Início Rubricas Estamos a preparar jovens muito instruídos mas deseducados e desumanizados

Estamos a preparar jovens muito instruídos mas deseducados e desumanizados

441
2
COMPARTILHE

Como em quase tudo nunca se sabe quem “nasceu primeiro, se  a galinha ou o ovo”, logo pode-se alegar que hoje com tanta incerteza profissional que não “ataca “ só os jovens, mas a estes fá-lo e em força,  tem que se viver “um dia de cada vez”, pelo que não se pensa no amanhã. E, até em outras “coisas”, alguém nos faz o “pensamento”! E, como tal, tentam-se “impingir” ideias de competitividade demasiado agressividade, concorrência de qualquer “jeito”, tudo determinado a ver se os “supostamente melhores” ou os com maior “cunha”, “caçam” os mais altos poleiros e os outros esfalfam-se de trabalho em trabalho. E, como “isto “ está generalizado, dificilmente se pensa em mudar, e até a não auxiliar no sentido “actual”, temos Sindicatos que hoje defendem ideias de há 40 anos logo estão desactualizados, e fazem greves que é – hoje – uma forma de auto- sobrevivência e não de resolução de problemas do Mundo do Trabalho e dos Trabalhadores. E, por que não mudamos o percurso relativamente ao que vem a acontecer nas últimas duas décadas, e muito se alterou demasiado rapidamente, para todos! Mas nem todos o assumem, abertamente.

Claro que, todos os sexagenários e daí para cima podemos ser “os culpados” da impreparação para a vida real dos adultos, hoje, por termos e bem pretendido – mas talvez de forma errada – dar um bom futuro aos nossos descendentes, dando o máximo de habilitações, mas/ e “tirando-lhes “ todas as ervas más do caminho.  O que sendo bonito e feito com as melhoras das intenções, depois dificultou-lhes a forma de encarar problemas que fazem parte do quotidiano de um adulto. Hoje, nesta segunda década do século XXI está-se neste aspecto, numa situação muito mais complicada.

A maioria dos jovens pais e mães, hoje, não estão por culpa de geração anterior preparados para o ser e exercer. Não sabem dizer “não e não” aos seus descendentes, dão-lhes tudo para os sossegar e como está na moda o divórcio – mudar de parceiro/parceira, mesmo que para pior – ,então , cada um dos pais divorciados “dá mais coisas ao filhos /filhas para os comprar.

Isto não é educar, isto não é preparar para ser adulto. Isto é a criar “meninos “ com canudos diplomáticos, só e unicamente! E também, “ numa de ovo e galinha”, os pais e mães têm uns dias muito agitados, como antes também assim não tivesse sido  – quando elas e eles tinham que trabalhar horas sem conta em empresas fabris, mormente nos têxteis e calcado – e hoje, não têm tempo para os filhos filhas. Então, para que o fazem?

Uma vez que, dão muito trabalho e a diversão – se bem, merecida –não pode ser acumulada ao “mesmo” tempo de ser, ainda mãe ou /e pai! Hoje, por vezes parece que se “faz” uma criança por ser muito engraçado, nem sequer o “fazer” mas a criancinha. E não é, até pode e deve ser feito com grande prazer, mas é uma grande responsabilidade, colocar na Vida uma Nova Pessoa!  E só o deve fazer, hoje tão facilmente controlável, quem sabe o que esta a fazer! E quando pais, mães, filhos, filhas estão – será pontualmente (?) – juntos estarão de facto? Ou querem ver a televisão, ou querem estar no FACE ou impingem as criancinhas para aulas complementares, de complementares, de complementares das obrigatórias para as ocuparem controladas por outros a quem pagam para isso fazerem? E falta carinho e falta ideia de família – que de modo algum tem que ser sagrada, ou de papel – e falta amor, e falta preparar as crianças, os jovens para serem adultos conscientes e independentes, dizendo “não quando não tem que ser dito “e amando quando tem que o ser!

Para que, como tanto e tantas hoje – cada vez mais cedo e mais novinhos/as, não pensem -, só e unicamente – em viver um dia de cada vez, tenham medo de se comprometerem com relacionamentos mais sérios e edificantes, que saibam ter, dar e fazer carinho, ter, dar e fazer amor. Mas passou tudo a ser já, rápido e acabou. E siga o dia de amanhã que o de hoje já acabou e amanhã virá outro, e um dia de cada vez, é que é fixe. E sem dúvida alguma que é muito bom, a liberdade de se aproveitar, tanto elas como eles o prazer sexual, o gosto, mas com consentimento, com reflexão e com carinho, e não animalescamente no faz, já está e amanhã vem outro ou outra! E siga-se a contagem! E, todos os conceitos e preceitos – que não preconceitos – que nos fazem superiores como Pessoas, como Humanos, vão-se evaporando com muitas instruções e habilitações – que sem dúvida são muito necessários – mas com vidas ocas, sem conteúdo, sem futuro. “Cheias” de relacionamentos que começam e acabam no mesmo dia, depois de muitos copos, de se rapidamente pinchar na cama e cada um seguir a sua vida, sem verdadeiro recheio!

Talvez falte qualquer coisinha, talvez seja pouco, isto, e talvez tenhamos todos que pensar por nós em sermos humanos, que pode ser tão bom, sem sermos coisas, nem só máquinas, nem só animais.

Ou  não!
Augusto Küttner de Magalhães

COMPARTILHE

2 COMENTÁRIOS

  1. Corroboro com o que está escrito. Também escrevo na minha página pública do FB sobre sermos país actualmente, sabermos dizer não, passarmos tempo de qualidade em família e com os filhos. As criancinhas cada vez mais são mal educadas e digo mesmo, malcriadas, única e exclusivamente por culpa dos adultos que deixaram de exercer autoridade para com os filhos. A palmada pedagógica exercida na hora não traumatiza, pois agora tudo traumatiza, é a hiperatividade, ou seja, estamos a criar e a formar “monstros’ mimados que já batem nos pais. Mais vale as suas crianças e jovens chorarem agora, do que os pais chorarem mais tarde. É agora fazermos compreender este conceito a certos adultos? “A educação é de berço”.

  2. Aportuguesando um vocábulo inglês, os nossos jovens estão a ficar muito “egóticos”, muito centrados no seu EGO.
    As suas vidas regem-se pelo “gosto/não gosto” ou pelo “apetece-me/não me apetece”.
    E quando, nas salas de aula, eles decidem não fazer nada, é um problema…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here