Início Rubricas Dizer palavrões e tratar por tu “é fixe”, meu

Dizer palavrões e tratar por tu “é fixe”, meu

111
0

palavrãoSe não formos dos praticantes do palavrão, ou seja, em cada 10 palavras 11 serem palavrão, dado que já está entre dentes um – palavrão – para a próxima frase, e, se não formos daqueles que também achamos “fixe” quando alguém, seja qual possa ser a idade, conhecemos – hoje já não se apresenta, conhece-se – passarmos de imediato a tratar por “tu”, então somos anormais, mas apreciemos quem o faz. É “fixe, meu”!

Nada difícil, dado que é uso e costume o palavrão. Torna os machos mais machos e elas mais para a vanguarda, mais iguais, mais desenvoltas. Claro que tudo isto, é mais um contributo para deseducar a sociedade, para a tornar ainda mais selvagem, para nivelar formas de estar em conjunto, o mais baixo possível. Mas é “fixe, meu”!

E, para a maioria é “mesmo tão fixe” estar sempre a dizer o belo do palavrão. Alto se possível, e como a nossa língua tem vários palavrões que definem o mesmo termo, talvez 4 para cada, é um tal de gastar o palavrão, que quanto mais, melhor.

Sendo que uns, palavrões, são mais usados, saem mais frequentemente, são mais “gostosos” de estar sempre a dizer.

E, elas, agora até a eles ofuscam no palavrão. Elas até a eles suplantam nos copos, elas até eles superam no tabaco. E os cancros de fígado e pulmão vão diminuindo neles e aumentado nelas – isto não é cinismo, são as estatísticas que o confirmam – e não há cancro por dizer palavrão, pode-se dizer à vontadinha, em força os “f”, e os “p”, para soar melhor e mais alto.

E pais e mães acham um sinal de adaptação ao Mundo Real, os seus filhotes, coitadinhos, hoje tão evoluídos até já nascem a saber mexer no telemóvel, estarem de palavrão na ponta da língua. E, na sala de aula tem que ser. No café, se não fosse de palavro alto e bom som, não era café.

E agora os VIP também dizem o seu sistemático palavrão, dá mais enfâse à frase, sabe melhor, com aquele gin de marca e o mais dispendioso da lista. Parece que estão a dizer mais verdades se pelo meio, em cada duas intercalarem com três palavrões.

E o tratar por “tu” é um sinal de confiança, e é mais fácil, como estamos todos a diminuir o nosso vocabulário, valha-nos o Acordo Ortográfico que só nós utilizamos, reduzimo-lo ainda mais com o tu, e o verbo correlativo.

E como o nível de educação, que já não só instrução está a cada dia que passa mais baixo, e ainda mas baixo vai ficar utilizar sempre, o belo do palavrão, tem o seu ar de importância, de estar na “onda” que não da Nazaré, de ser fixe, e proeminente.

E se possível, ele de boné na cabeça em locais fechados, e ela de óculos  escuros, supostamente de sol, só para a prender o cabelo, em vez de bandelete, e  em dia de chuva. Tudo ao contrário, mas assim é que é fixe, e quanto pior, Melhor!


 Augusto Küttner de Magalhães

COMPARTILHE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here