Início Escola “O Chorrilho De Palavrões Que Escorre Pelas Escolas Públicas”

“O Chorrilho De Palavrões Que Escorre Pelas Escolas Públicas”

1606
3

O artigo que vão ler lembra-me um que escrevi em 2016… Passar nos corredores e ouvir “vai pró caralho”, assim… tão natural como a sua sede…

Por isso compreendo muito bem o que escreveu a professora Carmo Machado. A parte final do texto é simplesmente deliciosa…


PRIMEIRO ESTRANHA-SE, DEPOIS ENTRANHA-SE…

Nunca descurei o poder terapêutico de um bom palavrão. Dito no momento certo, faz mais pela minha saúde mental do que uma boa oração. De vez em quando também digo um belo “f…-se”… Sai-me! Pronto, vai por ali fora como as decisões, não deixando espaço para arrependimentos. Mas eu sou professora. Ensino Português, a língua de Camões, Pessoa e Saramago. Não posso pactuar com o chorrilho de palavrões que escorre pelas escolas públicas em geral e pela minha em particular.

Caro leitor, quando me refiro a palavrões não penso no uso incorreto, por vezes desajeitado que se faz da nossa língua e que, tal a boçalidade dos termos utilizados, para alguns quase roça o palavrão. Não estão sequer em causa palavras e/ou expressões que se propagam por aí como cogumelos, Não me refiro a bordões como o popular tipo, sem o qual a maior parte dos jovens de hoje não consegue articular uma simples frase, seja simples ou composta, ou ainda a outras utilizações incorretas da nossa língua como é o caso de a gente somos, houveram, visto e ouvisto, hádem, derivado do, deslargar, prontos, por causa que (entre tantos outros). Não! Essas palavras e expressões são quase pequenos oásis no meio do chorrilho de palavrões em que me afundo diariamente. Refiro-me a esse hábito de dizer palavrões que atravessa, dizem, todos os estratos sociais e que é, sem dúvida, parte integrante do vocabulário mais usado pelos adolescentes, pelo menos os que frequentam a minha escola…

Vejamos: estaciono o carro são sete horas e cinquenta minutos aproximadamente e há já pequenos grupos de alunos, mais madrugadores que, junto ao portão da escola, conversam entre si. Passo por eles e ouço, logo ali, uns quantos f….-se, aos quais tento escapar porque ainda é muito cedo e eu mal acabei de acordar e os meus ouvidos precisam de um pouco mais de tempo de habituação para o flagelo que se seguirá. Atravesso o portão e outros grupos acumulam-se no átrio onde a situação se agrava dramaticamente porque, aos magotes, os alunos parecem soltar os palavrões de forma mais livre. Atravesso os palavrões protegendo-me como posso mas sem nunca lhes ficar indiferente. Durante anos interpelei os alunos, repreendi-os, corrigi-os, apelando sempre com bons modos ao bom senso e educação necessários dentro e fora da escola. Enfrento sempre com o olhar o aluno de onde saí a boçalidade (caso conseguisse identificá-lo) e, ao dar-se o caso deste aluno pertencer a uma das minhas turmas, recebo de imediato um desculpe, stora. Nem tudo é mau. Caso contrário, o aluno fica completamente indiferente à minha repreensão ou chega mesmo a devolver-me um olhar desdenhoso como se eu fosse um mero inseto que ganhou coragem para voar. Se inicialmente e durante muito tempo, repreendi os alunos, confesso que aos poucos fui-me deixando disso. Agora já quase consigo fazer de conta que não ouço… Atravessa os grupos de alunos uma professora surda. Porque já comecei muitos dias de trabalho ansiosa e triste. Porque me apercebi de que, nervosa e angustiada com as respostas e atitudes que recebia, o meu dia ficava irremediavelmente mais difícil. Porque a reação indescritível de alguns alunos quando repreendidos é suficiente para que o meu sistema nervoso ameace saltar de órbita e a mim me apeteça dar-lhes um estalo. Porque a vaga de palavrões nas escolas públicas (das outras não falo porque as não conheço) veio para ficar.

Diz quem sabe que o hábito de dizer palavrões vem do tempo dos romanos e que alguns palavrões, a meu ver mais ténues e macios como merda puta, têm origem latina. Parece também que inicialmente os palavrões mais ofensivos estavam ligados à vida religiosa, algo que hoje em dia deixou de fazer qualquer sentido pois mandar alguém para o Diabo não tem poder absolutamente nenhum nos dias que correm. São os palavrões ligados à sexualidade e ao corpo humano que são os mais populares e que fazem a delícia dos nossos jovens, servindo como elemento de team bonding, o elo que faz falta aos adolescentes para se sentirem ligados entre si. A palavra que designa a vigia, ou seja, o lugar mais alto de uma embarcação é um dos palavrões mais usuais nos corredores da minha escola, atirado ao ar por alunos do 7º ano 12º ano, seguindo-se de imediato o célebre e popular f….-se. Talvez pudéssemos propor no regulamento interno a aceitação de pequenas variações ao vernáculo puro e duro, sei lá… Talvez a interjeição fosga-se pudesse ser um substituto ou o suavizado fónix fosse passível de aceitação.

Alguns peritos na matéria avançam com a ideia de que o uso repetido e consistente de palavrões é uma resposta natural à dor, ajudando mesmo a suportá-la (tese defendida pelo psicólogo britânico Richard Stephens). Porém, a sua utilização constante tem um efeito contrário na medida em que o uso repetido destes palavrões perde o seu efeito terapêutico. Outros especialistas nesta matéria defendem que o uso do palavrão alivia o stress, ajudando a expressar emoções, muitas vezes as mais básicas.

Quanto a mim, mera professora de Português numa escola pública, sofro diariamente com a vaga de palavrões que me assola desde o momento em que entro na escola até que saio. É uma forma de agressão de que ninguém fala mas que me afeta de forma persistente e me deixa por vezes à beira da depressão. Estou seriamente a pensar estabelecer um contrato com os meus alunos sobre o uso do palavrão. Vou dizer-lhes que, tal como eu faço, também eles devem guardar muito bem os palavrões para quando precisarmos mesmo deles. Assim, cada aluno meu poderá dizer um bom palavrão por período, à minha frente, numa ocasião especialmente emotiva, à sua escolha. Permitir-lhes-ei que expressem de forma audível um palavrão dos bons quando, por exemplo, receberem a nota do teste de Português!

Carmo Machado, in Visão 25-10-2018

COMPARTILHE

3 COMENTÁRIOS

  1. Na semana passada a minha filha (8ºano) disse à professora de Português que não se sentia confortável a dizer um palavrão num texto qualquer da aula. Ela não usa essas palavras e nunca ouviu esse linguajar do pai e da mãe, nem em casa. A professora insistiu e ela pediu para não o fazer; disse claramente que não se sentia confortável. Ela acrescentou que esta era a forma como havia sido ensinada pelos pais. A professora ameaçou que não a classificaria e ela, lá muito reticente, disse baixo e entre dentes aquilo que não queria ler.

    Nem vou discutir onde é que termina a educação dos pais nas minhas palavras, porque obviamente a professora mandou a educação dos pais “às couves” impondo a sua autoridade a uma miuda de 13 anos. Ela chegou a casa a sentir-se mal e nervosa porque teve de fazer algo que não queria fazer e contou-nos o sucedido. Não compreendo porque é que uma aluna de excelentes a Português teve de ser obrigada, sobre pressão e públicamente, a fazer algo que ia contra as suas ideias decorrentes da educação que recebeu. Ela sente ser importante respeitar os seus pais e mais do que isso, sente que não precisa dessas palavras para exprimir os seus sentimentos.

    Que mundo é este que obriga a certas ideologias sem respeitar a liberdade de expressão? Não será isto um caso de abuso emocional até? Acredito que muitos professores de Português achem que sim, que deveria ter de ler, escudando-se no argumento que “está no programa”. Mas, no fim do dia, temos a cada vez mais a habitual discussão geral entre a educação dos pais vs. a imposição de ideologias liberais, que tipicamente só funcionam num sentido.

    Porque não ensinar os miúdos a escrever frases concisas e bem pontuadas, que possam ser uteis num ambiente profissional, etc. Sim! Porque uma percentagem pequena destes alunos vai ser poeta ou escritor, mas a maioria usará a escrita em ambientes profissionais no dia a dia. Por exemplo, ao ler emails de alguns estagiários fico a pensar o que é que andaram a fazer no secundário… No entanto, acredito que o gosto pela leitura é fundamental para o dsenvolvimento do individio, abrindo os seus horizontes. Será que estamos a afungentar os alunos de hoje, homens e mulheres de amanhã?

    Nota: Tenho oito filhos, um ou outro talvez não fizesse “ondas” e lesse, outros não resistiriam à pressão que é muita; um deles disse, “podem mandar-me para a rua se quiserem, não digo o que não quero”. Eu respeitaria todos.

    • xiii, já encontrei “montes” de erros no que escrevi, é o que dá escrever de cabeça quente. Agora sim, tudo o que disse ficou descredibilizado 🙁

      Na verdade e sem atirar responsabilidades a outrém, o meu percurso no secundário em Português nos anos 80 foi tão bom, que não me lembro de nada desses anos.

      Desculpem mais uma vez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here