Início Escola Há censura de livros em bibliotecas escolares…

Há censura de livros em bibliotecas escolares…

66
0
COMPARTILHE

…. nos EUA

Tanta é a censura que até 3 de Outubro esta é a semana dos Livros Proibidos (ou, se preferirem, numa tradução com mais sabor, Livros Banidos).

É uma iniciativa contra a censura de livros nas escolas e nas bibliotecas públicas.

BBW15_518x800Esta coisa de livros proibidos faz-me sempre lembrar a nossa própria História e os tempos em que, por cá, havia livros proibidos.

A tragédia percorreu séculos de vida cultural portuguesa e, há 40 anos, até Camões e a sua Ilha dos Amores penavam no rol dos textos proibidos nas escolas.

Por cá, já não há listas de livros proibidos nas escolas e os bibliotecários têm liberdade de gerir os seus fundos, não com base na censura, mas em critérios pedagógicos e culturais.

Mas, nos EUA, o controle direto pela sociedade civil (muitas vezes ultra-conservadora e ignorante) ou por fações religiosas, que dominam associações de pais, junto com a estupidez típica dos censores, fazem com que seja preciso todos os anos realizar-se uma iniciativa de luta contra a censura nas bibliotecas.

Um dos promotores é a Comic Book Legal Defense Fund (CBLDF), mas a iniciativa é promovida por múltiplas ONG e organizações culturais e de direitos cívicos (entre elas, a Amnistia Internacional, a Associação dos Editores Americanos, a Associação de Bibliotecários ou Associações nacionais de escritores). Consta até no grupo a National Coalition Against Censorship (Liga nacional contra a censura), organização cujo nome apela mais a países como o Irão ou a Rússia e talvez não imediatamente os EUA.

Logotipo da CBLDF
Logotipo da CBLDF

Este ano, essa semana foca-se nos livros para jovens adultos que, pelos vistos, são os que mais vezes são proibidos por influência de pais, patrocinadores de bibliotecas (que dependem de fundos privados) ou decisores políticos locais, preocupados com o eleitorado susceptível ao que outros possam andar a ler.

Segundo a Associação de bibliotecas americanas – American Library Association (ALA), centenas de títulos são todos os anos removidos ou propostos para remoção em escolas e bibliotecas nos EUA.

Segundo a ALA, foram 331, em 2014. Segundo as suas estimativas, 70 a 80 % dos casos de censura deste tipo nunca são reportados e os livros são banidos em segredo. Alguns desses livros são mesmo obras-primas que, até fora dos EUA, são símbolos da cultura americana. A lista pode ser consultada aqui.

Pessoalmente soa mesmo muito irónico constar na lista dos banidos, um dos livros da minha vida, que li com menos de 20 anos, Fahrenheit 451, um romance  de Ray Bradbury sobre uma sociedade em que os bombeiros não apagam incêndios mas têm como missão queimar livros, que foram todos banidos…..

A semana é, assim, um apelo à ação para lembrar, como diz a organização, que “os jovens precisam de ser deixados ler sem restrições livros que sintam ser relevantes e terem a possibilidade de escolherem por si”.

A Liberdade é sempre uma conquista diária mesmo num país que se diz a terra dela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here