Início Escola Pena de Morte: porque não falar dela nas escolas?

Pena de Morte: porque não falar dela nas escolas?

78
0
COMPARTILHE
       A pena de morte não é só um assunto do passado.

Entre as pessoas que se interessam por questões ligadas à educação para os Direitos Humanos e Cidadania a resposta que dou sobre a utilidade de estudar na escola o tema Pena de Morte (que SIM, deve ser tema prioritário) é muito minoritária.

Quando defendo que, por exemplo, na disciplina de História, de qualquer ciclo, esse tema devia ser mais abordado, já sei qual o tipo de reações que vou ter.

A mais comum é “não temos pena de morte em Portugal, para quê falar disso? Importante é falar de questões mais próximas.”

Ao que contraponho, precisamente por isso.

O risco de ressuscitar o tema é diminuto e, ao não falarmos disso, até parece que temos vergonha como Estado e como povo de lembrar algo de que até nos devíamos coletivamente orgulhar. 150 anos sem pena de morte.

Além disso, a reflexão sobre a pena de morte cai no domínio do tipo de raciocínio sobre o absurdo e sobre o limite: quem entenda e perceba, por sua própria reflexão, a inutilidade de matar por sanção um criminoso horrífico, vai ter mais abertura à tolerância noutros domínios, por absorção do tipo de raciocínio.

Por exemplo, vai pensar de outra forma sobre a tortura ou sobre o tratamento dos presos. E até sobre o racismo e a injustiça em geral.

Refletir sobre a pena de morte e sobre as razões porque Portugal é abolicionista é mesmo altamente formativo.

Muita gente me diz: “já há muitos alunos a favor da pena de morte. Falar disso vai agravar o problema.”

Penso o contrário: por não se falar disso é que o problema se agrava. E contamina outras reflexões dos alunos sobre direitos humanos.

No próximo ano (2017) passam 150 anos sobre a abolição da pena de morte em Portugal (para os crimes não militares).

Tecnicamente, este ano de 2016 passam 40 anos sobre a abolição definitiva e plena da pena de morte em Portugal (passaram no dia 2 de Abril: data em que foi aprovada a Constituição de 1976 que contém a frase, que acabou com a pena de morte para os crimes militares, que resistia na Lei desde 1916, “em caso algum haverá pena de morte”).

Nas escolas estamos a falar disso?

Ou, embrenhados no imediatismo das discussões mais próximas sobre Direitos Humanos e, aparentemente, mais interessantes na utilidade, da violência do namoro ou do racismo (ou outras) perdemos a noção de que a discussão de um tema cultural vasto (alegadamente distante) mas que até interessa aos alunos pode, por via indireta, mas eficaz, ajudar também aí, abrindo vias de reflexão até para o que é quotidiano e imediato.

Vitor Hugo foi um escritor que abordou genialmente e como pioneiro o tema. Da sua obra tira-se talvez uma conclusão forte: não é difícil ser contra a pena de morte para um inocente.

Difícil é entender porque se tem de ser contra mesmo para um culpado. E pensar sobre isso faz pensar sobre quase todas a vertentes dos Direitos Humanos. E sobre o modelo de sociedade e valores associados.

Além disso, os nossos alunos vivem num mundo global. E no mundo global há pena de morte, e muita….

Se nós não temos pena de morte no nosso território, ela ainda existe na Europa (Bielorrússia) e no resto do mundo as execuções estão a aumentar. E não se conta a China (aquele país com quem temos relações comerciais e empresariais tão estreitas…).

Hoje saiu o relatório da Amnistia Internacional sobre a situação da pena de morte no mundo.

Podem ver aqui o vídeo de resumo dos dados (em francês)

Pela primeira vez na História, a pena de morte já está abolida na maior parte dos países mas, nos últimos 25 anos nunca tinha havido tantas execuções (1634 pessoas contabilizadas em 2015).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here