Início Rubricas O papel dos assistentes operacionais nas escolas.

O papel dos assistentes operacionais nas escolas.

19840
14

Quando os meninos chegam, pela primeira vez, a uma coisa chamada jardim de infância,  muitos deles até se adaptam bem, outros têm muitas dificuldades. Em ambos os casos  buscam uma segunda “mãe” para os abraçar, para lhes dar beijinhos, carinho, colinho, para lhes limpar as lágrimas, para os adormecer, em muitos casos, para lhes mudar as fraldas, para lhes fazer pequenos curativos, para os ajudar a comer, às vezes meter comida à boca, em suma ajudá-los a crescer. E é principalmente a assistente operacional que tem este papel. São raras as crianças que depois de crescerem não se recordam dessa pessoa e a maioria dos casos  nunca se esquecem do nome da “auxiliar” e de um ou outro episódio que ela os marcou pela positiva. Do lado desta profissional a festa de finalistas é um momento de alegria, de satisfação, porque os seus meninos já “aprenderam a voar” sozinhos mas por outro lado é um momento de tristeza de perda porque vai ficar sem os seus meninos.

AjudarNo primeiro ciclo, as crianças entram naquela coisa, que já é uma escola a sério, onde já há notas, onde se pode ficar retido (e ainda há pouco havia exames), olham para os alunos do terceiro e do quarto ano e parecem-lhes muito grandes e isto ainda é mais assim, quando vão parar a uma escola que além do primeiro ciclo, também tem o segundo e o terceiro. A maioria delas, ficam mesmo assustadas e imediatamente procuram “auxilio” naquela pessoa que as recebem ao portão, que está com elas no recreio, que as acompanha no refeitório, que as entrega ao fim do dia, aos pais ou então acompanha-as à carrinha ou autocarro. Estas pessoas são as assistentes operacionais destas escolas ou destes centros escolares que, durante quatro anos, têm o prazer de ver crescer estes meninos, têm orgulho, satisfação de terem tido um papel ativo no seu crescimento e de terem ajudado a prepará-los para uma nova etapa. O último dia em que estão na escola, por norma, é dia de festa e quase sempre há lugar a troca de prendas entre as funcionárias e os alunos, muitas fotografias mas também muitas lágrimas e imensas promessas, por parte das crianças, de futuras visitas. Certamente isto acontece porque se desenvolvem fortes laços de afetividade. Faço aqui o desafio, de todos nós puxar a fita atrás, e de dizer em voz alta o nome de pelo menos de uma auxiliar da nossa primaria e seremos poucos a não superar o desafio.

No setembro seguinte, os nossos meninos chegam à EB 2,3. Esta maior, muitos professores, muitas disciplinas, muitos alunos e muitas coisas novas. Mesmo sendo mais assistentes operacionais, rapidamente cada aluno, cada turma “escolhe” aqueles com quem querem contar, para lhes segredar as suas coisas, para ajudar a vencer uma série de medos, para  proteger dos grandes, dos maus, para os desculparem aos professores e aos pais e principalmente para sentir que não estão entregues a si mesmo.

Quando os jovens entram no secundário já não querem e não precisam dos assistentes operacionais, para os ajudar a comer, para protegê-los dos grandes ou maus e muito menos para lhes dar beijinhos. Mas procuram-nos para os orientar onde e como funcionam as coisas, para eles, estas secundárias são enormes e eles sentem-se, muitas vezes, perdidos mas com muita dificuldade em o admitir e é em nós que encontram a possibilidade de ajuda. Ao longo do tempo começam a desenvolver connosco uma relação muito próxima, contam-nos muitas coisas da sua vida pessoal, familiar, confidenciam paixões, desavenças amorosas ou seja, passam a contar com um amigo, um confidente e com uma pessoa que os vai ajudar a dar o salto para o mundo adulto. Queiramos ou não, somos nós que melhor conhecemos estes alunos, porque além do que eles nos contam, somos nós que lidamos com eles, fora da sala de aula e é aqui que eles são verdadeiramente eles, não estão sujeitos a uma nota, sabem que serão repreendidos mas que no momento seguinte podem contar connosco para o que precisarem. Nestes 20 anos lidei com centenas de jovens, muitos deles posso compará-los a filhos, muitos outros a amigos e mesmo muito poucos não me deixaram saudades. Depois desta ligação que mantemos, o que melhor nos pode acontecer é vê-los, tempos depois, a serem homens e mulheres felizes, com os sonhos realizados. Eles fazem questão de nos visitar, de nos telefonarem, de nos procurar nas redes sociais para nos darem nota se já acabaram o curso, se estão a trabalhar, se emigraram e até para nos convidar para o casamento.

Aqui ficou um “cheirinho” do papel dos assistentes operacionais nas escolas.

Maria de Lurdes Ribeiro

COMPARTILHE

14 COMENTÁRIOS

  1. O vosso papel é fundamental para termos escolas aconchegadas. Obrigada a todos quantos desempenham este papel maior na vida de tantos e tantos alunos… na nossa também. 🙂

  2. Sem dúvida Maria de Lurdes Ribeiro e já me pôs a chorar.. pois é assim mesmo a minha vida com os ‘meus’ meninos. E como nós somos importantes para eles também eles são muito importantes para nós ( falo no plural porque creio que sentirão o mesmo que eu), pois é a eles que dedicamos mais do que as 8 horas de trabalho,trabalho esse feito com muito prazer, que é completamente compensado não pelo ridiculo ordenado mas pelo carinho amor dedicação dessa crianças que serão sempre nossas. Não troco o meu trabalho por nenhum outro, não há nada que se compare com a sensação de um abraço um beijo um mimo dado por eles na escola na rua e mesmo depois de adultos.

  3. Finalmente se lembram de comentar sobre as assistentes de educação , mas não chega! Pensem também numa profissão de desgaste rápido e de sintomas acentuados do síndrome de Burnot!

  4. Que linda sua profissão! Acho o trabalho das assistentes fundamentais no crescimento das crianças! Parabéns a todas e que DEUS continue Abençoando e Iluminando vossos caminhos!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here