apena estragar a vida a pessoas assim ganhamos bem no estrangeiro mas temos que dar as mãos vamos pro exército não tiramos dinheiro pra nos mantermos em Portugal 😉

      • Respeito a sua situação e ainda bem que tudo correu bem e é uma pessoa de bem, mas não é de pessoas como o senhor que estamos a falar. Com certeza que o senhor nunca mandou para o c* os seus professores ou chamou p* às suas colegas e também não me parece que tenha respondido mal aos professores que o chamaram à atenção. Isto seria uma medida para estes casos de indisciplina e não para adolescentes que não gostam de trabalho teórico e preferem um trabalho e, com isso ganham a sua vida.

        • Adolph Hitler tinha sede de dominar o mundo. A vida militar não tem nada com as consequências tomadas pela violência de seu ego de dominação. A experiência acadêmica militar ajuda a dar diretrizes na vida de um jovem sem disciplina.

          • Vê-se. A tropa até tem, ou teve, “instrutores” que matam, ou mataram, instruendos, não é ? Se um indivíduo já tem taras, problemas mentais, não é a tropa que o vai curar. Antes pelo contrário, vai aproveitar-se da tropa para dar largas às suas taras. E não é só na tropa. Quem nunca teve um “chefinho”, coitadito, tão cavernícola, tão demencialmente cavernícola, que se aproveita da sua condição se “superior” hierárquico, para infernizar a vida aos seus subordinados ? E quando barafusta, agride moralmente, berra, e só depois de dar largas à neura que lhe rói as entranhas, e a mente, é que vai “averiguar” o porquê de tamanha loucura !? E quando maltrata o subordinado pelas costas, hipocritamente, e pela frente se “mostra” amigo !? Haverá tropa que cure estes alimárias ???

  1. Excelente ideia.
    Fui Sargento do Exercito durante 10 anos, estou sempre a dizer aos meus alunos que 4 meses intensivos na “tropa” ficavam prontos para a sociedade.

    • E depois ainda dizem que a Tropa não serve pra nada….. Como não conseguem resolver o problema da indisciplina em casa e na escola, chamamos a tropa….. A educação e responsabilidade deve começar no Berço…..

  2. Acho um perfeito absurdo. O serviço militar não é para castigar miúdos indisciplinados, é uma coisa séria. E não creio que os alunos indisciplinados que passam por sítios bem problemáticos como alguns bairros… devam andar com uma arma na mão.

      • Tout à fait, je suis pour ce service militaire obligatoire concernant les jeunes gens indisciplinés qui aura pour but de les mettre dans le droit chemin

    • Conceição, concordo consigo. Ser militar exige estrutura, exige competencias. Isto é saído do “se não vai a bem, vai a mal”. Como é obvio, alguns vão falhar! Que lhes faz a sociedade a seguir? Não seria mais fácil perceber que há alunos para quem a escola não faz sentido e arranjar-se uma estrutura diferente que se ocupasse desses casos?

      • Está a dizer o que ????
        Que se pague o rendimento minimo.
        E depois continuam a roubar porque o mesmo não chega ..
        A tropa e pouco.

    • não seria um castigo e sim um ensinamentos com outras regras, já que o famoso PSC prestação de serviço a comunidade não está ensinando. cumprem as horas e voltam a aprontar.

    • Quem que disse arma ? Serviço militar é simplesmente andar com arma? Para segurar uma arma precisarão segurar vassouras , escovas , panos e esfregões por muito tempo antes !!

  3. Eu subscrevo literalmente a sugestão. Também considero que só em regime militar estes alunos se iriam formar como cidadãos e até de perceber que são pessoas capazes

  4. Caro Alexandre Henriques,
    Espero que este seu artigo seja apenas um desabafo.
    Depois de tudo falhar, desde casa à escola e restantes entidades, acha mesmo que o serviço militar serviria como “casa de correção”?
    A instituição militar vai muito para além de educar onde tudo já falhou!
    Acha mesmo que homens e mulheres , a que chama parasitas, devem ser formados para, por exemplo, utilizar armas?

  5. Acho que seria uma ótima solução,para grandes males ,grandes remédios.teem que ter o tempo ocupado e ter regras , não podem só fazer o que querem….

  6. Passar a imagem de que uma instituição como as Forças Armadas de um país podem funcionar como “casa de correção” é no mínimo estapafúrdia. Pegar em meninos mimados que não foram educados de berço e pensar que vão passar a ser ordeiros e respeitadores porque recebem instrução militar e envergam uma farda é desrespeitar as Forças Armadas. Não será essa a solução, nem forma-los como bombeiros ou agentes de proteção civil. A falta de Valores da sociedade, por culpa da atual geração de pais, na qual me incluo, não é corrigida pelo ingresso numa instituição secular com elevados padrões de rigor e disciplina. Se não os têm nem nunca os tiveram, se nem os pais respeitam, o que fará com que esses jovem amém a pátria e a sirvam até ao sacrifício da própria vida?

      • Caro Alexandre Henriques questiono-me se cumpriu serviço militar… esse jovens que não respeitam ninguém vão mesmo respeitar as regras militares? eu vejo pela minha filha na escola…. colegas que faltam porque lhes apetece e têm a conivência dos pais… Acha mesmo que dariam bons militares? Tenho já 23 anos de instituição militar com missões no estrangeiro em cenários de paz e de conflito. Esses rapazes que não respeitam os pais jamais reconhecem autoridade a quem quer que seja. Acha mesmo que depois de desrespeitarem e receberem punições previstas nos regulamentos disciplinares militares eles seriam militares respeitadores? ou viriam para fora da instituição “pintar cobras e lagartos” para a podridão da comunicação social, fazendo-se de vitimas? mais uns quantos programas “Sexta às nove” a criticar a instituição por ter regulamentos disciplinares rígidos para os padrões da sociedade? a Solução passa por os pais de hoje em dia assumirem as responsabilidades deles como educadores…. Somos PAIS não somos os MELHORES AMIGOS dos nossos filhos

        • Concordo plenamente o exército e feito de pessoas integras, com valores morais, respeito e com espírito de sacrifício, não são nenhuns arruaceiros. O problema não seria destruir o que ainda funciona. Então que se vá para o serviço militar obrigatório para todos sem excepção.

    • de criticas esta o mundo farto
      queremos soluções e esta penso que é uma boa ideia porque melhor penso que ainda ninguém encontrou

  7. Isto é uma pura estupidez ! Ninguém é obrigado a ir para o serviço militar só porque abandonou a escola! Se o aluno não quer estudar e prefere trabalhar é bem melhor do que andar na escola contra vontade e a gastar dinheiro ah toa

    • Claro, não fazer nada e ficar a receber subsídios é de facto a melhor solução, fora os que seguem a escola da ladroagem…

      • Eu anulei a matricula escolar no dia em que fiz 18 ano, agora vão fazer o quê? Dar tau tau? Obrigar a tomar banho de água fria? Por ter deixado a escola porque esta não me mete comida na mesa nem da minha familia? Coitados, não são os jovens que têm de crescer, é a mentalidade do povo português em si

        • A escola pode até não dar dinheiro enquanto andamos lá, mas se não fosse ela, não haveriam médicos, que um dia precisarás deles, e agora que já andaram na escola, recebem dinheiro pela profissão deles, ou seja a escola não dá dinheiro mas sim um futuro.

      • …falou em escola da ladroagem…então os politicos…banqueiros…gestores…não tiveram instrução militar…de nada serviu…entendo o que quer dizer…esse método é usado nos USA para jovens presidiários…estive no serviço militar não aprendi nada que não soubesse…isso de valores é tudo uma utopia…veja o caso de Tancos…agora é assim quem faz a guerra são os soldados…e aquilo lá nos quarteis mais parece uma instancia de férias…

  8. Completamente de acordo! Mas neste país faz de conta se por um acaso acontecesse, vinha logo o bloco de esquerda barafustar que isso era a violência para os ” jovens “. A intenção é boa mas este país está minado com mentes estragadas. Nem educar os nossos filhos podemos.

  9. Posso lhe responder eu?
    Tomo essa liberdade…
    Perfiro uma arma na mão de um militar arisco que na mão de um marginal sem perspectivas de futuro…e solto na sociedade… sim, armas nao estao so no poder dos militares… vendem se na internet e nas ruas frequentadas por marginais.

  10. Em primeiro lugar, lamento a palavra “parasitas”.
    O serviço militar é formado por indivíduos que querem servir e honrar o país, não é uma casa de correção.
    Atualmente vejo que ps jovens têm ideias cada vez mais radicais e extremistas. Claro que ainda nada comparado além fronteiras, mas analisando o além fronteiras, ja repararam que vários dos indivíduos envolvidos em ataques contemplam no Curriculum ex-militar?.
    Será assim tao boa medida???
    Não me parece…

    • Parasita é aquele ser que se aproveita de outro e não dá nada em troca. Adequa-se lindamente a alguns dos nossos jovens.

  11. Não pode ser entendida como uma solução unica, a aplicar a todos os casos, mas poderá constituir-se como um elemento de requalificação importante para muitos dos casos que possam surgir em situação de abandono escolar ou de impossibilidade de execução do sucesso escolar, após a implementação dos meios pedagógicos usualmente utilizados. Esta proposta de trabalho, na minha opinião, deveria ser levada a sério

  12. E em vez disso tudo? Porque não lutar por um ensino melhor? Porque não reduzir cargas horárias das escolas, que a partir de 7 anos ficam um dia inteiro na escola, começam desde pequenos a perder o interesse, e a partir dos 7 anos andar com kilos e kilos nas costas que originam problemas de saude?E que tal evoluir um pouco a escola neste pais não evoluido para variar um pouco? Quadros a giz e livros a folha em pleno 2019, mas eu já nem falo disso! Elogiam tanto o estrangeiro, o pais X o pais Y que têm isto e aquilo, e em vez de copiarmos programas fatelas de TV e outras coisas desnecessárias que não importa ao pais, copiarmos coisas como deve ser? Numa escola todos têm que ser bom a português e matemática etc, todos têm que saber todas as disciplinas, e que tal mudarmos esse sistema? Desde miudos logo a seguir o que eles mais gostam? Não, é mais facil enfiar todos esses alunos, que muitos deles estão cansados do ensino da treta em portugal, num serviço militar!

    • Coitadinhos dos meninos que não podem andar com os livros mas podem andar com telemóveis que nada ensinam e com portáteis tão ou mais pesados que livros. Reduzir cargas horárias além das já facilitadas passagem de ano com 5 ou 6 negativas é preferível acabar-se com o ensino.

      • Tanta coisa erra nesse comentário… Primeiro de onde eu venho, os miúdos não têm dinheiro pra comprar portateis ou telemóveis, os papas é que oferecem, sim anda uma moda aí agora de os pais culparem tudo e todos por o filho dizer asneiras por exemplo, não é questão de haver controlo? Mas pronto isso é outra questão, em relação à passagem de ano facilitada, não concordo muito, como referi, tratam os miúdos como robôs que têm que ser bons a tudo, peço desculpa se a senhora era uma máquina e não tinha dificuldades a nenhuma disciplina, mas eu vejo hoje em dia, não tenho filhos mas tenho sobrinhos e vejo q catrafada de trabalhos que trazem, pá, são miudos! Não são adultos que têm as mesmas capacidades que nós caramba! Há que evoluir!

        • Sabia que as crianças não reprovam no 1º ano? Os professores são obrigados a passá-los para o 2º ano. Quando chegam ao 2º ano não sabem ler nem escrever. Logo, temos um professor com uma turma do 2º ano com 22 alunos em que 11 estão com matéria do 1º. Imagine a canseira para o professor e a confusão para os alunos. estamos no 2º ou no 1º? esta é matéria é do 1º mas agora o professor está a falar sobre coisas do 2º ou do 1º? Isto leva a apoios escolares (professores que ajudam estas crianças num outro horário) No primeiro ciclo só tem TPC´s à sexta e a maioria dos professores não são apologistas de TPC. Temos crianças, no primeiro ciclo, a ter explicações mesmo depois destes apoios todos.
          No 5º ano levam com todas as disciplinas (que nós levamos) na escola. Carregam os mesmos livros que nós carregamos e no meu tempo não havia cacifos. E quanto aos telemóveis. Ouvir musica dentro da sala de aula? Nos intervalos em vez de irem para a rua brincar e jogar a bola, temos grupos de 10 miúdos sentados lado a lado a jogar no telemovel, nem se olham nem conversam. Robôs? tem de ser bons a tudo? Não! só se pede que sejam educados e que estudem, bastava estas duas coisas funcionarem para que as coisas corressem muito melhor.

  13. Mais uma ideia disparatada e sem fundamento e respeito pela dignidade das forças armadas.
    Ser militar e representar o país e o estado na defesa e honrra do mesmo.
    Diria ser uma grande ideia aproveitar os miudos com boas notas e com bom comportamento para este sim terem uma carreira de militar e dignificarem a nossa pátria

    Joaquim Franquinho
    Tec. Farmácia e ex militar voluntário e contratado no Exército

    • Exatamente pela consideração que tenho para com as forças armadas (pai e irmão militares) que lancei o debate.

  14. Na década de 60 e 70 o regime fascista “castigava os jovens que discordavam politicamente, mandando-os para a guerra.
    Toda a gente sabe qual foi o resultado de colocar esses descontente no sistema militar.
    Os genes da democracia foram-se desenvolvendo dentro da instituição e subindo na hierarquia, porque eles não eram apenas meros soldados.
    Metam então os insubordinados no sistema militar e verão onde dentro de 15 anos estaremos.

  15. Sequestrar alguém por um ano? Se quer servir vá ,forcar alguém a algo que você julgar melhor do que para ele? e uma pauta comunista,e por isso que o movimento Bolsonaro esta indo pro buraco,pegaram uma pauta que desconheciam que são completamente voltada ao individuo o liberalismo e o conservadorismo,e esperam apoia-la em cima de ideias coletivistas,Não Vai dar certo,não e esse tipo de palhaçada que nos liberais e conservadores defendemos

  16. Excelente.
    Chamar-lhe-ia uma resposta articulada com os recursos da comunidade, de carácter holístico e multinível e mobilizadora de recursos variados, numa perspectiva sustentável de uma mobilização do sucesso e da integração social!

    Subscrevo “quase” na íntegra!
    O “quase” é por considerar que deveria ser aplicado a partir dos 15 anos e face à gravidade de muitos casos ( em crescendo) até antes!!!

    • O seu comentário parece uma obra literária…
      Aquilo que acaba de escrever não me parece ser uma opinião mas sim uma falácia filosófica sem aplicação real no assunto proposto.
      Mais não entendi nada do que foi a sua opinião….

      • Muitas das vezes o silêncio e a ausência de opinião é preferível ao disparate que acabou de fazer…..
        Até acho para o ajudar que o melhor era por algumas mães grávidas nas F.A e assim o problema ficava resolvido à nascença…..
        Enfim…..não sei que lhe dizer mais….

        • Parece-me clara a minha opinião expressas nos 1.º, 3.º e 4.º parágrafos.

          Quanto ao 2.º não percebeu? – Não era, mesmo, para perceber, pois é NADA, NADA, NADA! – Traduz, antes de mais uma IRONIA, com uma argumentação e discurso palavroso para dar um ar mais sério à coisa: pseudo-técnico e pseudo-intelectual EM LINHA COM AQUILO QUE É O DISCURSO “EDUCACIONAL” na actualidade (experimente, por exemplo, ler os DL 54 e 55, vulgarmente conhecidos, respectivamente, como inclusão e flexibilidade) …

          Depreendo que não costuma lê-la… e faz bem que é a atitude mais saudável mas há quem, por razões profissionais, tenha que ler este tipo de legislação (e “converseta”) que se constitui como factor de risco para a saúde mental… e, mais grave para a qualidade do ensino/educação em Portugal!!!
          Transcrevo um verdadeiro portento retirado do vasto preâmbulo de um dos decreto-lei acima mencionados… depois… imagine-se o conteúdo… ”
          Segue-se então a transcrição:
          “Por outro lado, a sociedade enfrenta atualmente novos desafios, decorrentes de uma globalização e desenvolvimento tecnológico em aceleração (ATÉ PARECE QUE O SÉC. XX NÃO FOI FANTÁSTICO EM PROFUNDAS E ACELERADAS MUDANÇAS NA INOVAÇÃO NA CIÊNCIA, MEDICINA, NUCLEAR, AEROESPACIAL, FÍSICA, INFORMÁTICA E ROBÓTICA… E COMO SE A VELHINHA GLOBALIZAÇÃO FOSSE FENÓMENO NOVO …) tendo a escola de preparar os alunos, que serão jovens e adultos em 2030, para empregos ainda não criados, para tecnologias ainda não inventadas, para a resolução de problemas que ainda se desconhecem.”

          – Apesar da presunção desmedida e “pelo sim pelo não”(na educação, e infelizmente não só, nunca se sabe com o que conta amanhã), eu já fui comprar uma bola de cristal! (foi difícil… estavam esgotadas mas lá encontrei a última numa velhinha loja na rua dos Fanqueiros.

          Nota: dentro de parêntesis e em maiúsculas, obviamente, são comentários meus)

          Termino usando, se me permite, as suas próprias palavras:
          “Enfim…..não sei que lhe dizer mais….”
          “Muitas das vezes o silêncio e a ausência de opinião é preferível ao disparate que acabou de fazer…..”

          • Gostei e desculpe a minha ignorância e falta de cultura , formação e informação.
            Contudo vou optar por continuar assim como sou ignorante e mal formado.
            Sabe tenho 43 anos e uma das coisas que aprendi não nos livros de filosofia ou direito mas sim na vida, foi que é preferível ser emocionalmente inteligente que ter um quociente de
            Inteligência elevado e acima da média como é o seu caso.
            Obrigado

          • Aproveito ainda para lhe dizer que vivo actualmente na Cidade de Alcobaça de
            onde sou natural, sou um provinciano de gema, mas vivi durante 10 anos na bonita Cidade de Lisboa.
            Conheço perfeitamente a rua dos fanqueiros onde referiu ter ido comprar a dita “bola de cristal”.
            Posto isto gostaria de lhe sugerir o seguinte, nessa mesma rua existe uma antiga e emblemática loja de decoração que tem por nome ” POLLUX “, penso que o Sr ficaria extremamente bem numa das montras da mesma para poder ser comprado como peça decorativa.

          • Caríssimo Joaquim Franquinho

            As qualificações/ adjectivações são todas suas – consigo as deixarei.
            Todavia tiro as minhas conclusões a partir da natureza das suas respostas:
            a) é evidente um sentimento de inferioridade… que rapidamente transbordou para a agressividade e insulto… mas isso é um problema seu;
            b) não julgue os outros por si: É que eu nunca estive nem estou, à venda – é uma questão de carácter!!!

  17. Quer dizer com tudo isto que no exercito ou forças armadas e policiais não há malandros? Usar uma farda não significa infelizmente pureza de humanidade. Que não ha violadores nessa classe nem ladrões ,vigaristas. E mentirosos. Somos um povo de perfeição. Ai de nós se isto seguir em frente

  18. Se es vagabundo o servico militar nao te tira o defeito fiz servico obrigatorio e vi muitos que erao bons rapazes se virarem em drogados e vagabundos o sevico militar tira defeitos mas origina outros talvez ainda piores veijo muitos comentarios de pessoas que nem sabem o que e um quartel militar nem o que se passa portas a dentro

  19. Tanto prurido para uns xy, xx, xxy e todas as demais variantes aprenderem disciplina, autoridade e hierarquia… já não há pruridos com ladrões, mentirosos, usurpadores, manipuladores, incumpridores,…, na governança!

    Pois que a mim incomoda que os meus impostos sirvam para permitir, sem mais e sem qualquer solução efectiva até aos 18 anos, a delinquência, prejudicar a aprendizagem dos demais, agredirem os colegas, exercer bullying, colocar em causa a segurança em ambiente escolar… estes têm mais direitos na escola e mais recursos que qualquer aluno que pretenda aprender mas tenha dificuldades …
    A escolaridade obrigatória deveria ser apenas até aos 15 e a partir daí continua quem quer… Uns irão trabalhar/ crescer e ser úteis, outros serão marginais…

  20. Boa noite …
    Tenho 3 filhos uma rapariga que entrou para a Universidade uma rapaz que entrou para a 1 classe e outro rapaz de 14 anos k já repetiu 2 anos (em diferentes anos letivos)e k detesta a escola!
    Não é por não haver educação em casa ou disciplina ,não é por eu ser divorciada do Pai dele k não haja afeto ou amor nada disso a regras e sobretudo respeito.
    Se me disserem como faço para o inscrever na tropa eu faço só para ele dar um pouco de valor, tornar se alguém k diga k tornou se num homem.,e k diga ;
    Realmente os meus pais tinham razão hoje tornei me num homem e não num vagabundo k só sabe viver as custa do estado ou dos seus pais …
    Não entendo porque razão a certos comentários..

  21. acho muito bem o serviço militar nao e so pegar em armas, mas sim disciplina e responsabilidade, coisas que muitos adolescentes de hoje em dia nao tem.

  22. Em vez da preocupação em perceber e contrariar a situação da indisciplina e do abandono, pega-se nos jovens “difíceis” alguns com estados depressivos e psicóticos, revoltados com a vida e o sistema e veste-se-lhe um uniforme, sujeita-se a um regime rígido de disciplina e entrega-se-lhe uma arma altamente mortífera nas mãos… Gostei da forma inteligente, simples e explosiva de chutar para a valeta a responsabilidade que é de todos nós, Pais, Educadores, Empresários e abandonar o destino do País… Sim senhor !! 👿👿👿👿

    • Desculpe mas de todos nós, é que não!
      Quando sentir medo e apanhar do seu filho de 15 anos… ou, quando o seu filho de 15 anos entrar em depressão por “perseguição e agressões frequentes” de delinquentes na escola (que ele tem receio de confessar)… ou quando o seu filho, para quem perspectiva uma formação de qualidade para uma vida melhor, confessa que os professores das disciplinas X, Y e Z não conseguem ensinar porque uns delinquentes sabotam em contínuo as aulas e as direcções nada fazem pois os coitadinhos têm todos os direitos de estar na aula e na escola… a conversa, certamente, será outra…

  23. Desculpe mas não parace, questione então o seu pai e o seu irmão se no entender deles as forças armadas iriam beneficiar a longo prazo com uma proposta destas.
    Com a abolição de serviço militar obrigatório em 1994 as forças armadas ficaram apenas e na classe de praças com homens e mulheres voluntários/as e consequentemente contratados.
    Não são muitos os jovens a querer ingressar e com interesse em ir como voluntário para as F.A e os que as procuram já são em alguns casos os tais problemáticos e com menos exito escolar e social.
    Estes militares só poderão estar neste regime de contrato no máximo 10 anos.
    Até aqui as forças armadas têm sido rigorosas na seleção dos mesmos e passam a contrato os que efetivamente tem qualidades e postura para a função.
    Não só de Sargentos e Oficiais vivem as forças armadas e os praças são a principal classe que pode e faz desenrolar o dia a dia por exemplo de uma unidade.
    Ora se temos praças com menos qualificações e com problemas de comportamento teremos certamente uma classe de praças menos capaz de honrar e dignificar as F.A assim como não estão a altura do rigor e das excelentes capacidades,postura e nutariedade que é reconhecida às outras duas classes de sargentos e oficias.
    Acrescento ainda e sabe certamente por ter uma família de militares que os critérios de seleção para sargentos e oficiais são de um rigor enorme, logo não se pode ter dois pesos e duas medidas para uma instituição tão importante e relevante que são as Forças Armadas.
    Mas tudo isto é a minha opinião e como é lógico cada um terá a sua e poderá haver verdades em todas elas.
    Obrigado

  24. Sr Alexandre Henriques desafiou a fazer sim um debate da importância do voltarmos a ter serviço militar obrigatório para todos/as os cidadãos Portugueses.
    Aí sim todos tinham a oportunidade de aprender os bons valores que as instituições militares passam.
    Depois do serviço militar obrigatório comprido seriam então as F.A a escolher os Homens e Mulheres que mais lhes interessavam para ingressar na carreira de militar.

      • Avançe com a ideia eu apoiarei…..
        Abraço e obrigado pela oportunidade de dar e contribuir com a minha opinião.
        Parabéns também pela coragem e frontalidade em abordar um assunto tao sério e importante

      • Eu gosto desse debate. E começo por perguntar: esse SMO que advogam seria geral e universal ou seria aquela farsa que eu tive de cumprir, só para fazer numero, sem uma formação digna dessa designação, onde os critérios de recrutamento pareciam ser unicamente o da quantidade de camas vazias, um injusto e pesadíssimo imposto de cidadania arbitrário que recaía sobre uma minoria?
        É que se realmente for justo, universal como se impõe, voltaremos a um exército de 150.000, precisaremos de tanta tropa? E não será barata….

  25. Nao acha que deveria existir obrigação nenhuma de quem é “mal comportado” ir para a tropa, diz que as morais da tropa sao fortes e bem estruturadas, concordo, mas imagine que agora eu acho que esta a ser “mal comportada” ao postar isto e a ser uma menos valia para a sociedade, reportaria isso e por acaso mexeria uns cordelinhos e seria enviado para a tropa porque esta na lei e pode ser feito, porém nao merece, gostaria tenho a certeza, ate porque é o senhor que esta a dar a ideia 🙂
    À parte do que acabei de dizer em ultimo lugar, a unica justificaçao para isso ser um absurdo é que o senhor está a quebrar um dos valores que todos nós mais prezamos que é a nossa liberdade, quem nao quer ir para a tropa nao vai, tal e qual como na escola, é obrigatória a inscriçao numa escola, mas se a pessoa nao quer ir e faz uma coisa em que talvez seja realmente bom ninguem o irá culpabilizar por isso, pois a lei é guiada no sentido da liberdade e nao da opressao. Obrigado

    • Liberdade? Sabe que existe escolaridade obrigatória? sabe que um jovem tem que se manter na escola e a escola tem de o manter até aos 18 anos? sabe que se uma criança ou jovem faltar um determinado numero de faltas injustificadas a escola é obrigada a sinalizar a criança para a CPCJ (pois esta pode estar em risco) Liberdade? o valor que mais prezamos? eu também gostava de ser livre não pagar IVAS nem impostos sobre os meus bens (IMIS e afins) Liberdade? quem a tem?

  26. Considera que devem ser as Forças Armadas a arcar com as consequências da má educação ou mesmo da falta dela?
    A EDUCAÇÃO VEM DE CASA. Da mesma forma que as escolas servem para ensinar e desenvolver o raciocínio e não para educar. As Forças Armadas servem para instruir indivíduos e capacitar os mesmos a defender e ajudar todos aqueles que não o conseguem fazer, servem para incutir valores de solidariedade para com os seus concidadãos até ao sacrifício ultimo se necessário.
    Não servem para de aterro de indivíduos resultados da irresponsabilidade e negligência de seus educadores, de seus pais. Pais estes que por não fazerem o que lhes competia delegaram a responsabilidade da educação nas escolas e agora querem querem o fazer o mesmo nas Forças Armadas, como se diz na tropa a responsabilidade não se delega 😉
    A ideia que as Forças Armadas possam ser casas de correcção revela desconhecimento de para que servem.
    As FA não servem para promover a segregação da sociedade, e se algum dia assim aconteceu não devia ter sido.
    Bem haja

  27. Excelente proposta e excelente artigo.
    Concordo com o SMO para todos os jovens, porque na tropa também se aprende a dar o devido valor às coisas, incluindo o valor do dinheiro, o valor do esforço e o valor da família. Tudo coisas em que boa parte do jovens de hoje têm dificuldades em valorizar.
    E para aqueles dos jovens que se foram construindo a sua personalidade como inúteis e imbecis malcriados, que vivem da malandragem, a tropa só podia fazer bem.
    Parabéns pelo artigo Alexandre Henriques.

  28. Em primeiro lugar achei o artigo descabido e com termos extremamente ofensivos! Sr. Alexandre, acha que é a chamar de “parasitas” a estes jovens que vai conseguir reeducá-los? Aviso-o que está muito enganado! Coloco-lhe algumas questões: será que não deveríamos incluir os pais ou responsáveis pelos jovens no processo de intervenção? Será que não deverímos fornecer competências de intervenção aos professores? Será que não devería existir uma reavaliação nos métodos usados pela CPCJ e todo o sistema interventivo? Não teremos de cortar o mal pela raiz e investir em profissionais competentes? Sugiro-lhe que antes de escrever artigos como este se possa informar mais, Sr.Alexandre, ou deva chamar “parasita” também ao Sr.? Tomo a liberdade para aqui deixar uma pequena provocação, para ver como custa na pele. Muito bom dia.

    • Parasita é aquele que se aproveita de(os) outro(s) e não contribui para nada. Acha mesmo descabida a expressão? Muito Bom Dia.

      • Sim, continuo a achar completamente descabida!! Penso que se deveria informar das origens comportamentais desses alunos!
        E quem lhe disse a si que esses jovens se aproveitavam de outras pessoas?
        Repare nas questões que lhe fiz que, com certeza, não o fez antes de escrever este artigo. A sua percepção não seria a mesma, garanto-lhe!

        • Estamos a falar em abstrato, cada caso é um caso. Não sou anjinho para acreditar que todos os alunos são bons e são vítimas de famílias e de outras circunstâncias. Recuso a ideia que não existe um único aluno/cidadão que não queira aproveitar-se do sistema. Quer mesmo que fale dos subsídios e afins??? Já percebeu onde quero chegar?

  29. Quando temos alunos que ao fim de 6 anos no 6. Ano. Passam para o PCA , voltam ao regime normal, faltas, indisciplina, falta respeito aos professores, outros adultos e pares. idas a CPCJ, idas a tribunal, processos arquivados ao fim de 2 anos e reabertos no ano seguinte. A ultima solução é uma instituicao fechada por um prazo de 18 meses. Seria muito melhor psssar esses 18 meses no exército. Regras, ter de respeitar autoridade, criar laços grupais, ter rituais de acordar e deitar cedo, exercicio, tratar bem os seus pertences, tanta coisa que aprende. Seria uma boa soluçao

  30. Boa Tarde,
    Adorei o debate e resolvi passar um pouco da minha experiência. Ora nem todos somos iguais e cada caso é um caso. Temos crianças com problemas de indisciplina com problemas a níveis emocionais os “não parasitas”. Crianças dos seus 10/ 11 anos que esmurram os colegas que gritam com os adultos que batem nas assistentes operacionais que “crescem para o professor”. Ora o procedimento a seguir. Reunião com a Encarregada de Educação que não sabe o que fazer, reunião com o Diretor de Turma que gasta entre 2/ 3 horas diárias do seu tempo livre a conversar com o aluno. Suspensões, idas ao psicologo da escola que descobre que a criança tem um problema, faz carta para o médico de família que o encaminha para a pedopsiquiatria do hospital e Ups! não é urgente (com este cenário) terá uma consulta nos próximos 6 meses. Saídas particulares, são caras. Como este caso temos vários. Pais que perguntam como os podem colocar no colégio militar ou nos pupilos do exercito e Ups! são 2.000 e poucos euros, somos “pobrinhos” não conseguimos.

    Agora passamos aos realmente parasitas. Adolescentes em que os pais recebem o rendimento mensal por andarem na escola. Faltam às aulas, mas são obrigados a ir. Abrem-se processos na CPCJ. Fazem-se acordos parentais, são revistos e novamente revistos, se a coisa se resolve arquiva-se o caso, ou então passa para tribunal, em ultimo caso o jovem ou criança é retirada à família e vai para uma instituição.
    Outro caso de parasitas: jovem que tem 18 anos e está pelo 5ª vez no 6º ano. Fez a escolaridade normal, não conseguiu avançar devido ao comportamento, vai para um PCA, não conseguiu atingir as aprendizagens, vai para um curso, depois volta para o PCA. A escola queima todas as hipóteses e passa a ter um adolescente, mal educado que entra nas aulas desrespeitando o professor, não acata uma ordem e maltrata as auxiliares, por exemplo “que é que foi? vá trabalhar que é para isso que é paga”.
    O seguinte parasita: entra na sala e baixa as persianas, o professor pede educadamente que as levante, quando o faz profere “FODA-SE” quando questionado grita com o professor. Não vai às aulas, tenta-se fazer um PRI (para que não chumbe o ano) não cumpre. O encarregado de educação justifica as faltas. Tenta-se novo PRI e a grosseria e o desrespeito continua o ano letivo todo.
    Outro parasita: 16 anos a caminho dos 17. 3 anos no 6º ano, vai às aulas quando quer. Processo na CPCJ, maltrata os adultos da escola e desrespeita os professores e com quem quer que fale com ele. Os professores quando ele desrespeita um adulto dizem calmamente “o menino está a ser indelicado para com a senhora/ o menino não está a ter um comportamento adequado” Tem Processo na CPCJ e em tribunal. Todo este processo se desenrola em 3 anos. Desgaste de reuniões, troca de emails em toda a rede escolar (Tecnicos da CPCJ com a escola, Encarregados de educação com a escola, CPCJ com Encarregados de Educação, Tecnicos do EMAT (Apoio ao Tribunal) com a escola e encarregados de educação. Toda uma panóplia de tentativas de ajudar o jovem para que este entre no caminho das aprendizagens, e motivação pela escola. A nível escolar, além das aulas, diversos projectos onde o jovem pode aprender informações novas (por exemplo: convite à ILGA para ir à escola falar das diferenças a nível sexual) esclarecimentos, apoios e o jovem tem de ser retirado do auditório pois foi incorrecto com o dinamizador externo à escola. Por fim, no final destes longos 3 anos foi retirado à família para uma instituição fechada e ficará nela pr 18 meses,porque ups! fez um assalto. Ora vamos ver, instituição fechada com outros jovens como ele ou a aprender ainda mais a fazer asneiras ou a desencaminhar os outros.
    Penso que seja este tipo de parasitas que estava a falar? e sim, penso que no exercito teriam mais sucesso. Quando este era obrigatório o meu irmão foi como voluntário para santa margarida e não lhe fez mal nenhum. Sorte para ele porque nesse tempo eu não me podia voluntariar porque sou mulher e naquele tempo não era possivel. Todos os meus amigos que lá foram não morreram. Qual o problema destes jovens irem? Regras, autoridade, ter que tratar bem os poucos pertences que tem, rituais, exercício. Não lhes fazia mesmo mal.

    Depois temos homens de 25 anos, sustentados pelos pais que vivem no quarto agarrados ao PC, ou que não trabalham porque dá muito trabalho levantar cedo e cumprir regras. A Adolescência vai até aos 30? estamos a caminhar, por este andar, para adultos que morrem e nunca se tornaram maduros.
    Tanta coisa para dizer e tão pouco tempo.

  31. Concordo plenamente. Se estiverem ocupados a serem direcionados para o caminho certo através da disciplina militar, acho bem, pelo menos andam com cabeça ocupada e não pensam em como fazer asneiras.

    Mas há o revés da medalha, se foram pessoas agressivas ou instaveis podemos estar a dar ferramentas para aperfeiçoar as suas habilidades na arte de fazer mal ao próximo.
    Mesmo assim acho correto.

    • Luís,
      Dos exemplos que deixei e da vasta experiência que tenho, estes jovens mais “rufias” não são agressivos fisicamente, apenas são agressivos e instáveis a nível de comunicar (maltratam verbalmente adultos e colegas). Olhando para a maioria dos casos não têm um modelo masculino em casa. Ou por separação, ou o pai está no estrangeiro ou porque faleceu (cada caso é um caso). Se tiverem um professor (masculino) a falar com eles são mais cumpridores (o que não deveria acontecer) um adulto é para ser respeitado independentemente do sexo e idade. Estes, os mais velhos, em que tudo foi tentado e nada foi alcançado é que acho que lhes iria fazer bem o exercito, porque um jovem destes inserido num grupo que se rege pelos mesmos valores a nível social (com esse grupo) tem que se ajustar. E aprende que perante um superior hierárquico terá de ter um comportamento ajustado. É diferente de ele se ver perante um grupo com o mesmo registo que ele
      Depois temos outros que possuem este tipo de comportamento mas se repetem este tipo de comportamento em casa, levam uma lamparina do Pai ou da Mãe. Como na escola não levam lamparinas, possuem uma postura desafiante.
      Geralmente são os miúdos mais pequenos 10/11/12 que partem para a agressividade física com os pares ou adultos, mas como referi na maioria destes miúdos existem “mazelas” emocionais escondidas por trás, e da experiência que tenho a escola apoia em tudo a criança e a família. Muitos deles, a família é apoiada porque essas “mazelas” estão relacionadas com algo familiar (ou não, pode ser apenas uma má interpretação da criança) pois nem todas as crianças sentem e visualizam as coisas da mesma forma, então terá de se fornecer estratégias para que as famílias possam, em casa, também ajudar. Tal como todos nós, há coisas na vida que machucam uns e não machucam outros. Além destes apoios todos, a escola providencia ainda apoio psicológico e apoio na área de saúde escolar (apoio ao jovem no centro de saúde). Só em último caso, em situações gravíssimas é que se sinaliza a criança para instituições de segunda linha (CPCJ, Tribunal, etc).
      Ora, pela minha experiência, e segundo o tema lançado pelo Alexandre Henrique, numa escola de 1.000 alunos apenas 5 iriam para o serviço militar obrigatório em vez de ir 18 meses para uma instituição fechada. Penso que não era um grupo de 5 por cada escola portuguesa (e nalgumas nenhum) que iria distabilizar, durante 18 meses, as F.A. Mais valia estarem livres a reaprender o seu papel no mundo e poderem visitar os familiares do que ficarem isolados 18 meses isolados, como se estivessem presos.

  32. Já atrás deixei um comentário e pelo que vou dizer não me vou identificar, após acompanhar as muitas opiniões válidas aqui expostas chego á conclusão que as FA, no actual contexto da instrução/recruta, não são o que a generalidade das pessoas pensa.
    Estamos a falar de instrução, da chamada recruta que em poucos anos mudou e muito.
    A ideia generalizada é que no “Tropa” a bem ou mal os meninos fazem-se homens, pois bem, não é o que se passa no momento, os meninos continuam meninos e ganham as manhas de pressionar as chefias militares que com objectivos pessoais muito defenidos se deixam influenciar, ou simplesmente não estão para se chatear.
    Entre outros, através de queixas aos meios de comunicação social, sempre prontos a crucificar as FA, e apoiados por muitos populares ou através de “primos” que ocupam cargos públicos e telefonam para os srs comandantes a fazer pressão para não apertarem com os meninos. Os srs comandantes são pressionados, e depois os instrutores são alvo de processos porque: obrigam os meninos a comer a salada de alface ou arroz porque os pais nunca os obrigaram em casa; porque obrigam os meninos a andar em “acelerado”; porque o menino foi insolente para o instrutor e teve que dar uma voltas á parada; porque está muito sol e a instrução tem que ser á sombra, entre outros tantos casos. É claro que existem excessos de parte a parte… Mas a verdade é que a maioria das pessoas que estão nas fileiras vêem com maus olhos ir dar recruta porque é meio caminho para ser prejudicado em termos de carreira e ter chatices. Para resumir, a sociedade se quiser “empurrar” a educação destes miúdos para as FA ( o que não concordo), vai ter que assumir que os anos de niglegencia e que isso vai sair do corpo dos meninos, porque actualmente as chefias militares querem números e não se querem chatear, e os baixos escalões que ainda acreditam em alguma coisa não estão para se sacrificar por algo que ninguém quer assumir..

  33. “Por que não tornar o serviço militar obrigatório para alunos indisciplinados ou que abandonem a escola e desprezam os milhares de euros que a sociedade investiu neles para os tornar uma mais valia?”

    PPFFFFFF AHAHHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHHAHAHAHAHHA LOOOOOOOOOOOOOOOL

  34. Lamento nem sequer ler os comentários aqui feitos, para não me exaltar mais…
    Ser militar é um privilégio um motivo de orgulho não é para quem quer, é para quem consegue, há que o merecer!!
    Pessoas falam sem terem a mínima ideia do que são as Forças Armadas, você que escreveu esta ideia que nem a vou descrever, meta-se em sentido quando fala dos militares, tenha respeito, os militares teem muito mais que fazer do que educar os filhos dos outros, passam mais tempo por ano em missões, exercícios, limpezas de matas etc… do que em casa, a fazerem o trabalho por 4 ou 5 devido à falta de pessoal e com subsídios ridículos pagos sempre atrasados…
    Tenham muito orgulho nos militares portugueses pois nenhuma força armada de outro país europeu passa por esta carga psicológica e física brutal e recebe um ordenado mínimo de Portugal…
    Isto tudo realmente parece um bom castigo, mas é o trabalho e a vida de homens e mulheres com muito valor, que vocês nem orgulho teem, o mínimo aqui exigido é pelo menos RESPEITO pelos militares!!!

    • Exatamente por respeitar os militares é que lancei a ideia. Os militares dão instrução, estão habituados a ensinar e moldar pessoas. Não estou a pedir o impossível…

  35. vocês devem de estar loucos, as forças armadas agora são como outro qualquer emprego, onde existem bons e maus militares. contudo deixamos passar algumas falhas, e muitas situações. continuando a existir maus militares nas fileiras. alguns são apanhados com drogas, mas não os mandamos embora por na realidade precisamos deles, alguns desrespeitam ordens mas não mandamos embora porque precisamos deles. fazem falta soldados nas fileiras, pois sargentos e oficias precisam de quem faça o trabalho duro. precisamos de mão de obra, para proteger e salvaguardar os interesses e vontades do comando.
    soldados sejam bons ou maus fazem falta.
    seja indisciplinados ou não a disciplina e obediência é algo que já nao existe mais

  36. A laicização do estado (cá dentro) e a teocratização (lá fora) de certas sociedades, alimentadas, estas, por fundamentalismo exacerbados, hostis ao ocidente e à sua cultura, são outras tantas achas para a fogueira da complexidade empedernida da vida dos nossos dias. Se, por um lado, cá, se vão diluindo os brandos e ingénuos costumes alicerçados na trilogia Deus, Pátria e Família, por outro lado vai ficando aberto o caminho ao facilitismo, à irresponsabilidade, à incompetência, à dissolução do significado dos vários papéis sociais que impendem sobre os cidadãos, quer da sociedade civil, quer daquela que a complementa. No meio deveria estar a virtude, convenhamos!
    Desmantelada essa escola de vida que era a tropa (não a guerra), reduzido o simbolismo da bandeira e do hino à mais ínfima espécie (futebol e pouco mais), descaracterizada a família e a sua orientação modelar, transformada a escola num campo de rivalidades e trabalhos forçados, onde o professor perdeu toda a individualidade e autoridade, pouco mais resta às crianças de ontem, aos jovens de hoje e aos homens de amanhã, absolutamente traídos nas suas mais legítimas expectativas, do que a busca desenfreada do prazer versus solidariedade e dever, na tentativa de combater a frustrante desilusão de uma vida sem sentido.
    Reactive-se já o Serviço Militar Obrigatório

  37. Ir para a “Tropa” deixou de ser um dever cívico e passou a ser um castigo… Enfim.

    Sinceramente: Ou é “Tropa” para todos, ou continua só para quem quer… Para desmamar crianças já basta os que hoje em dia andam lá… e não só lá como em muitas outras profissões.

    É muito fácil arranjar soluções assim quando nem se sabe do que fala. Talvez quem teve essas ideias, deveria ir uns tempos “à Tropa” ver o que realmente é.

  38. Sou empresário à mais de 20 anos, nunca vi como agora falta de compromisso, falta de civismo e muita falta de sentido de hierarquia.
    Os jovens de hoje habituam-se cedo demais que ninguém lhes dá ordens ou orientações, nem pais nem professores.
    3 a 4 meses de tropa obrigatória para rapazes e raparigas era um favor que se fazia à sociedade.

  39. Excelente ideia!…Tambėm andei na tropa e sempre achei que a tropa só fáz bem aos homens, ajuda em tudo… como a ser pontual, desenrascado, obediente, limpo, aprumado, organisado, etc, e uma coisa muito importante que aconteceu comigo. Começamos a pensar em ter uma vida proficional e organisada fora da tropa.

  40. Já que há várias pessoas são contra colocar no serviço militar obrigatório disciplinador estes seres que não foram disciplinados nem pela sua família e nem pela escola, o que fazer com eles então para que não sejam um peso morto na sociedade? Será que simplesmente matá-los seria a solução restante?

  41. E tinham de falar nos cursos profissionais, como só frequentassem nesses cursos pessoas assim!
    Mas aí tão bastante enganados, eu frequentei um curso profissional e sempre tive excelentes notas, tive vários colegas que continuaram para a universidade, e eu sou militar!

  42. Sou contra qualquer tentativa de reactivação do SMO sobretudo por esta razão: injustiça.
    Cumpri 16 meses, mas afinal de obrigatório só tinha o nome, não era geral nem universal, os filhos dos mesmos de sempre estavam dispensados, era como um enorme imposto aleatório que caía sobre uns quantos, uma minoria de azarados como eu que sem qualquer racional critério de selecção lá iam cair só para justificar os quadros permanentes inflacionados da altura (anos 80).
    Quanto ao assunto em concreto deste tópico devo dizer que o artigo foi muito provavelmente escrito com boas intenções mas revelador de quem nunca marcou passo e está afastado da realidade militar. Porquê? Porque só saía melhorado do SMO quem já era bom quando para lá entrou; os maus saem de lá bem piores ou péssimos.

  43. UM ANO PARA TODOS.HOMENS E MULHERES SEM EXCEPÇÃO RICO OU POBRE,FILHO DE POLÍTICO OU GOVERNANTE, SEM “CUNHAS” DOS 18 AOS 19. “O LEMA É: APRENDER A SER EDUCADO; DISCIPLINADO E OBEDIENTE; FAZER LIMPEZAS NO AQUARTELAMENTO, FAZER A SUA,CAMA, ETC, ; COZINHAR; ANDAR APRUMADO, GINÁSTICA E CORRIDAS COM MOCHILA, ACAMPAR E COMER EM TENDAS, EM DESCAMPADOS, COM CHUVA E SOL SEM ARMA, SEM TELEMÓVEL OU AFINS.NO HORÁRIO DE TRABALHO, ETC E SAÍDAS SÓ FINS DE SEMANA E FERIADOS, EXCEPTO OS DE ESCALA DE SERVIÇOS DO AQUARTELAMENTO..HORAS DE ESTUDO, SÓ NO FINAL DO SERVIÇO DENTRO DO QUARTEL OU UM DIA NO SERVIÇO, POR SEMANA” .- NADA MAIS SERIA PRECISO, PORQUE MUITO IRIA APRENDER NESSE ANO E,SEMPRE APLICANDO A LEI MILITAR. ACREDITO QUE ASSIM SE FARIAM HOMENS E MULHERES PARA A VIDA. TENHO DITO, PORQUE É UMA NECESSIDADE PARA ESTE PAÍS E, NÃO QUERO MORRER SEM QUE TAL ACONTEÇA.

  44. Boa tarde tenho um sobrinho com 17 anos indisciplinado nao quer estudar muito menos trabalhar como podemos po lo num serviço militar tropa dura pra ele sair de la um Homem.. so tem o 6°ano feito..
    Obrigado a quem responder

  45. Meus estimados senhores e senhoras,
    Infelizmente, não pude ler tudo até ao fim, mas li a maioria dos comentários, por isso peço desde já desculpa se repetir algum comentário/opinião anterior.
    De facto a sociedade vive e depara-se desde algum tempo com diferentes paradigmas.
    Julgo que todos são da opinião que os jovens devem saber comportar-se e saber estar em sociedade. Na verdade vivemos hoje uma crise completa de valores. Sejam eles morais, religiosos, ou outros.
    Verifiquei e não pude ficar indiferente quando falaram que algo devia ser feito para jovens com comportamentos de risco (indisciplina). Concordo plenamente. Agora foi falado aqui muita coisa e sobre uma delas gostaria de abrir ao diálogo que é o seguinte:
    Não seria bom deixar, para evitar a indisciplina e o descontentamento escolar, com quem lida com estes jovens diariamente, nomeadamente os seus professores? Não serão estes que terão a capacidade de ajudar e encaminhar os nossos jovens para um lugar seguro para eles e para a sociedade, envolvendo equipas multidisciplinares para o efeito?
    Se não vejamos, falou-se de autoridade e disciplina, certo? Então, não seria melhor devolver essa ordem da disciplina e autoridade máxima ao professor quando em contexto escolar?
    Lembro que o estado português também investiu muito neste sector.
    Caríssimos deixo aqui a minha sugestão.

  46. Ainda hoje falei disto. Até me dá vontade de rir. Parece que, neste momento, há mais sargentos e oficiais do que soldados. Já vem tarde. Avance-se! Ao mesmo tempo, construam-se escolas verdadeiramente profissionais: electricidade, mecânica, canalização, etc.

  47. A ideia romântica pode ter boa intenção, mas os militares já estão desgastados em demasia para terem a obrigação de reeducar os nossos filhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here