Início Escola Concorda com uma manifestação de professores em Lisboa na 1ª quinzena de...

Concorda com uma manifestação de professores em Lisboa na 1ª quinzena de julho?

2407
18

A greve de professores está a fazer o seu percurso e é para continuar. Porém, esta greve está “fechada” nas escolas, e alguns colegas já mostraram interesse em exprimir a sua indignação.

A sondagem que se segue, em parceria com o blogue DeAr Lindo, é exatamente para conhecer a vossa opinião.

[socialpoll id=”2508873″]

 

COMPARTILHE

18 COMENTÁRIOS

  1. Se a condição do professor é fundamental para desenvolver uma função que é estruturante para o desenvolvimento da sociedade, então que esta manifestação seja contra os responsáveis desta degradação e tem os partidos do poder como responsáveis e a partir de 2005, são eles o PSD, o CDS e o PS. A manter-se esta falta de apoio numa questão de direito que deve ser reconhecido aos professores, então nenhum deles merece receber qualquer voto, de qualquer professor que seja!

    • O Horácio está a esquecer-se de que o PCP e o BE aprovaram explicitamente o congelamento do tempo de serviço em 2016 e 2017. O congelamento foi determinado anualmente através de uma norma dos sucessivos Orçamentos de Estado.
      Já agora, também o fizeram o PEV e o PAN.
      Fico com a ideia de que está a ficar sem partidos “alternativos”.

      • Não tenho problema algum em ficar sem Partidos “alternativos”. Já agora acrescento que o meu apoio a esta manifestação que está a ser avaliado ou sondado está condicionado a uma participação de todas as estruturas sindicais e em particular da Fenprof e da FNE. Caso contrário corre-se o risco de se tratar de uma manifestação pouco expressiva o que não desejo de modo algum!
        Face à posição dos Partidos, não queira comparar nesta matéria o PS, PSD e CDS com o PCP, o BE, o PEV e o PAN e mesmo que tal fosse, o mal dos Partidos do “Arco da Velha” não fica justificado com o congelamento assumido pelos Partidos à esquerda nos anos de 2016 e 17. Para mim nada muda, a retoma de rendimentos é para distribuir e recuperar! O mau comportamento de um de não fica justificado pelo mau comportamento do outro. Se a dignidade de um deve ser reconhecida, não é o não reconhecimento da dignidade do outro que justifica um não reconhecimento da dignidade de ninguém! Vamos sair deste ciclo vicioso de se eu não tenho, tu também não poder ter! Ambos devem ter! O que não acontecer é uma minoria que já muito tem, viver à custa da maioria dividida entre si numa postura miserabilista de comparação entre a porca miséria em que vivem!

  2. A greve deve continuar…
    Mas, qual delas?
    A primeira sim, pois incomoda muita gente.
    A segunda… serve para incomodar, essencialmente, os colegas que não concordam com a greve. E pouco mais.
    E uma greve à correção de exames? Como iria reagir a SE Leitão?
    Ia dar uma grande confusão…

  3. A fazer-se a manifestação, será fundamental ter-se em consideração a existência de outros eventos (como por exemplo, a final do Mundial de Futebol) no seu agendamento, para que não seja menosprezada pelos mídia como aconteceu na anterior (com a coincidência do casamento real, cuja data já era conhecida muito antes). Neste momento, como se tem constatado na campanha de propaganda e contrainformacão que têm desenvolvido contra os professores, até o campeonato regional de berlindes lhes serviria para nos tirarem visibilidade (e se conseguissem, também credibilidade).
    Abraço

  4. Mas não agendem no fim-de-semana da Final do Mundial, ou lá se vai outra vez a visibilidade nacional nos jornais e televisões.

  5. Acho que a manifestação devia fazer-se, sim, mas ainda esta semana, quinta ou sexta-feira, que ainda estão abrangidos pela greve às reuniões, garantidamente sem serviços mínimos, e já acabaram os exames. Além disso, seria mais espontânea e aproveitava-se a onda lutadora do momento. Não tarda, cansamos. E, se fosse já, voltávamos a apanhá-los de surpresa.

  6. Uma manifestação como a de 2008 não se volta a repetir. Além disso, sabemos muito bem quais foram os seus efeitos.
    Vamos inovar e fazer o que nunca foi feito: uma greve à correção de exames.
    Serviços mínimos? Talvez, mas ia dar uma grande confusão… E será a única forma de recuperar o pagamento da correção de exames.
    Caros colegas, é tempo de recuperar o tempo, não o desperdicem em manifestações!

  7. Só com o acordo de todos os sindicatos e de preferência nas CAPITAIS DISTRITAIS (pelo menos em algumas mais aglutinantes)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here