Início Rubricas Ainda a questão dos professores ultrapassados

Ainda a questão dos professores ultrapassados

612
5
COMPARTILHE

Quando escrevi sobre este assunto pela 1ª vez na blogosfera, alertando de que podiam existir ultrapassagens na progressão, vários acusaram de falsidade; ficava-lhes bem pedir agora desculpa…

A confirmação pela boca da SE de que há ultrapassagens na progressão:

Mário Silva

Professores “extraordinários” ultrapassam professores de quadro

Afinal, há mesmo professores “extraordinários” a ultrapassar colegas de quadro

Fonte: blogue DeAr Lindo

COMPARTILHE

5 COMENTÁRIOS

  1. Desculpa tem q pedir você!!!! O q escreveu anteriormente nada tem a ver com o problema colocado pela mortagua a secretaria. O q tentou dizer anteriormente foi com a abrangência da portaria aos 9 anos de congelamento o q não é verdade. O problema q foi colocada a secretaria e outro e refere se a transição do antigo para o nove ecd e alguns profs vinculado anteriormente perderam anos serviços em escalões!!! Portanto fale verdade é não distorça os factos pois os leitores sabem ler e interpretar. Para enganar já tivemos o Sócrates e agora o Bruno de Carvalho e não é necessário mais ninguém!!! Continuo à espera das desculpas por artigos falsos.

  2. Como é óbvio, o tempo congelado não conta para ninguém. (pelo menos enquanto não for decidido em contrário)
    O que a deputada refere não é verdade! Há muito mais. Vejam:
    1. Quem estava nos 1º e 2º escalões (docentes com bacharelato) da carreira anterior, definida pelo Decreto-Lei n.º 312/99, ingressava no 1º escalão da nova carreira (definida pelo DL 15/2007) após 8 anos.
    2. Os docentes que estavam no 3º escalão da anterior carreira (DL 312/99) ingressavam no 1º escalão da nova (atual) após 3 anos.
    3. Todos os docentes posicionados no 4º escalão ou acima (com licenciatura) foram reposicionados de acordo com o índice, tendo que ter 4 anos de serviço para progredir ao 4º escalão anterior, transitando para o 1º escalão da carreira atual.
    4. Desta forma:
    a) Os docentes que vincularam após 2011 vão ser reposicionados de acordo com o tempo de serviço prestado (e bem!), mas ganhando 3 ou 4 anos a todos os colegas que já se encontravam na carreira em 2011 (3 aos que se encontravam nos 3 primeiros escalões da anterior carreira e aos que se encontravam no 7º escalão, e 4 aos que se encontravam nos 4º, 5º e 6º escalões). A partir do 8º já não é linear, pois houve introdução de novos escalões intermédios em relação aos anteriores (5º e 7º).
    b) Esta situação seria evitada se tivesse permanecido a norma existente na proposta de OE para 2018 (impedia ultrapassagens, isto é, os docentes seriam reposicionados no escalão onde se encontram os que possuem o mesmo tempo de serviço), mas que os sindicatos exigiram que saísse.
    c) Outra forma de evitar seria efetuar a integração na carreira dos docentes de acordo com a que vigorava anteriormente, aplicando-se as regras de transição quando da entrada da atual. (isto seria possível, e muito mais justo) pois é contado (e bem) todo o tempo de serviço.

    Porém, parece que o que interessa é manter as escolas em ebulição, colocando professores contra professores. A quem interessa? Ao governo? Às 15 organizações sindicais que nos dividem?

  3. Pelo reposicionamento de todos!

    TEMPO DE SERVIÇO IGUAL
    ESCALÃO IGUAL

    O Ministério da Educação, bem como a imprensa em geral, têm passado uma ideia errada, de que os docentes deste país perderam somente o tempo de congelamento. Tal, não poderia ser mais falso! O SIPE, tem vindo a alertar para esta situação há muito tempo… São 4 anos perdidos, em média, extra-congelamento!

    Assim, o SIPE propõe:
    (…)
    Negociação de uma portaria única que regulamente o reposicionamento de todos os docentes, quer os que ingressaram na carreira entre 2011 a 2017, quer os que já se encontravam em carreira, de acordo com o previsto no ECD em vigor, numa lógica única e justa de para os mesmos anos de carreira corresponda um posicionamento de carreira igual, salvo as situações que decorram das bonificações por ADD ou mestrado/doutoramento.

    Esta petição não invalida a luta paralela, pelos 9 anos, 4 meses e 2 dias do congelamento.

    Assina a petição em http://www.sipe.pt
    Aprovada no congresso do SIPE de 24 de março
    Publicada no dia 12 de abril

    Não te esqueças! Divulga por todos os teus contactos. Pede ao diretor para divulgar pelos e-mails institucionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here